Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Oxford vai testar vacina em criança e adolescente

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/02/2021 | 07:40


A Universidade de Oxford anunciou neste sábado, 13, que começará a testar a vacina contra a covid-19 produzida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca em crianças e adolescentes. O estudo deve determinar os efeitos da vacina em pessoas pertencentes à faixa etária de 6 a 17 anos.

As pesquisas anteriores, que permitiram a aplicação do imunizante em diversos países, incluindo o Brasil, envolveram participantes acima de 18 anos. Por esse motivo, a vacina ainda não é aplicada em pessoas mais jovens.

O estudo randomizado, de fase 2, deve ter início ainda em fevereiro e envolverá 300 voluntários. Entre eles, 240 devem receber a vacina contra a covid-19 e os outros 60 um imunizante contra a meningite, que - de acordo com a universidade - já se mostrou seguro em crianças e deve produzir efeitos colaterais similares, como dor no local da aplicação. Após a conclusão dessa fase, os pesquisadores devem incluir mais voluntários para determinar a eficácia do imunizante nesta faixa etária. "Embora a maioria não seja relativamente afetada pelo coronavírus e seja improvável que adoeçam com a infecção, é importante estabelecer a segurança e a resposta imune para a vacina em crianças e jovens", disse Andrew Pollard, professor de infecção e imunidade pediátrica e pesquisador-chefe dos estudos da vacina de Oxford.

Para Rinn Song, pediatra e cientista da universidade, "a pandemia da covid-19 teve impacto negativo profundo na educação, desenvolvimento social e bem-estar emocional de crianças e adolescentes, além de registros raros de casos graves da doença". "Portanto, é importante coletar dados de segurança e resposta imunológica nessas faixas etárias, para que possam potencialmente se beneficiar da inclusão em programas de vacinação em um futuro próximo." (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Oxford vai testar vacina em criança e adolescente


14/02/2021 | 07:40


A Universidade de Oxford anunciou neste sábado, 13, que começará a testar a vacina contra a covid-19 produzida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca em crianças e adolescentes. O estudo deve determinar os efeitos da vacina em pessoas pertencentes à faixa etária de 6 a 17 anos.

As pesquisas anteriores, que permitiram a aplicação do imunizante em diversos países, incluindo o Brasil, envolveram participantes acima de 18 anos. Por esse motivo, a vacina ainda não é aplicada em pessoas mais jovens.

O estudo randomizado, de fase 2, deve ter início ainda em fevereiro e envolverá 300 voluntários. Entre eles, 240 devem receber a vacina contra a covid-19 e os outros 60 um imunizante contra a meningite, que - de acordo com a universidade - já se mostrou seguro em crianças e deve produzir efeitos colaterais similares, como dor no local da aplicação. Após a conclusão dessa fase, os pesquisadores devem incluir mais voluntários para determinar a eficácia do imunizante nesta faixa etária. "Embora a maioria não seja relativamente afetada pelo coronavírus e seja improvável que adoeçam com a infecção, é importante estabelecer a segurança e a resposta imune para a vacina em crianças e jovens", disse Andrew Pollard, professor de infecção e imunidade pediátrica e pesquisador-chefe dos estudos da vacina de Oxford.

Para Rinn Song, pediatra e cientista da universidade, "a pandemia da covid-19 teve impacto negativo profundo na educação, desenvolvimento social e bem-estar emocional de crianças e adolescentes, além de registros raros de casos graves da doença". "Portanto, é importante coletar dados de segurança e resposta imunológica nessas faixas etárias, para que possam potencialmente se beneficiar da inclusão em programas de vacinação em um futuro próximo." (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;