Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dívida do País está muito acima dos pares da América do Sul, diz Funchal



03/03/2021 | 10:49


O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, reforçou nesta quarta-feira, 3, que o Brasil precisa voltar a ter uma trajetória fiscal sustentável por causa do patamar atual da dívida pública. Ele lembrou que o endividamento brasileiro chegou a quase 90% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020.

"A dívida do Brasil está muito acima dos nossos pares, como Chile, Colômbia e México, cuja dívida está em torno de 40% do PIB. Já vínhamos com uma dívida alta, e todo o déficit de 2020 foi financiado por dívida. Por isso precisamos de elementos para que trajetória de dívida seja crível e sustentável", afirmou, em evento virtual promovido pelo Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon).

Com o crescimento do déficit, lembrou ele, o volume de emissões mensais de títulos pelo Tesouro passou de uma média de R$ 55 bilhões a R$ 60 bilhões para uma média de R$ 130 bilhões a R$ 140 bilhões, chegando a ser R$ 180 bilhões em um mês. "Precisamos reverter esse alto volume de financiamento, que não é sustentável no médio e longo prazo. Para isso, precisamos de reformas que travem crescimento de despesas e recuperem receitas", completou.

Funchal destacou que o alto nível de endividamento tem impacto direto na taxa de juros de longo prazo, que precifica os investimentos produtivos da empresas.

Segundo ele, apesar da Selic estar em 2,00% ao ano, a curva de juros brasileira é uma das mais inclinadas do mundo, devido às incertezas fiscais. "Dado esse diagnóstico, precisamos de soluções que estabilizem a nossa dívida, para que nossa curva se aproxime, por exemplo, da curva de juros do Chile. Isso irá gerar mais negócios e empregos para a sociedade."

Funchal avaliou ainda que a convergência das normas contábeis aplicadas ao setor público é um processo longo, mas com um resultado bastante significativo, especialmente diante dos problemas fiscais dos governos regionais e da União.

"A relevância é enorme, porque você traz luz para informações extremamente relevantes para montar diagnósticos que são cada vez mais importantes em situações como a que vivemos hoje", afirmou. "Com diagnósticos mais precisos, conseguimos tomar as soluções mais adequadas, gerando melhores estatísticas fiscais, melhorando o planejamento e facilitando o entendimento dos investidores internacionais", concluiu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dívida do País está muito acima dos pares da América do Sul, diz Funchal


03/03/2021 | 10:49


O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, reforçou nesta quarta-feira, 3, que o Brasil precisa voltar a ter uma trajetória fiscal sustentável por causa do patamar atual da dívida pública. Ele lembrou que o endividamento brasileiro chegou a quase 90% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020.

"A dívida do Brasil está muito acima dos nossos pares, como Chile, Colômbia e México, cuja dívida está em torno de 40% do PIB. Já vínhamos com uma dívida alta, e todo o déficit de 2020 foi financiado por dívida. Por isso precisamos de elementos para que trajetória de dívida seja crível e sustentável", afirmou, em evento virtual promovido pelo Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon).

Com o crescimento do déficit, lembrou ele, o volume de emissões mensais de títulos pelo Tesouro passou de uma média de R$ 55 bilhões a R$ 60 bilhões para uma média de R$ 130 bilhões a R$ 140 bilhões, chegando a ser R$ 180 bilhões em um mês. "Precisamos reverter esse alto volume de financiamento, que não é sustentável no médio e longo prazo. Para isso, precisamos de reformas que travem crescimento de despesas e recuperem receitas", completou.

Funchal destacou que o alto nível de endividamento tem impacto direto na taxa de juros de longo prazo, que precifica os investimentos produtivos da empresas.

Segundo ele, apesar da Selic estar em 2,00% ao ano, a curva de juros brasileira é uma das mais inclinadas do mundo, devido às incertezas fiscais. "Dado esse diagnóstico, precisamos de soluções que estabilizem a nossa dívida, para que nossa curva se aproxime, por exemplo, da curva de juros do Chile. Isso irá gerar mais negócios e empregos para a sociedade."

Funchal avaliou ainda que a convergência das normas contábeis aplicadas ao setor público é um processo longo, mas com um resultado bastante significativo, especialmente diante dos problemas fiscais dos governos regionais e da União.

"A relevância é enorme, porque você traz luz para informações extremamente relevantes para montar diagnósticos que são cada vez mais importantes em situações como a que vivemos hoje", afirmou. "Com diagnósticos mais precisos, conseguimos tomar as soluções mais adequadas, gerando melhores estatísticas fiscais, melhorando o planejamento e facilitando o entendimento dos investidores internacionais", concluiu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;