Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Há nova média recorde de mortes; mais de mil esperam UTI no País



06/03/2021 | 14:15


A quantidade de mortes por covid-19 no Brasil ficou acima de 1.700 pelo quarto dia consecutivo, atingindo 1.760 vítimas nesta sexta-feira, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. A sequência fez o País ter novamente recorde na média móvel diária de óbitos, levando em consideração os últimos sete dias: 1.423. Os recordes consecutivos ocorrem no momento em que Estados e municípios enfrentam o dilema de afrouxar ou não a quarentena. E a fila de espera por leitos de UTI covid continua aumentando.

Há pacientes aguardando liberação de leitos nas principais cidades do País, e em mais de 10 Estados o sistema de saúde está operando no limite. Mais de mil esperam UTI em 5 Estados: na Bahia, a secretaria registrava 337 pacientes à espera de leito. Em Goiás, eram 300. Havia relatos ainda em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rondônia.

Já a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou ontem uma série de mapas que mostram o agravamento da pandemia em todos os Estados e Distrito Federal. Em 1.º de março, apenas o Sergipe estava no nível de alerta baixo para UTI. Outros 7 Estados estão em alerta médio e todos os outros em nível crítico.

O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, afirmou que a pandemia de covid-19 no Brasil deve alcançar patamares "dramáticos" nas próximas semanas se nada for feito para deter a circulação do vírus. "Estamos todos cansados da pandemia, não é fácil para ninguém. (...) Mas os dados neste momento são os mais graves de toda a pandemia (...). Temos de reduzir a possibilidade de circulação até aumentar o número de pessoas protegidas", alertou em vídeo nas redes sociais.

Estados. A adoção de medidas restritivas, porém, continua variando muito de região para região e sendo polêmica. Hoje, à zero hora, todo o Estado de São Paulo passou para a fase vermelha, em que só serviços essenciais podem funcionar. Essa medida deve vigorar até o dia 19, assim como o "toque de restrição", das 20 às 5 horas.

Mas algumas cidades do interior do Estado buscam alternativas para não cumprir integralmente o aumento de restrições. Franca planeja medidas judiciais para manter o município na fase laranja. Já o prefeito de Mirandópolis usou as redes sociais para criticar o governador e deixar claro que não pretende seguir as medidas. A maior parte dos municípios, porém, deve acatar a restrição maior.

Enquanto isso, mesmo com 85% dos leitos de UTI para covid-19 ocupados, o governo do Amazonas liberou a abertura de lojas, salões de beleza, academias e transporte intermunicipal, além de deixar facultativo o retorno das aulas em escolas privadas na educação infantil a partir da próxima segunda-feira. Já o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), afrouxou mais uma vez as medidas de combate à doença que ele havia determinado no fim de fevereiro, apesar dos 90% de ocupação em UTIs. Em novo decreto, liberou a reabertura de academias de esporte de todas as modalidades a partir da segunda-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Há nova média recorde de mortes; mais de mil esperam UTI no País


06/03/2021 | 14:15


A quantidade de mortes por covid-19 no Brasil ficou acima de 1.700 pelo quarto dia consecutivo, atingindo 1.760 vítimas nesta sexta-feira, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. A sequência fez o País ter novamente recorde na média móvel diária de óbitos, levando em consideração os últimos sete dias: 1.423. Os recordes consecutivos ocorrem no momento em que Estados e municípios enfrentam o dilema de afrouxar ou não a quarentena. E a fila de espera por leitos de UTI covid continua aumentando.

Há pacientes aguardando liberação de leitos nas principais cidades do País, e em mais de 10 Estados o sistema de saúde está operando no limite. Mais de mil esperam UTI em 5 Estados: na Bahia, a secretaria registrava 337 pacientes à espera de leito. Em Goiás, eram 300. Havia relatos ainda em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rondônia.

Já a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou ontem uma série de mapas que mostram o agravamento da pandemia em todos os Estados e Distrito Federal. Em 1.º de março, apenas o Sergipe estava no nível de alerta baixo para UTI. Outros 7 Estados estão em alerta médio e todos os outros em nível crítico.

O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, afirmou que a pandemia de covid-19 no Brasil deve alcançar patamares "dramáticos" nas próximas semanas se nada for feito para deter a circulação do vírus. "Estamos todos cansados da pandemia, não é fácil para ninguém. (...) Mas os dados neste momento são os mais graves de toda a pandemia (...). Temos de reduzir a possibilidade de circulação até aumentar o número de pessoas protegidas", alertou em vídeo nas redes sociais.

Estados. A adoção de medidas restritivas, porém, continua variando muito de região para região e sendo polêmica. Hoje, à zero hora, todo o Estado de São Paulo passou para a fase vermelha, em que só serviços essenciais podem funcionar. Essa medida deve vigorar até o dia 19, assim como o "toque de restrição", das 20 às 5 horas.

Mas algumas cidades do interior do Estado buscam alternativas para não cumprir integralmente o aumento de restrições. Franca planeja medidas judiciais para manter o município na fase laranja. Já o prefeito de Mirandópolis usou as redes sociais para criticar o governador e deixar claro que não pretende seguir as medidas. A maior parte dos municípios, porém, deve acatar a restrição maior.

Enquanto isso, mesmo com 85% dos leitos de UTI para covid-19 ocupados, o governo do Amazonas liberou a abertura de lojas, salões de beleza, academias e transporte intermunicipal, além de deixar facultativo o retorno das aulas em escolas privadas na educação infantil a partir da próxima segunda-feira. Já o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), afrouxou mais uma vez as medidas de combate à doença que ele havia determinado no fim de fevereiro, apesar dos 90% de ocupação em UTIs. Em novo decreto, liberou a reabertura de academias de esporte de todas as modalidades a partir da segunda-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;