Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Todo dia ele faz tudo sempre igual


Carlos Brickmann

28/02/2021 | 07:00


Já teve o chilique, já botou mais um fardado dentro do governo, já pisou no Paulo Guedes mais uma vez (e nenhum dos dois se cansa!), já prometeu aos caminhoneiros que agora vai, que não precisam fazer greve – mas, por via das dúvidas, já fizeram a greve em Belo Horizonte, tumultuando a vida da cidade. Agora, é aquela questão matemática: pegue o preço da gasolina e do diesel antes dessa confusão toda, some o chilique, some a promoção do fardado, multiplique pela humilhação do superministro da Economia, e a conta vai dar exatamente o preço da gasolina e do diesel antes da confusão.

Por que a vida dos caminhoneiros está tão difícil? Comecemos lembrando que Dilma, para agradar a categoria, financiou caminhões a juros de BNDES, estimulando os autônomos a trocar seus veículos. Perfeito: só que, embora baixos, os juros têm de ser pagos. Com mais caminhões do que o necessário, a tendência dos fretes é cair. O presidente já é Temer: para evitar uma greve, fixou um piso para o frete. Temer sabia, claro, que isso é impossível: se um cliente vai pagar 100 e um caminhoneiro sem carga se oferece por 80, quem irá atrapalhar os dois? Mas Temer sabia também que seu mandato estava no fim, e o problema ficaria para o presidente seguinte. E Bolsonaro, para evitar uma greve, teve então seu chilique, disse que ia fazer e acontecer.

Mas não vai, não: as raízes desta crise estão fora de seu alcance. Não tem como reduzir o número de caminhões, nem de lotá-los. É jogo jogado.

O Real e o real
Mas por que diesel e gasolina subiram tanto? Por dois motivos: primeiro, a desvalorização do real – que vem se enfraquecendo dramaticamente. Das 30 moedas mais negociadas do mundo, o real foi a que mais valor perdeu em 2020 – já no governo Bolsonaro. Foram 28%. Lembra do dólar a R$ 4? Pois hoje oscila perto de R$ 5,50. São mais reais para pagar o mesmo barril de petróleo. O barril de petróleo também já não é o mesmo: faz frio nos Estados Unidos, o que aumenta muito o uso de combustíveis para aquecimento. O preço do fim de 2020 oscilava perto de US$ 50. Hoje, oscila em torno de US$ 65.
Ponha 30% no preço do petróleo, some mais uns 30% de desvalorização do Real, e tente manter hoje o preço do diesel e da gasolina em 2020, já alto. Bolsonaro pode chilicar à vontade que não vai mudar a temperatura dos Estados Unidos. A desvalorização do real é água passada, diga Guedes o que disser, tente Bolsonaro baixar o preço quanto quiser. Dilma fez isso e não deu certo.

Hotel da sucessão
Só quem conhece a história da TV brasileira recorda este programa de sucesso de 1955, na época da eleição que levou Juscelino Kubitschek ao poder. No hotel se hospedavam os personagens da campanha. Lá circulava não muito discretamente um objeto misterioso que convencia os políticos a mudar de opinião.

Economizar, jamais
A coluna Diário do Poder, de Cláudio Humberto, faz uma comparação impressionante entre Brasil e Estados Unidos. O Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro, tem 4.600 funcionários; a Casa Branca, sede do governo norte-americano, tem 460 funcionários. O presidente norte-americano mora e trabalha na Casa Branca. O presidente brasileiro trabalha no Palácio do Planalto, mora no Palácio da Alvorada e dispõe da Granja do Torto; tem também à disposição o Palácio Rio Negro, em Petrópolis.
E a mania de palácios à vontade não é exclusiva dos presidentes, seja qual for seu partido: o governador de São Paulo mora e trabalha no Palácio dos Bandeirantes, tem um palácio no Horto Florestal, em São Paulo, tem outro palácio em Campos do Jordão. Para que? Para nada.

The British way
O primeiro-ministro britânico mora e trabalha numa casa em Downing Street, 10. A casa foi um presente do rei George II a seu principal ministro, Robert Walpole, por bons serviços prestados. Walpole aceitou o presente, desde que não fosse algo pessoal: a casa seria utilizada por quem quer que ocupasse o cargo.

Curiosidade
As notas ‘Hotel da Sucessão; Economizar, Jamais’; e ‘The British Way’ foram publicadas originalmente em 2013, há quase oito anos. O mundo gira e o Brasil fica parado. O que acontece de novo é ainda pior: o governo fica sossegado enquanto 250 mil pessoas morrem de Covid, mas se movimenta para, usando incontáveis e sólidos argumentos, ganhar o apoio do Centrão. Corte de despesas? Houve algum em qualquer dos três poderes, excetuando os inúmeros cortes das 700 toneladas de picanha para a turma lá de cima?

O esperto
Daniel Silveira só agora está descobrindo que vai pagar sozinho por sua cafajestada. Está preso, Bolsonaro está quieto, seus colegas de Câmara estão preparando uma lei pela qual deputado não possa ir para a cadeia. Só ele. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Todo dia ele faz tudo sempre igual

Carlos Brickmann

28/02/2021 | 07:00


Já teve o chilique, já botou mais um fardado dentro do governo, já pisou no Paulo Guedes mais uma vez (e nenhum dos dois se cansa!), já prometeu aos caminhoneiros que agora vai, que não precisam fazer greve – mas, por via das dúvidas, já fizeram a greve em Belo Horizonte, tumultuando a vida da cidade. Agora, é aquela questão matemática: pegue o preço da gasolina e do diesel antes dessa confusão toda, some o chilique, some a promoção do fardado, multiplique pela humilhação do superministro da Economia, e a conta vai dar exatamente o preço da gasolina e do diesel antes da confusão.

Por que a vida dos caminhoneiros está tão difícil? Comecemos lembrando que Dilma, para agradar a categoria, financiou caminhões a juros de BNDES, estimulando os autônomos a trocar seus veículos. Perfeito: só que, embora baixos, os juros têm de ser pagos. Com mais caminhões do que o necessário, a tendência dos fretes é cair. O presidente já é Temer: para evitar uma greve, fixou um piso para o frete. Temer sabia, claro, que isso é impossível: se um cliente vai pagar 100 e um caminhoneiro sem carga se oferece por 80, quem irá atrapalhar os dois? Mas Temer sabia também que seu mandato estava no fim, e o problema ficaria para o presidente seguinte. E Bolsonaro, para evitar uma greve, teve então seu chilique, disse que ia fazer e acontecer.

Mas não vai, não: as raízes desta crise estão fora de seu alcance. Não tem como reduzir o número de caminhões, nem de lotá-los. É jogo jogado.

O Real e o real
Mas por que diesel e gasolina subiram tanto? Por dois motivos: primeiro, a desvalorização do real – que vem se enfraquecendo dramaticamente. Das 30 moedas mais negociadas do mundo, o real foi a que mais valor perdeu em 2020 – já no governo Bolsonaro. Foram 28%. Lembra do dólar a R$ 4? Pois hoje oscila perto de R$ 5,50. São mais reais para pagar o mesmo barril de petróleo. O barril de petróleo também já não é o mesmo: faz frio nos Estados Unidos, o que aumenta muito o uso de combustíveis para aquecimento. O preço do fim de 2020 oscilava perto de US$ 50. Hoje, oscila em torno de US$ 65.
Ponha 30% no preço do petróleo, some mais uns 30% de desvalorização do Real, e tente manter hoje o preço do diesel e da gasolina em 2020, já alto. Bolsonaro pode chilicar à vontade que não vai mudar a temperatura dos Estados Unidos. A desvalorização do real é água passada, diga Guedes o que disser, tente Bolsonaro baixar o preço quanto quiser. Dilma fez isso e não deu certo.

Hotel da sucessão
Só quem conhece a história da TV brasileira recorda este programa de sucesso de 1955, na época da eleição que levou Juscelino Kubitschek ao poder. No hotel se hospedavam os personagens da campanha. Lá circulava não muito discretamente um objeto misterioso que convencia os políticos a mudar de opinião.

Economizar, jamais
A coluna Diário do Poder, de Cláudio Humberto, faz uma comparação impressionante entre Brasil e Estados Unidos. O Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro, tem 4.600 funcionários; a Casa Branca, sede do governo norte-americano, tem 460 funcionários. O presidente norte-americano mora e trabalha na Casa Branca. O presidente brasileiro trabalha no Palácio do Planalto, mora no Palácio da Alvorada e dispõe da Granja do Torto; tem também à disposição o Palácio Rio Negro, em Petrópolis.
E a mania de palácios à vontade não é exclusiva dos presidentes, seja qual for seu partido: o governador de São Paulo mora e trabalha no Palácio dos Bandeirantes, tem um palácio no Horto Florestal, em São Paulo, tem outro palácio em Campos do Jordão. Para que? Para nada.

The British way
O primeiro-ministro britânico mora e trabalha numa casa em Downing Street, 10. A casa foi um presente do rei George II a seu principal ministro, Robert Walpole, por bons serviços prestados. Walpole aceitou o presente, desde que não fosse algo pessoal: a casa seria utilizada por quem quer que ocupasse o cargo.

Curiosidade
As notas ‘Hotel da Sucessão; Economizar, Jamais’; e ‘The British Way’ foram publicadas originalmente em 2013, há quase oito anos. O mundo gira e o Brasil fica parado. O que acontece de novo é ainda pior: o governo fica sossegado enquanto 250 mil pessoas morrem de Covid, mas se movimenta para, usando incontáveis e sólidos argumentos, ganhar o apoio do Centrão. Corte de despesas? Houve algum em qualquer dos três poderes, excetuando os inúmeros cortes das 700 toneladas de picanha para a turma lá de cima?

O esperto
Daniel Silveira só agora está descobrindo que vai pagar sozinho por sua cafajestada. Está preso, Bolsonaro está quieto, seus colegas de Câmara estão preparando uma lei pela qual deputado não possa ir para a cadeia. Só ele. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;