Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Agora, Brasil precisa de perenização de programa social, diz Pacheco



04/03/2021 | 14:28


Após a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que viabiliza a nova rodada do auxílio emergencial no Senado, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), defendeu um novo programa social perene no Brasil.

No ano passado, o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, tentou viabilizar o Renda Brasil, substituindo o Bolsa Família com um orçamento maior. O teto de gastos, porém, barrou um acordo para aumentar o valor do programa social e cortar outras despesas na mesma proporção.

Líderes do Senado desencadearam uma proposta para tirar o Bolsa Família, previsto em R$ 34,9 bilhões, do teto neste ano, medida rejeitada pela equipe econômica.

"Temos agora que começar a discutir de maneira muito firme e segura a possibilidade da perenização de um programa social no Brasil de renda mínima, de renda cidadã, para a população que precisará desse alento do Estado até ter uma recuperação da economia que possa gerar emprego", disse Pacheco em coletiva de imprensa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Agora, Brasil precisa de perenização de programa social, diz Pacheco


04/03/2021 | 14:28


Após a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que viabiliza a nova rodada do auxílio emergencial no Senado, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), defendeu um novo programa social perene no Brasil.

No ano passado, o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, tentou viabilizar o Renda Brasil, substituindo o Bolsa Família com um orçamento maior. O teto de gastos, porém, barrou um acordo para aumentar o valor do programa social e cortar outras despesas na mesma proporção.

Líderes do Senado desencadearam uma proposta para tirar o Bolsa Família, previsto em R$ 34,9 bilhões, do teto neste ano, medida rejeitada pela equipe econômica.

"Temos agora que começar a discutir de maneira muito firme e segura a possibilidade da perenização de um programa social no Brasil de renda mínima, de renda cidadã, para a população que precisará desse alento do Estado até ter uma recuperação da economia que possa gerar emprego", disse Pacheco em coletiva de imprensa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;