Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com hospitais lotados e fila por UTI, RN decreta novas medidas restritivas



05/03/2021 | 23:22


Com 18 hospitais públicos e privados com leitos completamente ocupados por pacientes da covid-19 e com fila de espera que contava com 70 pessoas à espera de uma Unidade de Terapia Intensiva para tratar a doença, a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), anunciou nesta sexta-feira, 5, medidas de isolamento social mais restritivas. O toque de recolher, que antes estava em vigor das 22h às 6h, foi ampliado para ocorrer das 20h às 6h do dia seguinte, de segunda a sábado, e ao longo de todo o dia do domingo até 17 de março.

A partir deste sábado, 6, fica proibido o funcionamento de parques esportivos, circos, clubes sociais, atividades religiosas, aulas e eventos corporativos. Ao detalhar as medidas, Fátima chorou.

"O RN vive um pré-colapso no seu sistema. Todos os esforços estão sendo feitos para abertura de novos leitos, mas esse trabalho não está sendo o bastante para conter a propagação do vírus. Não vou iludir a população do Rio Grande do Norte afirmando que basta abrir leitos. É imperativo que a gente adote o isolamento social", declarou a governadora.

O número de casos confirmados e de ocupação de leitos clínicos e críticos para o tratamento da covid-19 nas redes pública e privada de saúde no Estado cresceu exponencialmente nos últimos dias. São 171.943 casos confirmados e 3.709 óbitos pela doença, sendo 14 nas últimas 24 horas.

Sob o argumento dos riscos à economia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem sido forte opositor das medidas de lockdown desde o início da crise sanitária, embora essa seja a recomendação dos especialistas para frear o vírus em cenários de transmissão descontrolada. Na semana passada, ele chegou a ameaçar o não pagamento do auxílio emergencial aos governadores que fechassem o comércio, o que motivou reação dos gestores estaduais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com hospitais lotados e fila por UTI, RN decreta novas medidas restritivas


05/03/2021 | 23:22


Com 18 hospitais públicos e privados com leitos completamente ocupados por pacientes da covid-19 e com fila de espera que contava com 70 pessoas à espera de uma Unidade de Terapia Intensiva para tratar a doença, a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), anunciou nesta sexta-feira, 5, medidas de isolamento social mais restritivas. O toque de recolher, que antes estava em vigor das 22h às 6h, foi ampliado para ocorrer das 20h às 6h do dia seguinte, de segunda a sábado, e ao longo de todo o dia do domingo até 17 de março.

A partir deste sábado, 6, fica proibido o funcionamento de parques esportivos, circos, clubes sociais, atividades religiosas, aulas e eventos corporativos. Ao detalhar as medidas, Fátima chorou.

"O RN vive um pré-colapso no seu sistema. Todos os esforços estão sendo feitos para abertura de novos leitos, mas esse trabalho não está sendo o bastante para conter a propagação do vírus. Não vou iludir a população do Rio Grande do Norte afirmando que basta abrir leitos. É imperativo que a gente adote o isolamento social", declarou a governadora.

O número de casos confirmados e de ocupação de leitos clínicos e críticos para o tratamento da covid-19 nas redes pública e privada de saúde no Estado cresceu exponencialmente nos últimos dias. São 171.943 casos confirmados e 3.709 óbitos pela doença, sendo 14 nas últimas 24 horas.

Sob o argumento dos riscos à economia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem sido forte opositor das medidas de lockdown desde o início da crise sanitária, embora essa seja a recomendação dos especialistas para frear o vírus em cenários de transmissão descontrolada. Na semana passada, ele chegou a ameaçar o não pagamento do auxílio emergencial aos governadores que fechassem o comércio, o que motivou reação dos gestores estaduais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;