Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Conselheira da Petrobras critica forma da demissão de Castello Branco



26/02/2021 | 15:14


A conselheira da Petrobras representante dos empregados, Rosângela Buzanelli, criticou em seu blog a forma como foi anunciada a troca do presidente da maior estatal brasileira, mas defendeu que a atual política de preços da companhia seja abandonada, para que a empresa possa ser "redirecionada às suas origens e missão" "Pois gostem ou não, a Petrobras é uma empresa brasileira e estatal", afirma.

Dizendo que o Conselho foi surpreendido com o anúncio da troca pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na sexta-feira,19, e sem abordar sobre quem entra ou quem sai, Buzanelli classificou como "mais um desrespeitoso ato presidencial, típico de alguém sem nenhum preparo para o cargo que ocupa, conforme sistematicamente comprovado pelo cenário socioeconômico, sanitário e político do País", disparou.

A conselheira ressaltou que as últimas administrações da Petrobras foram marcadas pela política de preços paritários de importação (PPI), o que prejudica "desnecessariamente a sociedade brasileira", e pela redução de investimentos da companhia aliada à venda de ativos.

Segundo ela, está havendo uma desintegração vertical e nacional da Petrobras, com a única finalidade de remunerar os acionistas, o que precisa ser mudado.

Voto contrário nas vendas da companhia nas reuniões do Conselho, Buzanelli considera que a estatal tem "um papel social e desenvolvimentista importantíssimo para o País", e que deve exercer esse papel para gerar empregos e garantir o abastecimento do território nacional, "de dimensões continentais, a preços justos", afirma.

"A Petrobras não é dos acionistas, dos fundos de investimentos, ou do governo de plantão. A Petrobras é do Estado brasileiro, do seu povo que lutou pela sua criação, a construiu e a agigantou, alçando-a ao 'podium' (sic) das maiores e melhores do mundo no setor, premiada internacionalmente várias vezes", argumentou a conselheira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Conselheira da Petrobras critica forma da demissão de Castello Branco


26/02/2021 | 15:14


A conselheira da Petrobras representante dos empregados, Rosângela Buzanelli, criticou em seu blog a forma como foi anunciada a troca do presidente da maior estatal brasileira, mas defendeu que a atual política de preços da companhia seja abandonada, para que a empresa possa ser "redirecionada às suas origens e missão" "Pois gostem ou não, a Petrobras é uma empresa brasileira e estatal", afirma.

Dizendo que o Conselho foi surpreendido com o anúncio da troca pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na sexta-feira,19, e sem abordar sobre quem entra ou quem sai, Buzanelli classificou como "mais um desrespeitoso ato presidencial, típico de alguém sem nenhum preparo para o cargo que ocupa, conforme sistematicamente comprovado pelo cenário socioeconômico, sanitário e político do País", disparou.

A conselheira ressaltou que as últimas administrações da Petrobras foram marcadas pela política de preços paritários de importação (PPI), o que prejudica "desnecessariamente a sociedade brasileira", e pela redução de investimentos da companhia aliada à venda de ativos.

Segundo ela, está havendo uma desintegração vertical e nacional da Petrobras, com a única finalidade de remunerar os acionistas, o que precisa ser mudado.

Voto contrário nas vendas da companhia nas reuniões do Conselho, Buzanelli considera que a estatal tem "um papel social e desenvolvimentista importantíssimo para o País", e que deve exercer esse papel para gerar empregos e garantir o abastecimento do território nacional, "de dimensões continentais, a preços justos", afirma.

"A Petrobras não é dos acionistas, dos fundos de investimentos, ou do governo de plantão. A Petrobras é do Estado brasileiro, do seu povo que lutou pela sua criação, a construiu e a agigantou, alçando-a ao 'podium' (sic) das maiores e melhores do mundo no setor, premiada internacionalmente várias vezes", argumentou a conselheira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;