Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Dom Pedro Cipollini vê diálogo capaz de construir a paz

Fernando Minichello/Diocese de Santo André Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Bispo diocesano presidiu ontem a celebração na Catedral Nossa Senhora do Carmo, em Santo André


Da Redação

18/02/2021 | 08:33


Com discurso baseado no compromisso com o diálogo para construir a paz e a unidade entre os povos, o bispo diocesano dom Pedro Carlos Cipollini celebrou ontem a Missa de Cinzas e a abertura oficial da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 na Diocese de Santo André – responsável por todas as igrejas da região –, na Catedral Nossa Senhora do Carmo, no Centro de Santo André.

Em razão da pandemia da Covid, o tradicional rito de imposição das cinzas sofreu modificações neste ano. Ao invés da marca em forma de cruz feita pelo celebrante na testa do participante, para evitar o contato físico, cinzas foram jogadas sobre a cabeça dos fiéis.

A celebração presencial – que contou com as participações do vigário episcopal para a pastoral e pároco da catedral padre Joel Nery, do assessor diocesano da Campanha da Fraternidade, padre Geraldo dos Santos, bem como dos fiéis e integrantes da Comissão Diocesana da Campanha da Fraternidade – seguiu as normas sanitárias e o decreto diocesano de 31 de maio de 2020, que prevê regras de distanciamento físico mínimo de dois metros, capacidade limitada a 30% do espaço da igreja, bem como cuidados de higiene, como o uso de máscara, álcool gel e espaços bem ventilados com portas e janelas abertas durante as celebrações.

A Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, também teve início ontem. Um tempo de reflexão, confissão e penitência, segundo dom Pedro. “O caminho da experiência de privação é o jejum, que leva a desejar a justiça do reino. A atenção e os gestos de amor pelo homem ferido e excluído são a esmola em forma de partilha. O diálogo filial com o Pai do céu é a oração. Eles permitem-nos encarnar uma fé sincera, esperança viva e caridade operosa”, medita dom Pedro.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dom Pedro Cipollini vê diálogo capaz de construir a paz

Bispo diocesano presidiu ontem a celebração na Catedral Nossa Senhora do Carmo, em Santo André

Da Redação

18/02/2021 | 08:33


Com discurso baseado no compromisso com o diálogo para construir a paz e a unidade entre os povos, o bispo diocesano dom Pedro Carlos Cipollini celebrou ontem a Missa de Cinzas e a abertura oficial da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 na Diocese de Santo André – responsável por todas as igrejas da região –, na Catedral Nossa Senhora do Carmo, no Centro de Santo André.

Em razão da pandemia da Covid, o tradicional rito de imposição das cinzas sofreu modificações neste ano. Ao invés da marca em forma de cruz feita pelo celebrante na testa do participante, para evitar o contato físico, cinzas foram jogadas sobre a cabeça dos fiéis.

A celebração presencial – que contou com as participações do vigário episcopal para a pastoral e pároco da catedral padre Joel Nery, do assessor diocesano da Campanha da Fraternidade, padre Geraldo dos Santos, bem como dos fiéis e integrantes da Comissão Diocesana da Campanha da Fraternidade – seguiu as normas sanitárias e o decreto diocesano de 31 de maio de 2020, que prevê regras de distanciamento físico mínimo de dois metros, capacidade limitada a 30% do espaço da igreja, bem como cuidados de higiene, como o uso de máscara, álcool gel e espaços bem ventilados com portas e janelas abertas durante as celebrações.

A Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, também teve início ontem. Um tempo de reflexão, confissão e penitência, segundo dom Pedro. “O caminho da experiência de privação é o jejum, que leva a desejar a justiça do reino. A atenção e os gestos de amor pelo homem ferido e excluído são a esmola em forma de partilha. O diálogo filial com o Pai do céu é a oração. Eles permitem-nos encarnar uma fé sincera, esperança viva e caridade operosa”, medita dom Pedro.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;