Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Governo dos Estados Unidos investirá US$ 100 milhões em produção de vacina da J&J

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/03/2021 | 14:25


O coordenador da resposta da Casa Branca à pandemia, Jeff Zients, informou nesta quarta-feira, 3, que o governo americano investirá US$ 100 milhões na produção da vacina contra covid-19 da farmacêutica Johnson & Johnson. Os recursos serão disponibilizados por meio da Lei de Defesa da Produção. Nesta terça-feira, 2, a Casa Branca anunciou a formação de uma parceria entre a J&J e a Merck para acelerar a distribuição do imunizante, que recebeu autorização para uso emergencial no país no sábado, 27.

A Lei de Defesa da Produção permite ao governo direcionar a produção de empresas privadas. Durante uma coletiva de imprensa hoje, Slavitt afirmou que a parceria entre as duas farmacêuticas é "histórica". Ele frisou que a Merck e a J&J são concorrentes, mas, a pedido do presidente Joe Biden, "deixarão isso de lado pelo bem do país".

De acordo com o assessor, o apoio do governo permitirá dobrar a capacidade de produção da vacina da J&J, que imuniza contra o coronavírus com apenas uma dose. Ele ressaltou que a parceria entre as companhias permitirá também a expansão da habilidade de transportar a vacina.

A diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Rochelle Walensky, que também participou da coletiva, voltou a alertar para a recente reversão na tendência de queda do número de novos casos de covid-19. Segundo a cientista, a média de novas infecções subiu 2,2% na semana passada. "Temos sido muito claros de que agora não é a hora de relaxar restrições", frisou a diretora do CDC.

Slavitt também reforçou a meta anunciada nesta terça-feira, 2, por Biden de ter vacinas disponíveis para todos adultos do país até o final de maio. O objetivo anterior era atingir essa marca em julho. Ao ser questionado sobre a viabilidade da promessa, o assessor respondeu que o governo "não tem o hábito de prometer demais".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Governo dos Estados Unidos investirá US$ 100 milhões em produção de vacina da J&J


03/03/2021 | 14:25


O coordenador da resposta da Casa Branca à pandemia, Jeff Zients, informou nesta quarta-feira, 3, que o governo americano investirá US$ 100 milhões na produção da vacina contra covid-19 da farmacêutica Johnson & Johnson. Os recursos serão disponibilizados por meio da Lei de Defesa da Produção. Nesta terça-feira, 2, a Casa Branca anunciou a formação de uma parceria entre a J&J e a Merck para acelerar a distribuição do imunizante, que recebeu autorização para uso emergencial no país no sábado, 27.

A Lei de Defesa da Produção permite ao governo direcionar a produção de empresas privadas. Durante uma coletiva de imprensa hoje, Slavitt afirmou que a parceria entre as duas farmacêuticas é "histórica". Ele frisou que a Merck e a J&J são concorrentes, mas, a pedido do presidente Joe Biden, "deixarão isso de lado pelo bem do país".

De acordo com o assessor, o apoio do governo permitirá dobrar a capacidade de produção da vacina da J&J, que imuniza contra o coronavírus com apenas uma dose. Ele ressaltou que a parceria entre as companhias permitirá também a expansão da habilidade de transportar a vacina.

A diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Rochelle Walensky, que também participou da coletiva, voltou a alertar para a recente reversão na tendência de queda do número de novos casos de covid-19. Segundo a cientista, a média de novas infecções subiu 2,2% na semana passada. "Temos sido muito claros de que agora não é a hora de relaxar restrições", frisou a diretora do CDC.

Slavitt também reforçou a meta anunciada nesta terça-feira, 2, por Biden de ter vacinas disponíveis para todos adultos do país até o final de maio. O objetivo anterior era atingir essa marca em julho. Ao ser questionado sobre a viabilidade da promessa, o assessor respondeu que o governo "não tem o hábito de prometer demais".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;