Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Benedito Araújo e Marcelo triunfam após saída do PT

Celso Luiz e Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Assim como Claudinho, vereadores se reelegem com votação maior estando longe do petismo


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/03/2021 | 00:02


O prefeito de Rio Grande da Serra, Claudinho da Geladeira (Podemos), não foi o único político da cidade a obter êxito eleitoral fora do petismo. Os vereadores Marcelo Cabeleireiro (PSD) e Benedito Araújo (PSB) se reelegeram à Câmara longe da sigla.

Militante histórico do PT, já que estava na sigla desde a sua fundação, nos anos 1980, Dito, como é conhecido, deixou a legenda após desgaste antes da eleição municipal do ano passado.

À época único vereador do PT na Câmara da cidade, o parlamentar acreditava ser o candidato natural para disputar o Executivo. O petismo da cidade, entretanto, não entendeu dessa forma e acabou escolhendo o ex-prefeito Ramon Velásquez (PT) para o pleito. Como resultado, Velásquez amargou quarto lugar na disputa e o PT obteve o pior desempenho de toda sua história na cidade – obteve 487 adesões, 2% dos válidos. O PT não elegeu um vereador.

Fora do partido, Dito viu sua votação crescer: saltou de 398 votos em 2016 para 449 adesões. “O PT não é mais um partido como era antes. A militância deixou de atuar próxima ao munícipe e só pensa nas eleições. Eu tenho certeza que se fosse qualquer outro candidato em vez Ramon, o PT poderia ter vencido a eleição”, disparou o vereador, que também avisou que vai se opor a Claudinho da Geladeira na Câmara. “Desejo toda a sorte ao Claudinho, mas serei oposição.” O PSB lançou o ex-vereador Akira Auriani à Prefeitura e o socialista ficou na segunda colocação, quase vencendo o chefe do Executivo – diferença de 431 votos.

A situação de Marcelo Cabeleireiro foi diferente. Ele foi expulso do PT após votar pela manutenção da taxa do lixo na cidade, em 2018 – houve reclamação também pelo fato de Marcelo ter apoiado candidatos a deputado de fora do petismo. A cúpula do partido na cidade, à época sob comando de Almeida Freire, decidiu pela expulsão sustentando que o parlamentar já tinha desrespeitado as normas da sigla em outras oportunidades.

“Quando saí do PT, eles queriam mandar no meu mandato, ordenando as coisas que eu tinha que votar. Nunca achei que deveria ser expulso”, declarou. Em 2016, pelo PT, o parlamentar obteve 395. Já em 2020, o vereador viu os votos aumentarem para 469. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Benedito Araújo e Marcelo triunfam após saída do PT

Assim como Claudinho, vereadores se reelegem com votação maior estando longe do petismo

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

01/03/2021 | 00:02


O prefeito de Rio Grande da Serra, Claudinho da Geladeira (Podemos), não foi o único político da cidade a obter êxito eleitoral fora do petismo. Os vereadores Marcelo Cabeleireiro (PSD) e Benedito Araújo (PSB) se reelegeram à Câmara longe da sigla.

Militante histórico do PT, já que estava na sigla desde a sua fundação, nos anos 1980, Dito, como é conhecido, deixou a legenda após desgaste antes da eleição municipal do ano passado.

À época único vereador do PT na Câmara da cidade, o parlamentar acreditava ser o candidato natural para disputar o Executivo. O petismo da cidade, entretanto, não entendeu dessa forma e acabou escolhendo o ex-prefeito Ramon Velásquez (PT) para o pleito. Como resultado, Velásquez amargou quarto lugar na disputa e o PT obteve o pior desempenho de toda sua história na cidade – obteve 487 adesões, 2% dos válidos. O PT não elegeu um vereador.

Fora do partido, Dito viu sua votação crescer: saltou de 398 votos em 2016 para 449 adesões. “O PT não é mais um partido como era antes. A militância deixou de atuar próxima ao munícipe e só pensa nas eleições. Eu tenho certeza que se fosse qualquer outro candidato em vez Ramon, o PT poderia ter vencido a eleição”, disparou o vereador, que também avisou que vai se opor a Claudinho da Geladeira na Câmara. “Desejo toda a sorte ao Claudinho, mas serei oposição.” O PSB lançou o ex-vereador Akira Auriani à Prefeitura e o socialista ficou na segunda colocação, quase vencendo o chefe do Executivo – diferença de 431 votos.

A situação de Marcelo Cabeleireiro foi diferente. Ele foi expulso do PT após votar pela manutenção da taxa do lixo na cidade, em 2018 – houve reclamação também pelo fato de Marcelo ter apoiado candidatos a deputado de fora do petismo. A cúpula do partido na cidade, à época sob comando de Almeida Freire, decidiu pela expulsão sustentando que o parlamentar já tinha desrespeitado as normas da sigla em outras oportunidades.

“Quando saí do PT, eles queriam mandar no meu mandato, ordenando as coisas que eu tinha que votar. Nunca achei que deveria ser expulso”, declarou. Em 2016, pelo PT, o parlamentar obteve 395. Já em 2020, o vereador viu os votos aumentarem para 469. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;