Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 16 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Ernesto Araújo defende flexibilização de regras do Mercosul

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


02/03/2021 | 16:24


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu a flexibilização de regras do Mercosul para permitir que os países do bloco negociem acordos com outras nações individualmente. Atualmente, acordos que envolvam tarifas só podem ser negociados pelo Mercosul conjuntamente.

O ministro rebateu ainda acusações de que sua gestão à frente da diplomacia brasileira é "prejudicial aos interesses nacionais", principalmente na economia, e citou, para isso, o saldo comercial que cresceu nos últimos dois anos e o ingresso de investimentos estrangeiros.

"Estamos pensando na flexibilização do Mercosul para termos mais velocidade na negociação de acordos quando há uma diferente disposição por parte de cada um do bloco", afirmou Araújo, em entrevista coletiva nesta terça-feira, 2.

Como mostrou o Broadcast, a expectativa no governo brasileiro é que no fim de março - quando está prevista uma reunião entre os presidentes de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai - seja anunciada a intenção de mudar a resolução que impede que os integrantes do bloco negociem acordos com outros países sem a participação de todos os membros.

O chanceler disse hoje que a flexibilização pode acelerar acordos com "todas as economias que estejam dispostas a negociar e sejam relevantes" e citou como exemplo o Japão, Índia, Vietnã e Indonésia.

"Estamos construindo uma rede de acordos comerciais de nova geração que permitirão uma transformação do próprio setor produtivo brasileiro", completou.

Araújo disse ainda que existe uma disparidade muito grande de produtividade entre o agronegócio e a indústria brasileira e afirmou que o setor industrial foi esquecido por governos anteriores "por questões ideológicas ou falta de competência". "Perdemos sucessivos bondes negociadores e a oportunidade de encaixar o Brasil nessas cadeias", acusou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ernesto Araújo defende flexibilização de regras do Mercosul


02/03/2021 | 16:24


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu a flexibilização de regras do Mercosul para permitir que os países do bloco negociem acordos com outras nações individualmente. Atualmente, acordos que envolvam tarifas só podem ser negociados pelo Mercosul conjuntamente.

O ministro rebateu ainda acusações de que sua gestão à frente da diplomacia brasileira é "prejudicial aos interesses nacionais", principalmente na economia, e citou, para isso, o saldo comercial que cresceu nos últimos dois anos e o ingresso de investimentos estrangeiros.

"Estamos pensando na flexibilização do Mercosul para termos mais velocidade na negociação de acordos quando há uma diferente disposição por parte de cada um do bloco", afirmou Araújo, em entrevista coletiva nesta terça-feira, 2.

Como mostrou o Broadcast, a expectativa no governo brasileiro é que no fim de março - quando está prevista uma reunião entre os presidentes de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai - seja anunciada a intenção de mudar a resolução que impede que os integrantes do bloco negociem acordos com outros países sem a participação de todos os membros.

O chanceler disse hoje que a flexibilização pode acelerar acordos com "todas as economias que estejam dispostas a negociar e sejam relevantes" e citou como exemplo o Japão, Índia, Vietnã e Indonésia.

"Estamos construindo uma rede de acordos comerciais de nova geração que permitirão uma transformação do próprio setor produtivo brasileiro", completou.

Araújo disse ainda que existe uma disparidade muito grande de produtividade entre o agronegócio e a indústria brasileira e afirmou que o setor industrial foi esquecido por governos anteriores "por questões ideológicas ou falta de competência". "Perdemos sucessivos bondes negociadores e a oportunidade de encaixar o Brasil nessas cadeias", acusou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;