Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Reserva de liquidez tem redução nominal em janeiro, a R$ 805,68 bi, diz Tesouro



24/02/2021 | 15:01


O Tesouro Nacional encerrou o mês de janeiro com R$ 805,68 bilhões no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado em janeiro é 8,58% menor em termos nominais que os R$ 881,28 bilhões que estavam na reserva em dezembro. Por outro lado, o montante é 8,84% maior que o observado em janeiro de 2020 (R$ 740,23 bilhões).

A divulgação do valor exato do "colchão da dívida" foi adotada no início deste ano e é uma iniciativa do Tesouro para elevar a transparência sobre esse dado, que serve de termômetro para saber se o País tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa.

No início da pandemia da covid-19, o elevado colchão de liquidez foi essencial para que o Tesouro pudesse se abster de emitir grandes volumes de títulos num momento de forte volatilidade do mercado, o que poderia resultar em custo elevado de financiamento.

No ano passado, o Tesouro encerrou com um colchão da dívida até acima do observado em 2019 (R$ 836 bilhões), após aproveitar uma janela favorável para emissões no fim do ano.

No mês passado, o órgão ressaltou que o montante no colchão da dívida já era suficiente para honrar todos os vencimentos previstos para o primeiro semestre de 2021. O objetivo é manter, ao longo de 2021, o colchão de liquidez acima de seu nível prudencial.

O Tesouro Nacional ressaltou ainda que não define metas para o tamanho mínimo da reserva de liquidez.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reserva de liquidez tem redução nominal em janeiro, a R$ 805,68 bi, diz Tesouro


24/02/2021 | 15:01


O Tesouro Nacional encerrou o mês de janeiro com R$ 805,68 bilhões no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado em janeiro é 8,58% menor em termos nominais que os R$ 881,28 bilhões que estavam na reserva em dezembro. Por outro lado, o montante é 8,84% maior que o observado em janeiro de 2020 (R$ 740,23 bilhões).

A divulgação do valor exato do "colchão da dívida" foi adotada no início deste ano e é uma iniciativa do Tesouro para elevar a transparência sobre esse dado, que serve de termômetro para saber se o País tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa.

No início da pandemia da covid-19, o elevado colchão de liquidez foi essencial para que o Tesouro pudesse se abster de emitir grandes volumes de títulos num momento de forte volatilidade do mercado, o que poderia resultar em custo elevado de financiamento.

No ano passado, o Tesouro encerrou com um colchão da dívida até acima do observado em 2019 (R$ 836 bilhões), após aproveitar uma janela favorável para emissões no fim do ano.

No mês passado, o órgão ressaltou que o montante no colchão da dívida já era suficiente para honrar todos os vencimentos previstos para o primeiro semestre de 2021. O objetivo é manter, ao longo de 2021, o colchão de liquidez acima de seu nível prudencial.

O Tesouro Nacional ressaltou ainda que não define metas para o tamanho mínimo da reserva de liquidez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;