Fechar
Publicidade

Domingo, 11 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

IBGE/Macedo: indústria cresce, mas alta é a mais baixa em 9 meses de crescimento



05/03/2021 | 12:54


A indústria engatou uma sequência de nove meses de recuperação, mas o ritmo de crescimento desacelerou em janeiro. A alta de 0,4% foi a mais baixa do período de expansões consecutivas, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados nesta sexta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Você tem de fato uma manutenção do crescimento. É o nono mês seguido de expansão da produção, mas faço o destaque de que o crescimento desse mês é o menor avanço dessa sequência de resultados positivos. Para além disso, tem o fato de estar muito concentrado nesse mês. De 26 atividades, só 11 mostram crescimento em janeiro ante dezembro. As demais já mostram uma redução de ritmo na produção industrial, um comportamento totalmente diferente de meses anteriores", disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Macedo lembrou que a indústria de transformação teve um recuo de 0,1% em janeiro ante dezembro, depois de oito meses seguidos de crescimento. O pesquisador avalia que vários fatores estão por trás do crescimento menor na indústria como um todo em janeiro, especialmente o fim do pagamento do auxílio emergencial pelo governo.

"Claro que tem uma série de fatores que estão por trás desse número (crescimento mais fraco), talvez algo que vinha sustentando o crescimento em meses anteriores, como o auxílio emergencial, que não está mais presente", explicou.

Outros elementos que afetaram o desempenho da indústria foram a escassez de matéria-prima, o custo de produção mais elevado e o mercado de trabalho ainda deteriorado, com desemprego elevado e milhões de pessoas fora da força de trabalho.

O recrudescimento da pandemia também afeta os resultados de janeiro, especialmente no Estado do Amazonas, fortemente impactado pela alta no número de casos, com consequência sobre a linha de produção de bens duráveis na zona franca de Manaus.

"As motocicletas estão com queda muito intensa para esse mês (janeiro), os eletrodomésticos da linha marrom também. A pandemia e os efeitos dela dentro daquele estado ficam muito evidentes na produção de bens de consumo duráveis para esse mês", apontou Macedo, mencionando a redução da jornada de trabalho e a restrição à circulação de pessoas em determinados horários.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IBGE/Macedo: indústria cresce, mas alta é a mais baixa em 9 meses de crescimento


05/03/2021 | 12:54


A indústria engatou uma sequência de nove meses de recuperação, mas o ritmo de crescimento desacelerou em janeiro. A alta de 0,4% foi a mais baixa do período de expansões consecutivas, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados nesta sexta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Você tem de fato uma manutenção do crescimento. É o nono mês seguido de expansão da produção, mas faço o destaque de que o crescimento desse mês é o menor avanço dessa sequência de resultados positivos. Para além disso, tem o fato de estar muito concentrado nesse mês. De 26 atividades, só 11 mostram crescimento em janeiro ante dezembro. As demais já mostram uma redução de ritmo na produção industrial, um comportamento totalmente diferente de meses anteriores", disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Macedo lembrou que a indústria de transformação teve um recuo de 0,1% em janeiro ante dezembro, depois de oito meses seguidos de crescimento. O pesquisador avalia que vários fatores estão por trás do crescimento menor na indústria como um todo em janeiro, especialmente o fim do pagamento do auxílio emergencial pelo governo.

"Claro que tem uma série de fatores que estão por trás desse número (crescimento mais fraco), talvez algo que vinha sustentando o crescimento em meses anteriores, como o auxílio emergencial, que não está mais presente", explicou.

Outros elementos que afetaram o desempenho da indústria foram a escassez de matéria-prima, o custo de produção mais elevado e o mercado de trabalho ainda deteriorado, com desemprego elevado e milhões de pessoas fora da força de trabalho.

O recrudescimento da pandemia também afeta os resultados de janeiro, especialmente no Estado do Amazonas, fortemente impactado pela alta no número de casos, com consequência sobre a linha de produção de bens duráveis na zona franca de Manaus.

"As motocicletas estão com queda muito intensa para esse mês (janeiro), os eletrodomésticos da linha marrom também. A pandemia e os efeitos dela dentro daquele estado ficam muito evidentes na produção de bens de consumo duráveis para esse mês", apontou Macedo, mencionando a redução da jornada de trabalho e a restrição à circulação de pessoas em determinados horários.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;