Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Prefeitura de São Paulo vai descontar salário de professor em greve

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


25/02/2021 | 21:31


Professores em greve na capital paulista terão o salário descontado, informou a Secretaria Municipal da Educação. A categoria iniciou uma paralisação após a decisão da Prefeitura de reabrir as escolas municipais. A volta às aulas na capital começou no dia 15 de fevereiro e as escolas só podem ter até 35% da capacidade.

Segundo a Secretaria Municipal da Educação (SME), 8% dos professores não estão participando das atividades presenciais. A média diária de faltas é de 5%. O Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal (Sinpeem) diz que a greve, "em defesa da saúde dos profissionais, alunos e famílias", está mantida.

"Essa postura só radicaliza mais a decisão de continuidade de greve", informou o presidente do Sinpeem, Cláudio Fonseca. Para ele, a Prefeitura "deveria se inclinar para as evidências de que estamos em situação de maior risco, organizar o trabalho remoto e a campanha de vacinação".

O retorno ocorre após quase um ano em que as escolas ficaram fechadas para aulas regulares. O secretário municipal, Fernando Padula, vem defendendo o retorno das escolas e já afirmou que os colégios devem ser os últimos a fechar e os primeiros a abrir, A volta é vista por especialistas em Educação como fundamental para manter o vínculo das crianças com a escola, garantir aprendizagem e reduzir as desigualdades.

Na rede estadual, a volta às aulas também ocorre com greve dos professores e o governo de São Paulo já anunciou que cortaria o salário de docentes que não vão às escolas. A Apeoesp, sindicato dos professores da rede estadual, contabiliza mais de mil infecções pelo coronavírus nas escolas - a Secretaria não informou nesta semana o número de casos registrados.

Os professores da rede pública estadual marcaram nesta sexta-feira, 26, uma caminhada no centro da capital paulista contra a volta às aulas presenciais. A concentração será a partir das 10 horas no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, de onde os professores seguirão até a Secretaria de Educação (Seduc).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura de São Paulo vai descontar salário de professor em greve


25/02/2021 | 21:31


Professores em greve na capital paulista terão o salário descontado, informou a Secretaria Municipal da Educação. A categoria iniciou uma paralisação após a decisão da Prefeitura de reabrir as escolas municipais. A volta às aulas na capital começou no dia 15 de fevereiro e as escolas só podem ter até 35% da capacidade.

Segundo a Secretaria Municipal da Educação (SME), 8% dos professores não estão participando das atividades presenciais. A média diária de faltas é de 5%. O Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal (Sinpeem) diz que a greve, "em defesa da saúde dos profissionais, alunos e famílias", está mantida.

"Essa postura só radicaliza mais a decisão de continuidade de greve", informou o presidente do Sinpeem, Cláudio Fonseca. Para ele, a Prefeitura "deveria se inclinar para as evidências de que estamos em situação de maior risco, organizar o trabalho remoto e a campanha de vacinação".

O retorno ocorre após quase um ano em que as escolas ficaram fechadas para aulas regulares. O secretário municipal, Fernando Padula, vem defendendo o retorno das escolas e já afirmou que os colégios devem ser os últimos a fechar e os primeiros a abrir, A volta é vista por especialistas em Educação como fundamental para manter o vínculo das crianças com a escola, garantir aprendizagem e reduzir as desigualdades.

Na rede estadual, a volta às aulas também ocorre com greve dos professores e o governo de São Paulo já anunciou que cortaria o salário de docentes que não vão às escolas. A Apeoesp, sindicato dos professores da rede estadual, contabiliza mais de mil infecções pelo coronavírus nas escolas - a Secretaria não informou nesta semana o número de casos registrados.

Os professores da rede pública estadual marcaram nesta sexta-feira, 26, uma caminhada no centro da capital paulista contra a volta às aulas presenciais. A concentração será a partir das 10 horas no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, de onde os professores seguirão até a Secretaria de Educação (Seduc).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;