Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

IIF: ritmo desigual de vacinação em emergentes trará disparidades na recuperação



02/03/2021 | 14:25


O desigual ritmo de vacinação contra o coronavírus entre países emergentes pode provocar disparidades na recuperação econômica, alerta o Instituto Internacional de Finanças (IIF), em relatório divulgado nesta terça-feira, 2. Segundo a instituição, a economia global deve registrar forte retomada este ano, mas o processo dependerá da capacidade de cada nação de imunizar sua população.

"Significativas divergências no progresso da vacinação em emergentes já surgiram, especialmente em relação aos desenvolvidos de maior sucesso", destaca o IIF.

Para tentar traçar um comparativo, a análise lembra que, em doenças mais antigas, os emergentes demoraram cerca de uma década para alcançar o nível de imunização dos desenvolvidos.

"Taxas de imunização significativamente mais baixas em países pobres são uma lembrança de que vacinar o mundo inteiro será um enorme desafio", conclui o instituto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IIF: ritmo desigual de vacinação em emergentes trará disparidades na recuperação


02/03/2021 | 14:25


O desigual ritmo de vacinação contra o coronavírus entre países emergentes pode provocar disparidades na recuperação econômica, alerta o Instituto Internacional de Finanças (IIF), em relatório divulgado nesta terça-feira, 2. Segundo a instituição, a economia global deve registrar forte retomada este ano, mas o processo dependerá da capacidade de cada nação de imunizar sua população.

"Significativas divergências no progresso da vacinação em emergentes já surgiram, especialmente em relação aos desenvolvidos de maior sucesso", destaca o IIF.

Para tentar traçar um comparativo, a análise lembra que, em doenças mais antigas, os emergentes demoraram cerca de uma década para alcançar o nível de imunização dos desenvolvidos.

"Taxas de imunização significativamente mais baixas em países pobres são uma lembrança de que vacinar o mundo inteiro será um enorme desafio", conclui o instituto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;