Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 13 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Fotos íntimas na nuvem? Mais da metade dos brasileiros tem medo ou vergonha

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

01/03/2021 | 12:18


Usar a nuvem para armazenar fotos íntimas é realmente seguro? Alguém pode invadir a conta e ter acesso às imagens e a outros dados salvos nela? Essas dúvidas ainda rondam a cabeça de boa parte dos usuários. Pelo menos é o que aponta uma nova pesquisa da Kaspersky. Segundo o estudo, quase metade (48%) dos brasileiros não guardaria esse tipo de informação por considerar perigoso, enquanto outros 16% não o faria por vergonha. Por outro lado, mais de um terço (36%) disse que armazenaria arquivos pessoais nesses serviços se fosse necessário.

Leia mais:
Dados vazados: conheça plataformas que aumentam sua segurança online
Revenge Porn: advogada explica o que você pode fazer se for vítima dessa violência na web
10 filmes e séries sobre segurança da informação e privacidade de dados

Realizada em conjunto com a consultoria CORPA, a pesquisa mostra que a nuvem tem sido usada principalmente como backup para os smartphones dos brasileiros. Cerca de 80% dos entrevistados usam o serviço para salvar fotos, vídeos, contatos e bate-papos de seus aparelhos para, em caso de roubo, poder recuperá-los.

O estudo identificou também que 58% dos respondentes usam a nuvem para compartilhar arquivos de trabalho ou da universidade com outras pessoas. Porém, quando se trata de documentos relevantes ou confidenciais, pouco mais de um quarto (27%) utiliza a opção. Enquanto isso, quem não usa o serviço em nenhum caso chega a apenas 3%.

Ainda vale destacar que, além do receio pelos riscos que, imaginam os brasileiros, as plataformas online de armazenamento possam conter, existe também o desconhecimento sobre o serviço. 43% dos entrevistados admitem que não utilizam a nuvem porque não sabem como usar ou porque não sabem se o serviço é seguro contra ciberataques.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Para proteger arquivos e fotos em nuvem, o Kaspersky recomenda:

Verifique a segurança do provedor de nuvem: A segurança da nuvem é de responsabilidade do provedor, mas a segurança dos itens armazenados é responsabilidade do cliente. Para evitar problema, verifique as opções de compartilhamento e use a mais restritiva para arquivos confidenciais. Prefira também os servidores que ofereçam proteção extra, como autenticação de duplo fator, controle de acesso, alerta de logins suspeitos.

Proteja a nuvem: Também existem medidas para proteger seus próprios dados na nuvem. Uma das melhores maneiras de fazer isso é usar a criptografia como método de segurança. Isso pode ser feito por conta própria, cifrando seus arquivos antes de enviá-los à nuvem, ou você pode contratar um provedor de nuvem para criptografar seus dados como parte do serviço.

Tenha cuidado ao acessar redes Wi-Fi públicas: É aconselhável evitar esses tipos de rede e não compartilhar dados enquanto estiver conectado a elas, especialmente se você não usar autenticação confiável. Se for necessário se conectar a uma rede pública, é melhor usar uma rede privada virtual (VPN) para que as informações transmitidas sejam criptografadas.

Use senhas fortes: A combinação de letras, números e caracteres especiais tornará a senha mais difícil de ser decifrada. Você deve evitar as opções óbvias e não repetir sequências. Para facilitar, uma boa dica é usar um gerenciador, que cria senhas únicas e fortes e as armazenas de forma segura – e, assim, você não precisa lembrar um monte de códigos.

Use uma solução de segurança robusta: É importante que cada dispositivo conectado à rede tenha uma solução completa de cibersegurança, que proteja contra diversos tipos de ciberameaças, incluindo vírus, malware, spyware, phishing, entre outros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fotos íntimas na nuvem? Mais da metade dos brasileiros tem medo ou vergonha

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

01/03/2021 | 12:18


Usar a nuvem para armazenar fotos íntimas é realmente seguro? Alguém pode invadir a conta e ter acesso às imagens e a outros dados salvos nela? Essas dúvidas ainda rondam a cabeça de boa parte dos usuários. Pelo menos é o que aponta uma nova pesquisa da Kaspersky. Segundo o estudo, quase metade (48%) dos brasileiros não guardaria esse tipo de informação por considerar perigoso, enquanto outros 16% não o faria por vergonha. Por outro lado, mais de um terço (36%) disse que armazenaria arquivos pessoais nesses serviços se fosse necessário.

Leia mais:
Dados vazados: conheça plataformas que aumentam sua segurança online
Revenge Porn: advogada explica o que você pode fazer se for vítima dessa violência na web
10 filmes e séries sobre segurança da informação e privacidade de dados

Realizada em conjunto com a consultoria CORPA, a pesquisa mostra que a nuvem tem sido usada principalmente como backup para os smartphones dos brasileiros. Cerca de 80% dos entrevistados usam o serviço para salvar fotos, vídeos, contatos e bate-papos de seus aparelhos para, em caso de roubo, poder recuperá-los.

O estudo identificou também que 58% dos respondentes usam a nuvem para compartilhar arquivos de trabalho ou da universidade com outras pessoas. Porém, quando se trata de documentos relevantes ou confidenciais, pouco mais de um quarto (27%) utiliza a opção. Enquanto isso, quem não usa o serviço em nenhum caso chega a apenas 3%.

Ainda vale destacar que, além do receio pelos riscos que, imaginam os brasileiros, as plataformas online de armazenamento possam conter, existe também o desconhecimento sobre o serviço. 43% dos entrevistados admitem que não utilizam a nuvem porque não sabem como usar ou porque não sabem se o serviço é seguro contra ciberataques.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Para proteger arquivos e fotos em nuvem, o Kaspersky recomenda:

Verifique a segurança do provedor de nuvem: A segurança da nuvem é de responsabilidade do provedor, mas a segurança dos itens armazenados é responsabilidade do cliente. Para evitar problema, verifique as opções de compartilhamento e use a mais restritiva para arquivos confidenciais. Prefira também os servidores que ofereçam proteção extra, como autenticação de duplo fator, controle de acesso, alerta de logins suspeitos.

Proteja a nuvem: Também existem medidas para proteger seus próprios dados na nuvem. Uma das melhores maneiras de fazer isso é usar a criptografia como método de segurança. Isso pode ser feito por conta própria, cifrando seus arquivos antes de enviá-los à nuvem, ou você pode contratar um provedor de nuvem para criptografar seus dados como parte do serviço.

Tenha cuidado ao acessar redes Wi-Fi públicas: É aconselhável evitar esses tipos de rede e não compartilhar dados enquanto estiver conectado a elas, especialmente se você não usar autenticação confiável. Se for necessário se conectar a uma rede pública, é melhor usar uma rede privada virtual (VPN) para que as informações transmitidas sejam criptografadas.

Use senhas fortes: A combinação de letras, números e caracteres especiais tornará a senha mais difícil de ser decifrada. Você deve evitar as opções óbvias e não repetir sequências. Para facilitar, uma boa dica é usar um gerenciador, que cria senhas únicas e fortes e as armazenas de forma segura – e, assim, você não precisa lembrar um monte de códigos.

Use uma solução de segurança robusta: É importante que cada dispositivo conectado à rede tenha uma solução completa de cibersegurança, que proteja contra diversos tipos de ciberameaças, incluindo vírus, malware, spyware, phishing, entre outros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;