Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em dia de recordes, Bolsonaro critica quem quer culpá-lo por mortes



02/03/2021 | 21:29


Pela primeira vez após o País superar 250 mil mortes, há quase uma semana, e no dia em que o País bate recorde diário de óbitos por covid-19, com 1.726 óbitos, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa e 1.641 segundo o Ministério da Saúde, O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a falar diretamente sobre o assunto. Mas o chefe do Executivo manteve o discurso, se eximiu de qualquer culpa sobre a condução das ações e novamente apresentou dados, sem comprovação, para minimizar os efeitos da pandemia no Brasil.

"O Brasil é o 20º país do mundo em mortes por milhão de habitantes. Têm outros países com IDH, renda e orçamento melhor que o meu em que morrem mais gente", afirmou, para, retomar, também, a defesa do tratamento precoce da covid-19 e a criticar o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

"E por que está morrendo menos gente aqui? Tem que ter uma explicação. Seria o tratamento precoce?", indagou. "Se ficar em casa, até sentir falta de ar, como dizia o sr. Mandetta, você vai para o hospital para ser entubado. E se for entubado, você sabe, né? Em torno de 60% a 70% das pessoas infelizmente entra em óbito",completou o presidente antes de cobrar investimentos em mais Unidades de Terapia Intensiva (UTI). "Devemos investir em UTI, sim. Que salve 1%, mas você tem de investir em UTI."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em dia de recordes, Bolsonaro critica quem quer culpá-lo por mortes


02/03/2021 | 21:29


Pela primeira vez após o País superar 250 mil mortes, há quase uma semana, e no dia em que o País bate recorde diário de óbitos por covid-19, com 1.726 óbitos, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa e 1.641 segundo o Ministério da Saúde, O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a falar diretamente sobre o assunto. Mas o chefe do Executivo manteve o discurso, se eximiu de qualquer culpa sobre a condução das ações e novamente apresentou dados, sem comprovação, para minimizar os efeitos da pandemia no Brasil.

"O Brasil é o 20º país do mundo em mortes por milhão de habitantes. Têm outros países com IDH, renda e orçamento melhor que o meu em que morrem mais gente", afirmou, para, retomar, também, a defesa do tratamento precoce da covid-19 e a criticar o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

"E por que está morrendo menos gente aqui? Tem que ter uma explicação. Seria o tratamento precoce?", indagou. "Se ficar em casa, até sentir falta de ar, como dizia o sr. Mandetta, você vai para o hospital para ser entubado. E se for entubado, você sabe, né? Em torno de 60% a 70% das pessoas infelizmente entra em óbito",completou o presidente antes de cobrar investimentos em mais Unidades de Terapia Intensiva (UTI). "Devemos investir em UTI, sim. Que salve 1%, mas você tem de investir em UTI."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;