Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Dirigentes da região debatem sobre a paralisação do futebol

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cartolas admitem momento delicado no País, mas maioria é contrária a nova pausa nos campeonatos regionais; exceção é Daniel, do Tigre


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

06/03/2021 | 00:01


Um dia após o Ministério Público sugerir que enviará carta para a CBF recomendando a suspensão do futebol pelo País em razão do aumento considerável no número de casos e mortes de Covid-19 e a falta de leitos para tratamento pelo Brasil, os dirigentes do Grande ABC se pronunciaram sobre o assunto e, exceção feita ao gerente de futebol do São Bernardo, Daniel Flumignan, todos são a favor da continuidade dos campeonatos estaduais. Segundo eles, os times vêm seguindo à risca os rígidos protocolos impostos pela FPF (Federação Paulista de Futebol).

“Hoje a gente vive problema muito maior do que quando estourou a pandemia e os campeonatos e o Brasil, eventualmente, pararam. A diferença é que hoje temos mais conhecimento sobre a doença, do que representa, temos vacina. Só que o conhecimento leva as pessoas a tomarem atitudes que elas mesmas identifiquem como corretas. Isso tem causado muitos problemas na população em geral. Particularmente acho que os campeonatos vão parar e pode ser que este fim de semana seja o último de jogo. A gente tem se programado e se estruturado para manter, mas atentos ao que a Federação vai se pronunciar após este fim de semana”, disse Daniel, que continuou. “Temos que pensar em vidas, nos seres humanos e acataremos qualquer decisão da melhor maneira possível. Ficamos perplexos com este cenário que perdura e lamentamos a perda de tantas vidas. Sentimos na pele o quanto isso nos incomodou no ano passado”, emendou, lembrando a morte do técnico Marcelo Veiga justamente pela doença, em dezembro.

Porém, o dirigente aurinegro é voto vencido. “O futebol é entretenimento para quem está em casa. Distrai, ajuda e faz com que esqueça um pouco (a pandemia). Nos estaduais não vejo motivo para isso (paralisação). Não precisa de avião, a Federação tem protocolo rígido e os times vêm fazendo testes. Entendo a posição do MP, a preocupação, porque tem evoluído mais rápido essa segunda onda, mas não vejo necessário paralisar os torneios”, afirmou o presidente do Água Santa, Paulo Korek.

“Qualquer opinião a ser dada é extremamente delicada, mas vejo que o futebol está seguindo regra a ser copiada pelas outras atividades, cada uma com suas peculiaridades. É o exemplo mais nítido e profissional de como lidar com a pandemia”, posicionou-se o presidente do EC São Bernardo, Felipinho Cheidde. “Entendo que não (deva paralisar). O futebol acredito que seja uma das áreas mais seguras na prevenção à Covid. Fazemos semanalmente 50 testes para jogadores, comissão técnica, dirigentes e todas as pessoas, até maqueiros e profissionais da ambulância. Todos os envolvidos. Ao menor sinal (de doença), seja até em exame inconsistente, o atleta ou profissional é afastado imediatamente. Então a segurança é completa”, explicou o presidente do Santo André, Sidney Riquetto.

O Ramalhão, porém, teve desfalque pela doença na última rodada: o volante Vitinho Schimith testou positivo. Outros clubes do Paulistão, como Corinthians (dez casos entre jogadores) e Ponte Preta (quatro) também foram atingidos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dirigentes da região debatem sobre a paralisação do futebol

Cartolas admitem momento delicado no País, mas maioria é contrária a nova pausa nos campeonatos regionais; exceção é Daniel, do Tigre

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

06/03/2021 | 00:01


Um dia após o Ministério Público sugerir que enviará carta para a CBF recomendando a suspensão do futebol pelo País em razão do aumento considerável no número de casos e mortes de Covid-19 e a falta de leitos para tratamento pelo Brasil, os dirigentes do Grande ABC se pronunciaram sobre o assunto e, exceção feita ao gerente de futebol do São Bernardo, Daniel Flumignan, todos são a favor da continuidade dos campeonatos estaduais. Segundo eles, os times vêm seguindo à risca os rígidos protocolos impostos pela FPF (Federação Paulista de Futebol).

“Hoje a gente vive problema muito maior do que quando estourou a pandemia e os campeonatos e o Brasil, eventualmente, pararam. A diferença é que hoje temos mais conhecimento sobre a doença, do que representa, temos vacina. Só que o conhecimento leva as pessoas a tomarem atitudes que elas mesmas identifiquem como corretas. Isso tem causado muitos problemas na população em geral. Particularmente acho que os campeonatos vão parar e pode ser que este fim de semana seja o último de jogo. A gente tem se programado e se estruturado para manter, mas atentos ao que a Federação vai se pronunciar após este fim de semana”, disse Daniel, que continuou. “Temos que pensar em vidas, nos seres humanos e acataremos qualquer decisão da melhor maneira possível. Ficamos perplexos com este cenário que perdura e lamentamos a perda de tantas vidas. Sentimos na pele o quanto isso nos incomodou no ano passado”, emendou, lembrando a morte do técnico Marcelo Veiga justamente pela doença, em dezembro.

Porém, o dirigente aurinegro é voto vencido. “O futebol é entretenimento para quem está em casa. Distrai, ajuda e faz com que esqueça um pouco (a pandemia). Nos estaduais não vejo motivo para isso (paralisação). Não precisa de avião, a Federação tem protocolo rígido e os times vêm fazendo testes. Entendo a posição do MP, a preocupação, porque tem evoluído mais rápido essa segunda onda, mas não vejo necessário paralisar os torneios”, afirmou o presidente do Água Santa, Paulo Korek.

“Qualquer opinião a ser dada é extremamente delicada, mas vejo que o futebol está seguindo regra a ser copiada pelas outras atividades, cada uma com suas peculiaridades. É o exemplo mais nítido e profissional de como lidar com a pandemia”, posicionou-se o presidente do EC São Bernardo, Felipinho Cheidde. “Entendo que não (deva paralisar). O futebol acredito que seja uma das áreas mais seguras na prevenção à Covid. Fazemos semanalmente 50 testes para jogadores, comissão técnica, dirigentes e todas as pessoas, até maqueiros e profissionais da ambulância. Todos os envolvidos. Ao menor sinal (de doença), seja até em exame inconsistente, o atleta ou profissional é afastado imediatamente. Então a segurança é completa”, explicou o presidente do Santo André, Sidney Riquetto.

O Ramalhão, porém, teve desfalque pela doença na última rodada: o volante Vitinho Schimith testou positivo. Outros clubes do Paulistão, como Corinthians (dez casos entre jogadores) e Ponte Preta (quatro) também foram atingidos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;