Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Moedas: ólar opera em alta ante maioria dos rivais, à espera de Powell; lira cai



03/03/2021 | 18:48


O dólar operou em alta nesta quarta-feira, 3, ante a maioria dos pares, em sessão marcada pela alta nos juros dos Treasuries e a expectativa por importantes sinalizações nos Estados Unidos. Amanhã, o mercado aguarda o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e na sexta-feira há a publicação do relatório de empregos (payroll) no país. A moeda americana se fortaleceu perante o euro, seguindo a tendência no ano. Em relação à libra, anúncios orçamentários nos Reino Unido levaram o ativo britânico a se fortalecer durante a sessão. Entre os emergentes, a divulgação da inflação para fevereiro maior do que o esperado na Turquia levou a lira a ter uma das desvalorizações mais acentuadas ante o dólar, em meio às especulações sobre a postura do banco central.

O índice DXY, que compara o dólar ante seis moedas de economias desenvolvidas, fechou em alta de 0,18%, a 90,947 pontos. O iene, segundo principal componente do índice, se desvalorizou perante o dólar, e a moeda americana era cotada a 106,98 ienes no fim da tarde, próxima do maior nível em seis meses, de acordo com a Western Union.

O tom do discurso de Powell amanhã será avaliada pelo mercado, que espera sinalizações sobre a alta recente nos juros dos Treasuries, e deve impactar a moeda. Tendo em vista a divulgação do payroll dos EUA na próxima sexta-feira, "resultados sólidos, consistentes com a recuperação do mercado de trabalho, podem ser positivos para o dólar", projeta a Western Union. Hoje, a publicação do relatório ADP de empregos forneceu "sinais mistos", segundo a análise.

O euro seguiu sua trajetória de queda em 2021 ante ao dólar. A desvalorização acumulada pela moeda única ante a divisa dos EUA já é de 1,3%, de acordo com a Western Union. Hoje, o dirigente do Banco Central Europeu (BCE) Pablo Hernández de Cos ressaltou que não deve haver pressa para aumentar os juros na zona do euro. A moeda comum era cotada a US$ 1,2069 no fim da tarde.

"A libra subiu conforme os investidores absorveram um orçamento de apoio à economia anunciado pelo chefe do Tesouro do Reino Unido", apontou a Western Union. No entanto, ao longo do dia o impacto arrefeceu, e a moeda passou a operar mais perto da estabilidade ante o dólar. No final da tarde em NY, a libra se desvalorizava ante o ativo americano, cotada a US$ 1,3958.

Entre os emergentes, a lira turca se destacou em sessão marcada pela publicação de aumento na inflação em fevereiro de 15,6% na comparação anual. A alta, mais forte do que o esperado, pressionou a moeda, e o dólar era cotado a 7,4542 liras às 18h41. "Se a lira voltar a sofrer pressão nas próximas semanas, o banco central pode ser forçado a aumentar as taxas de juros para reafirmar aos investidores seu maior compromisso com o combate à alta inflação", avalia a Capital Economics.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moedas: ólar opera em alta ante maioria dos rivais, à espera de Powell; lira cai


03/03/2021 | 18:48


O dólar operou em alta nesta quarta-feira, 3, ante a maioria dos pares, em sessão marcada pela alta nos juros dos Treasuries e a expectativa por importantes sinalizações nos Estados Unidos. Amanhã, o mercado aguarda o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e na sexta-feira há a publicação do relatório de empregos (payroll) no país. A moeda americana se fortaleceu perante o euro, seguindo a tendência no ano. Em relação à libra, anúncios orçamentários nos Reino Unido levaram o ativo britânico a se fortalecer durante a sessão. Entre os emergentes, a divulgação da inflação para fevereiro maior do que o esperado na Turquia levou a lira a ter uma das desvalorizações mais acentuadas ante o dólar, em meio às especulações sobre a postura do banco central.

O índice DXY, que compara o dólar ante seis moedas de economias desenvolvidas, fechou em alta de 0,18%, a 90,947 pontos. O iene, segundo principal componente do índice, se desvalorizou perante o dólar, e a moeda americana era cotada a 106,98 ienes no fim da tarde, próxima do maior nível em seis meses, de acordo com a Western Union.

O tom do discurso de Powell amanhã será avaliada pelo mercado, que espera sinalizações sobre a alta recente nos juros dos Treasuries, e deve impactar a moeda. Tendo em vista a divulgação do payroll dos EUA na próxima sexta-feira, "resultados sólidos, consistentes com a recuperação do mercado de trabalho, podem ser positivos para o dólar", projeta a Western Union. Hoje, a publicação do relatório ADP de empregos forneceu "sinais mistos", segundo a análise.

O euro seguiu sua trajetória de queda em 2021 ante ao dólar. A desvalorização acumulada pela moeda única ante a divisa dos EUA já é de 1,3%, de acordo com a Western Union. Hoje, o dirigente do Banco Central Europeu (BCE) Pablo Hernández de Cos ressaltou que não deve haver pressa para aumentar os juros na zona do euro. A moeda comum era cotada a US$ 1,2069 no fim da tarde.

"A libra subiu conforme os investidores absorveram um orçamento de apoio à economia anunciado pelo chefe do Tesouro do Reino Unido", apontou a Western Union. No entanto, ao longo do dia o impacto arrefeceu, e a moeda passou a operar mais perto da estabilidade ante o dólar. No final da tarde em NY, a libra se desvalorizava ante o ativo americano, cotada a US$ 1,3958.

Entre os emergentes, a lira turca se destacou em sessão marcada pela publicação de aumento na inflação em fevereiro de 15,6% na comparação anual. A alta, mais forte do que o esperado, pressionou a moeda, e o dólar era cotado a 7,4542 liras às 18h41. "Se a lira voltar a sofrer pressão nas próximas semanas, o banco central pode ser forçado a aumentar as taxas de juros para reafirmar aos investidores seu maior compromisso com o combate à alta inflação", avalia a Capital Economics.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;