Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Venda de veículos usados cresceu em fevereiro, mas SP perdeu participação

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leo Alves
Do Garagem360

05/03/2021 | 10:18


Com o preço dos modelos novos em constante alta, a solução tem sido buscar opções no mercado de usados. E segundo o balanço divulgado pela Fenabrave, os carros de segunda mão seguem em alta. Em fevereiro, eles tiveram uma alta de 0,82% em relação a janeiro deste ano. Todos os dados analisados pelo Garagem360 consideraram as vendas de automóveis e comerciais leves.

Venda de veículos usados em fevereiro

Quando comparado a fevereiro de 2020, o cenário também é positivo. As 876.306 unidades do segundo mês de 2021 representam um aumento de 15,10% em relação aos 761.333 veículos usados vendidos no mesmo período do ano anterior.

Desse total, os veículos seminovos – de 1 a 3 anos de fabricação – representaram 9,88% das vendas.

Impactos do ICMS em SP

De acordo com os dados da Fenabrave, o estado de São Paulo já começou a sentir os impactos do aumento do ICMS sobre veículos usados. Desde de 15 de janeiro, o governador João Dória determinou um aumento de 207% na alíquota do imposto.

LEIA MAIS: MP de Bolsonaro pode extinguir carros PCD

Carros 2021: veja os 20 modelos mais vendidos até aqui

Até então responsável por 34% das vendas de veículos usados no Brasil, o estado paulista fechou fevereiro com uma participação de 31,18%. Por conta desses resultados, o presidente da Fenabrave Alarico Júnior demonstra preocupação com as medidas do governo de São Paulo. “Se, em meio a essa pandemia absurda, o governo ficar com mais de 55% da margem de comercialização dos veículos usados, e o empresário ainda tiver de pagar as outras despesas administrativas, como aluguel, salários e impostos federais, o que sobrará? Um saldo negativo, certamente”, declara.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Venda de veículos usados cresceu em fevereiro, mas SP perdeu participação

Leo Alves
Do Garagem360

05/03/2021 | 10:18


Com o preço dos modelos novos em constante alta, a solução tem sido buscar opções no mercado de usados. E segundo o balanço divulgado pela Fenabrave, os carros de segunda mão seguem em alta. Em fevereiro, eles tiveram uma alta de 0,82% em relação a janeiro deste ano. Todos os dados analisados pelo Garagem360 consideraram as vendas de automóveis e comerciais leves.

Venda de veículos usados em fevereiro

Quando comparado a fevereiro de 2020, o cenário também é positivo. As 876.306 unidades do segundo mês de 2021 representam um aumento de 15,10% em relação aos 761.333 veículos usados vendidos no mesmo período do ano anterior.

Desse total, os veículos seminovos – de 1 a 3 anos de fabricação – representaram 9,88% das vendas.

Impactos do ICMS em SP

De acordo com os dados da Fenabrave, o estado de São Paulo já começou a sentir os impactos do aumento do ICMS sobre veículos usados. Desde de 15 de janeiro, o governador João Dória determinou um aumento de 207% na alíquota do imposto.

LEIA MAIS: MP de Bolsonaro pode extinguir carros PCD

Carros 2021: veja os 20 modelos mais vendidos até aqui

Até então responsável por 34% das vendas de veículos usados no Brasil, o estado paulista fechou fevereiro com uma participação de 31,18%. Por conta desses resultados, o presidente da Fenabrave Alarico Júnior demonstra preocupação com as medidas do governo de São Paulo. “Se, em meio a essa pandemia absurda, o governo ficar com mais de 55% da margem de comercialização dos veículos usados, e o empresário ainda tiver de pagar as outras despesas administrativas, como aluguel, salários e impostos federais, o que sobrará? Um saldo negativo, certamente”, declara.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;