Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O cotidiano no tempo da quaresma


Do Diário do Grande ABC

24/02/2021 | 23:59


Teve início na Quarta-Feira de Cinzas o tempo da quaresma, período de 40 dias de preparação para a Páscoa, quando se comemorará a ressurreição de Jesus. É tempo propício para o crescimento espiritual na fé, na esperança e na caridade. Há quem opte por estabelecer a si mesmo e voluntariamente um pequeno sacrifício, como deixar de comer chocolate, refrigerante ou algo que goste muito. Há quem visite os doentes e se empenha em ajudar aos mais necessitados.

A quaresma é tempo favorável para o crescimento em bons valores e virtudes humanas: bondade, cordialidade, simplicidade entre outros tantos. É acessível para a maioria a atenção a práticas singelas como telefonema a um amigo que passa dificuldades, a atenção caridosa ao se responder uma mensagem eletrônica, ou ainda a paciência com alguém que tenha um defeito que nos incomode, que podemos tolerar com alegria e amor. Nas pequenas tarefas diárias encontramos oportunidade de exercitar a caridade.

A maioria das pessoas dificilmente terá condições de envidar esforços para o fim da fome no País ou a redução da criminalidade, mas está ao alcance de todos ser bom profissional, ou mãe de família trabalhadora e carinhosa, ou pai interessado na educação dos filhos. Pequenos gestos e ações feitas com grande amor enobrecem e dão sentido à natureza humana e nos tornam mais semelhantes ao bom Jesus.

A quaresma é tempo bastante propício para observar mais vezes Jesus Cristo e imitá-lo nas suas práticas: Deus, que veio à Terra e trabalhou por 30 anos numa carpintaria, fez amigos, foi bom filho, atencioso com quem cruzou seu caminho, denunciou injustiças, partilhou seus ensinamentos e entregou sua vida. Na dimensão social, a quaresma convida à conversão comunitária, para alertar a responsabilidade de cada um em mudar o mundo a partir da sua realidade mais próxima e com as ferramentas e capacidades que tenha em mãos. Somos todos portadores de dons que podem contribuir para o bem comum; olhar ao redor e agir, rezar e trabalhar, amar com obras e servir para que a vida ganhe cada vez mais sentido.

É desafiador neste tempo quaresmal olharmos para nosso interior para reconhecer limitações e defeitos, planejar mudanças, mudar rotas, resgatar valores, e a conversão virá na medida em que deixarmos de lado o egoísmo e a indiferença, e assim viveremos com mais intensidade a fraternidade.

As práticas espirituais e religiosas propostas pela Igreja Católica neste período que antecede a Páscoa sempre foram instrumentos muito úteis disponíveis a todos, e ajudam no crescimento humano e na aproximação de Cristo no cotidiano.

Carlos Roberto Pegoretti Júnior é advogado.


PALAVRA DO LEITOR

Monitoramento?
Na teoria o Centro de São Bernardo seria um dos lugares mais monitorados por câmeras de segurança no Grande ABC. Mas, na prática, isso não existe! Dia 21, no período da tarde, tinha até uma pessoa andando de cavalo na Praça Samuel Sabatini, onde funciona a Prefeitura. E havia grande concentração de pessoas, a maioria sem máscaras. Imagina se o cavaleiro perde o controle sobre a montaria e provoca grave acidente com usuários da praça? Será que falta acontecer uma tragédia para que o certo seja feito quanto à organização e ao respeito à legislação e ao controle da pandemia na cidade?
Maria de Lourdes Barbosa dos Santos
São Bernardo


Intervenção
O presidente da República, com sua imposição em relação à direção da Petrobras, causa reflexos no mercado financeiro. Este é procedimento que exige posicionamento de outros poderes. O Brasil precisa de verbas e as perdas foram bilionárias. Quem vai cobrir os valores perdidos?
Uriel Vlillas Boas
Santos (SP)


Lamentável
Deplorável a postura dos vereadores de Santo André que votaram a favor da moção de repúdio contra a música da rapper Triz, que foi exibida por professor da rede estadual e contém duas palavras de baixo calão. Sequer escutaram a música, som de 2017 que tem 17 milhões de visualizações. É difícil acreditar que os jovens na sala da EE Galeão Carvalhal não a tenham escutado anteriormente, afinal, eles têm a música na palma da mão. A atitude do professor foi apenas levar a música para debate em sala de aula, ao invés de ler poemas do século passado que já não representam a sociedade atual. Esses mesmos jovens são os que têm acesso a letras que inclusive fazem apologia ao uso de drogas. E quanto a isso os edis farão o quê? Censura ao funk? Ou melhor, proibir a internet para o menor de idade? Façam o favor! Fiscalizem a cidade e cumpram o papel de vocês, ao invés de perder tempo. Lamentável!
Leandro Marques
Santo André


Eduardo Leite
É nítido que o vereador Eduardo Leite, de Santo André, está tensionando ao máximo para cavar sua expulsão do Partido dos Trabalhadores e ter argumento jurídico para ingressar em nova legenda, manobra essa para não perder o mandato. Fosse eu dirigente do PT, não o expulsaria. Deixaria ele mesmo tomar a decisão de sair, se é que tem coragem para isso. Pena ver uma pessoa tão jovem com ‘práticas da velha política’. Eduardo, ao que parece, até hoje utilizou o PT apenas para projeto pessoal.
Humberto Darela
Santo André


A farsa
Jair Bolsonaro, junto com seus ministros, todos sem máscara, promoveram, dia 23, evento dantesco quando levaram ao Congresso medida provisória para venda de Eletrobrás. Apesar de ter enviado projeto para a venda desse ativo em 2019, Bolsonaro jamais teve interesse em privatizar. Do R$ 1 trilhão que seu governo prometeu que arrecadaria com privatizações, até aqui só míseros trocados. Porém, essa farsa da venda de Eletrobrás somente ocorreu depois da péssima repercussão pelo mundo em razão da interferência dele na Petrobras. Ou seja, com a ‘faca no pescoço’, Bolsonaro faz esse Carnaval fora de hora pensando que ludibriaria o mercado, investidores etc. Enquanto isso, o governo brinca que governa, não se importa em comprar vacinas, e também inexistem ação e competência para alavancar a economia e a criação de empregos.
Paulo Panossian
São Carlos (SP) 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O cotidiano no tempo da quaresma

Do Diário do Grande ABC

24/02/2021 | 23:59


Teve início na Quarta-Feira de Cinzas o tempo da quaresma, período de 40 dias de preparação para a Páscoa, quando se comemorará a ressurreição de Jesus. É tempo propício para o crescimento espiritual na fé, na esperança e na caridade. Há quem opte por estabelecer a si mesmo e voluntariamente um pequeno sacrifício, como deixar de comer chocolate, refrigerante ou algo que goste muito. Há quem visite os doentes e se empenha em ajudar aos mais necessitados.

A quaresma é tempo favorável para o crescimento em bons valores e virtudes humanas: bondade, cordialidade, simplicidade entre outros tantos. É acessível para a maioria a atenção a práticas singelas como telefonema a um amigo que passa dificuldades, a atenção caridosa ao se responder uma mensagem eletrônica, ou ainda a paciência com alguém que tenha um defeito que nos incomode, que podemos tolerar com alegria e amor. Nas pequenas tarefas diárias encontramos oportunidade de exercitar a caridade.

A maioria das pessoas dificilmente terá condições de envidar esforços para o fim da fome no País ou a redução da criminalidade, mas está ao alcance de todos ser bom profissional, ou mãe de família trabalhadora e carinhosa, ou pai interessado na educação dos filhos. Pequenos gestos e ações feitas com grande amor enobrecem e dão sentido à natureza humana e nos tornam mais semelhantes ao bom Jesus.

A quaresma é tempo bastante propício para observar mais vezes Jesus Cristo e imitá-lo nas suas práticas: Deus, que veio à Terra e trabalhou por 30 anos numa carpintaria, fez amigos, foi bom filho, atencioso com quem cruzou seu caminho, denunciou injustiças, partilhou seus ensinamentos e entregou sua vida. Na dimensão social, a quaresma convida à conversão comunitária, para alertar a responsabilidade de cada um em mudar o mundo a partir da sua realidade mais próxima e com as ferramentas e capacidades que tenha em mãos. Somos todos portadores de dons que podem contribuir para o bem comum; olhar ao redor e agir, rezar e trabalhar, amar com obras e servir para que a vida ganhe cada vez mais sentido.

É desafiador neste tempo quaresmal olharmos para nosso interior para reconhecer limitações e defeitos, planejar mudanças, mudar rotas, resgatar valores, e a conversão virá na medida em que deixarmos de lado o egoísmo e a indiferença, e assim viveremos com mais intensidade a fraternidade.

As práticas espirituais e religiosas propostas pela Igreja Católica neste período que antecede a Páscoa sempre foram instrumentos muito úteis disponíveis a todos, e ajudam no crescimento humano e na aproximação de Cristo no cotidiano.

Carlos Roberto Pegoretti Júnior é advogado.


PALAVRA DO LEITOR

Monitoramento?
Na teoria o Centro de São Bernardo seria um dos lugares mais monitorados por câmeras de segurança no Grande ABC. Mas, na prática, isso não existe! Dia 21, no período da tarde, tinha até uma pessoa andando de cavalo na Praça Samuel Sabatini, onde funciona a Prefeitura. E havia grande concentração de pessoas, a maioria sem máscaras. Imagina se o cavaleiro perde o controle sobre a montaria e provoca grave acidente com usuários da praça? Será que falta acontecer uma tragédia para que o certo seja feito quanto à organização e ao respeito à legislação e ao controle da pandemia na cidade?
Maria de Lourdes Barbosa dos Santos
São Bernardo


Intervenção
O presidente da República, com sua imposição em relação à direção da Petrobras, causa reflexos no mercado financeiro. Este é procedimento que exige posicionamento de outros poderes. O Brasil precisa de verbas e as perdas foram bilionárias. Quem vai cobrir os valores perdidos?
Uriel Vlillas Boas
Santos (SP)


Lamentável
Deplorável a postura dos vereadores de Santo André que votaram a favor da moção de repúdio contra a música da rapper Triz, que foi exibida por professor da rede estadual e contém duas palavras de baixo calão. Sequer escutaram a música, som de 2017 que tem 17 milhões de visualizações. É difícil acreditar que os jovens na sala da EE Galeão Carvalhal não a tenham escutado anteriormente, afinal, eles têm a música na palma da mão. A atitude do professor foi apenas levar a música para debate em sala de aula, ao invés de ler poemas do século passado que já não representam a sociedade atual. Esses mesmos jovens são os que têm acesso a letras que inclusive fazem apologia ao uso de drogas. E quanto a isso os edis farão o quê? Censura ao funk? Ou melhor, proibir a internet para o menor de idade? Façam o favor! Fiscalizem a cidade e cumpram o papel de vocês, ao invés de perder tempo. Lamentável!
Leandro Marques
Santo André


Eduardo Leite
É nítido que o vereador Eduardo Leite, de Santo André, está tensionando ao máximo para cavar sua expulsão do Partido dos Trabalhadores e ter argumento jurídico para ingressar em nova legenda, manobra essa para não perder o mandato. Fosse eu dirigente do PT, não o expulsaria. Deixaria ele mesmo tomar a decisão de sair, se é que tem coragem para isso. Pena ver uma pessoa tão jovem com ‘práticas da velha política’. Eduardo, ao que parece, até hoje utilizou o PT apenas para projeto pessoal.
Humberto Darela
Santo André


A farsa
Jair Bolsonaro, junto com seus ministros, todos sem máscara, promoveram, dia 23, evento dantesco quando levaram ao Congresso medida provisória para venda de Eletrobrás. Apesar de ter enviado projeto para a venda desse ativo em 2019, Bolsonaro jamais teve interesse em privatizar. Do R$ 1 trilhão que seu governo prometeu que arrecadaria com privatizações, até aqui só míseros trocados. Porém, essa farsa da venda de Eletrobrás somente ocorreu depois da péssima repercussão pelo mundo em razão da interferência dele na Petrobras. Ou seja, com a ‘faca no pescoço’, Bolsonaro faz esse Carnaval fora de hora pensando que ludibriaria o mercado, investidores etc. Enquanto isso, o governo brinca que governa, não se importa em comprar vacinas, e também inexistem ação e competência para alavancar a economia e a criação de empregos.
Paulo Panossian
São Carlos (SP) 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;