Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara de São Bernardo se fecha sem ter TV


Raphael Rocha

04/03/2021 | 03:06


A pandemia de Covid-19 só agravou uma crítica recorrente de quem tenta acompanhar a política de São Bernardo: a falta de transmissão das sessões. Em que pese a Câmara de São Bernardo ter o maior orçamento da região (R$ 71,8 milhões), com 303 funcionários e 28 vereadores, é impossível saber o que os parlamentares discutem todas as quartas-feiras pela manhã em tempo real. Todos os demais legislativos transmitem os trabalhos, seja pelo Youtube, pelo Facebook ou por sistema no próprio site. Com a crise sanitária e as proibições de acesso à casa, com objetivo de conter a disseminação do vírus, o morador da cidade fica sabendo sobre os principais debates apenas por um resumo publicado no portal oficial da Câmara. 

Relatório na Assembleia 

 Como mostrou esta coluna ontem, o deputado estadual Emidio de Souza (PT) propôs suspensão legislativa de seis meses em seu relatório na investigação sobre a conduta do deputado Fernando Cury (Cidadania). Cury foi denunciado pela parlamentar Isa Penna (Psol), que o acusa de assédio sexual por episódio ocorrido na última sessão do ano passado. A votação do relatório, porém, não foi para frente porque dois parlamentares pediram vistas para analisar a documentação. Já foi convocada sessão para amanhã, com objetivo de debater o relatório e, assim, evitar movimento protelatório para defender Cury. Se o caso se postergar por mais uma semana, corre o risco de prescrever o debate interno. 

Em defesa – 1 

 Na semana passada, esta coluna mostrou que os vereadores de Diadema partiram para cima do prefeito de São Bernardo, que, em entrevista à GloboNews, disse que o prefeito diademense José de Filippi Júnior (PT) e a secretária de Saúde da cidade, Rejane Calixto, mentiam na divulgação de número de leitos de Covid-19 ocupados. Ontem, coube ao vereador Julinho Fuzari (DEM), vice-líder do governo Morando na Câmara de São Bernardo, sair em defesa do tucano.

 Em defesa – 2 

 “O vereador de Diadema deveria ocupar a tribuna da Câmara dele para cobrar o prefeito dele e resolver um problema que o antecessor (Lauro Michels, PV) não resolveu, que é a falta de leitos em Diadema. Em vez disso, faz politicagem. Como deputado, o prefeito Orlando Morando levou emendas para lá. Hoje ele é prefeito em São Bernardo, que está recebendo paciente de todo o Grande ABC e de São Paulo. Precisa de colaboração de toda região para ter mais leitos”, disparou Fuzari, ao criticar o líder do governo de José de Filippi Júnior (PT), Orlando Vitoriano (PT), em Diadema. 

 Justificativa 

 Único a não votar a favor do projeto de lei do governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), para uso de recurso de fundos municipais para comprar vacina contra a Covid-19, o vereador Ricardo Alvarez (Psol) argumentou que falta esclarecer quanto será retirado de cada bloco. Ele pediu adiamento da votação, marcada para hoje. “Nossa preocupação com a severidade da pandemia não deve servir de motivo para assinar um cheque em branco para a Prefeitura. O investimento dos recursos deve ser esclarecido e o projeto não especifica isso.”

 Poupatempo em Ribeirão 

 O deputado estadual Thiago Auricchio (PL) enviou indicação ao governador João Doria (PSDB) para que seja construído um posto fixo do Poupatempo em Ribeirão Pires – atualmente, o Grande ABC conta com quatro unidades (Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá). Na justificativa, Thiago lembra que a estrutura atenderia moradores também de Rio Grande da Serra e Suzano, além de parte de Mauá vizinha a Ribeirão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara de São Bernardo se fecha sem ter TV

Raphael Rocha

04/03/2021 | 03:06


A pandemia de Covid-19 só agravou uma crítica recorrente de quem tenta acompanhar a política de São Bernardo: a falta de transmissão das sessões. Em que pese a Câmara de São Bernardo ter o maior orçamento da região (R$ 71,8 milhões), com 303 funcionários e 28 vereadores, é impossível saber o que os parlamentares discutem todas as quartas-feiras pela manhã em tempo real. Todos os demais legislativos transmitem os trabalhos, seja pelo Youtube, pelo Facebook ou por sistema no próprio site. Com a crise sanitária e as proibições de acesso à casa, com objetivo de conter a disseminação do vírus, o morador da cidade fica sabendo sobre os principais debates apenas por um resumo publicado no portal oficial da Câmara. 

Relatório na Assembleia 

 Como mostrou esta coluna ontem, o deputado estadual Emidio de Souza (PT) propôs suspensão legislativa de seis meses em seu relatório na investigação sobre a conduta do deputado Fernando Cury (Cidadania). Cury foi denunciado pela parlamentar Isa Penna (Psol), que o acusa de assédio sexual por episódio ocorrido na última sessão do ano passado. A votação do relatório, porém, não foi para frente porque dois parlamentares pediram vistas para analisar a documentação. Já foi convocada sessão para amanhã, com objetivo de debater o relatório e, assim, evitar movimento protelatório para defender Cury. Se o caso se postergar por mais uma semana, corre o risco de prescrever o debate interno. 

Em defesa – 1 

 Na semana passada, esta coluna mostrou que os vereadores de Diadema partiram para cima do prefeito de São Bernardo, que, em entrevista à GloboNews, disse que o prefeito diademense José de Filippi Júnior (PT) e a secretária de Saúde da cidade, Rejane Calixto, mentiam na divulgação de número de leitos de Covid-19 ocupados. Ontem, coube ao vereador Julinho Fuzari (DEM), vice-líder do governo Morando na Câmara de São Bernardo, sair em defesa do tucano.

 Em defesa – 2 

 “O vereador de Diadema deveria ocupar a tribuna da Câmara dele para cobrar o prefeito dele e resolver um problema que o antecessor (Lauro Michels, PV) não resolveu, que é a falta de leitos em Diadema. Em vez disso, faz politicagem. Como deputado, o prefeito Orlando Morando levou emendas para lá. Hoje ele é prefeito em São Bernardo, que está recebendo paciente de todo o Grande ABC e de São Paulo. Precisa de colaboração de toda região para ter mais leitos”, disparou Fuzari, ao criticar o líder do governo de José de Filippi Júnior (PT), Orlando Vitoriano (PT), em Diadema. 

 Justificativa 

 Único a não votar a favor do projeto de lei do governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), para uso de recurso de fundos municipais para comprar vacina contra a Covid-19, o vereador Ricardo Alvarez (Psol) argumentou que falta esclarecer quanto será retirado de cada bloco. Ele pediu adiamento da votação, marcada para hoje. “Nossa preocupação com a severidade da pandemia não deve servir de motivo para assinar um cheque em branco para a Prefeitura. O investimento dos recursos deve ser esclarecido e o projeto não especifica isso.”

 Poupatempo em Ribeirão 

 O deputado estadual Thiago Auricchio (PL) enviou indicação ao governador João Doria (PSDB) para que seja construído um posto fixo do Poupatempo em Ribeirão Pires – atualmente, o Grande ABC conta com quatro unidades (Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá). Na justificativa, Thiago lembra que a estrutura atenderia moradores também de Rio Grande da Serra e Suzano, além de parte de Mauá vizinha a Ribeirão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;