Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vereadores do MBL atuam por pautas conservadoras

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Colombo, em Sto.André, e Braido, de S.Bernardo, utilizam o mandato para defender ideais do grupo


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/03/2021 | 00:01


Os dois vereadores do MBL (Movimento Brasil Livre) na região, Márcio Colombo (PSDB, de Santo André) e Glauco Braido (PSD, de São Bernardo), têm utilizado os mandatos para dar voz ao debate ideológico e defender as pautas conservadoras.

Em Santo André, Colombo tem combatido, praticamente em todas as sessões, a utilização do gênero neutro na língua portuguesa por professores que atuam na cidade. O tucano tem sustentado que a opção de vocabulário – que não é oficializado pelas normas gramaticais – teria fundamento ideológico “de esquerda”.

Além disso, o vereador se envolveu em polêmica após fazer um vídeo declarando que devolveria o carro oficial alegando que o veículo era uma “mamata” mantida pelos parlamentares do município. A situação gerou tensão entre os outros vereadores, que enquadraram Colombo. Líder do MBL em Santo André, ele herdou a cadeira do vereador Marcelo Chehade (PSDB), que se licenciou para comandar a secretária de Esportes.

“Meu mandato será honrando os votos das pessoas que confiaram e mim e que conhecem meu trabalho como ativista. Trouxe emendas para a região, vou expor algumas situações da Câmara e cobrar os vereadores”, declarou Colombo, que compões base governista do prefeito Paulo Serra (PSDB).

Já na Câmara de São Bernardo, Glauco Braido, com perfil mais discreto que o do colega andreense, atuou para barrar o pagamento de benefícios aos servidores públicos que atuam no Legislativo. Nas sessões, não é raro vê-lo conversando com o parlamentar Julinho Fuzari (DEM), que também é conhecido por defender pautas conservadoras.

“Eu estava atrás de independência e o PSD me deu essa independência para atuar na Câmara. O MBL sempre atuou assim. Vamos pegar as pautas que beneficiam o povo”, declarou. “Quero entregar bons projetos para a cidade, mas não quero deixar de ser independente. Vou seguir a linha do MBL”, declarou o pessedista.

O MBL ganhou visibilidade por ser um dos movimentos de linha de frente da campanha pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT), em 2015. Seu líder nacional, Kim Kataguiri (DEM), é deputado federal. Outras lideranças do bloco obtiveram êxitos eleitorais, casos de Arthur Mamãe Falei (Patriota, deputado estadual) e Fernando Holiday (Patriota, vereador paulistano).  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vereadores do MBL atuam por pautas conservadoras

Colombo, em Sto.André, e Braido, de S.Bernardo, utilizam o mandato para defender ideais do grupo

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/03/2021 | 00:01


Os dois vereadores do MBL (Movimento Brasil Livre) na região, Márcio Colombo (PSDB, de Santo André) e Glauco Braido (PSD, de São Bernardo), têm utilizado os mandatos para dar voz ao debate ideológico e defender as pautas conservadoras.

Em Santo André, Colombo tem combatido, praticamente em todas as sessões, a utilização do gênero neutro na língua portuguesa por professores que atuam na cidade. O tucano tem sustentado que a opção de vocabulário – que não é oficializado pelas normas gramaticais – teria fundamento ideológico “de esquerda”.

Além disso, o vereador se envolveu em polêmica após fazer um vídeo declarando que devolveria o carro oficial alegando que o veículo era uma “mamata” mantida pelos parlamentares do município. A situação gerou tensão entre os outros vereadores, que enquadraram Colombo. Líder do MBL em Santo André, ele herdou a cadeira do vereador Marcelo Chehade (PSDB), que se licenciou para comandar a secretária de Esportes.

“Meu mandato será honrando os votos das pessoas que confiaram e mim e que conhecem meu trabalho como ativista. Trouxe emendas para a região, vou expor algumas situações da Câmara e cobrar os vereadores”, declarou Colombo, que compões base governista do prefeito Paulo Serra (PSDB).

Já na Câmara de São Bernardo, Glauco Braido, com perfil mais discreto que o do colega andreense, atuou para barrar o pagamento de benefícios aos servidores públicos que atuam no Legislativo. Nas sessões, não é raro vê-lo conversando com o parlamentar Julinho Fuzari (DEM), que também é conhecido por defender pautas conservadoras.

“Eu estava atrás de independência e o PSD me deu essa independência para atuar na Câmara. O MBL sempre atuou assim. Vamos pegar as pautas que beneficiam o povo”, declarou. “Quero entregar bons projetos para a cidade, mas não quero deixar de ser independente. Vou seguir a linha do MBL”, declarou o pessedista.

O MBL ganhou visibilidade por ser um dos movimentos de linha de frente da campanha pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT), em 2015. Seu líder nacional, Kim Kataguiri (DEM), é deputado federal. Outras lideranças do bloco obtiveram êxitos eleitorais, casos de Arthur Mamãe Falei (Patriota, deputado estadual) e Fernando Holiday (Patriota, vereador paulistano).  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;