Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com cautela no exterior e sobre auxílio emergencial

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


12/02/2021 | 09:58


O dólar volta a subir nesta sexta-feira, 12, ante o real, acompanhando a valorização no exterior em meio a indefinições do pacote fiscal dos EUA e, aqui, das fontes de recursos para bancar o novo auxílio emergencial, que pode começar a ser pago em março. O salto de 2,97% do IGP-10 de fevereiro, mais que o dobro da alta de 1,33% em janeiro, ficou ainda no teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma alta entre 1,97% e 2,97%, com mediana positiva de 1,22%. Já a queda de 4,05% do IBC-BR em 2020 veio menor que o teto das projeções (-4,50% a -4,10%).

Investidores monitoram as discussões entre governo e Congresso, que devem se arrastar durante o feriado de carnaval. Além disso, após o fraco IPCA de janeiro, o IGP-10 de fevereiro confirma a aceleração da inflação, que está no radar do Banco Central, uma vez que os índices de preços vem subindo sem contrapartida de crescimento da atividade econômica.

O ministro Paulo Guedes disse que o Brasil não comporta o risco de estender o auxílio emergencial sem uma contrapartida. Ele cobrou a aprovação da reforma tributária ainda este ano e voltou a afirmar que a reforma mais importante, depois da Previdência, é o Pacto Federativo. A percepção no mercado é de que os valores e a periodicidade de pagamento são maiores que o esperado, e há dúvidas sobre o sucesso da articulação política do governo para o acordo de contrapartidas para cortes de gastos.

No exterior, o índice DXY do dólar, que mede as variações da moeda americana frente a outras seis divisas relevantes, opera em alta, ampliando leves ganhos de ontem depois de se desvalorizar por quatro sessões consecutivas.

O dólar sobe majoritariamente também frente a divisas emergentes e ligadas a commodities. Os investidores aguardam novidades sobre as negociações do presidente Joe Biden para garantir a aprovação de um novo pacote fiscal. Desdobramentos da covid-19 e da vacinação contra a doença também continuam no radar. Na agenda de indicadores está prevista apenas uma pesquisa sobre confiança do consumidor dos EUA.

Às 9h21 desta sexta, o dólar à vista subia 0,21%, a R$ 5,3996. O dólar para março ganhava 0,61%, a R$ 5,4015.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com cautela no exterior e sobre auxílio emergencial


12/02/2021 | 09:58


O dólar volta a subir nesta sexta-feira, 12, ante o real, acompanhando a valorização no exterior em meio a indefinições do pacote fiscal dos EUA e, aqui, das fontes de recursos para bancar o novo auxílio emergencial, que pode começar a ser pago em março. O salto de 2,97% do IGP-10 de fevereiro, mais que o dobro da alta de 1,33% em janeiro, ficou ainda no teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma alta entre 1,97% e 2,97%, com mediana positiva de 1,22%. Já a queda de 4,05% do IBC-BR em 2020 veio menor que o teto das projeções (-4,50% a -4,10%).

Investidores monitoram as discussões entre governo e Congresso, que devem se arrastar durante o feriado de carnaval. Além disso, após o fraco IPCA de janeiro, o IGP-10 de fevereiro confirma a aceleração da inflação, que está no radar do Banco Central, uma vez que os índices de preços vem subindo sem contrapartida de crescimento da atividade econômica.

O ministro Paulo Guedes disse que o Brasil não comporta o risco de estender o auxílio emergencial sem uma contrapartida. Ele cobrou a aprovação da reforma tributária ainda este ano e voltou a afirmar que a reforma mais importante, depois da Previdência, é o Pacto Federativo. A percepção no mercado é de que os valores e a periodicidade de pagamento são maiores que o esperado, e há dúvidas sobre o sucesso da articulação política do governo para o acordo de contrapartidas para cortes de gastos.

No exterior, o índice DXY do dólar, que mede as variações da moeda americana frente a outras seis divisas relevantes, opera em alta, ampliando leves ganhos de ontem depois de se desvalorizar por quatro sessões consecutivas.

O dólar sobe majoritariamente também frente a divisas emergentes e ligadas a commodities. Os investidores aguardam novidades sobre as negociações do presidente Joe Biden para garantir a aprovação de um novo pacote fiscal. Desdobramentos da covid-19 e da vacinação contra a doença também continuam no radar. Na agenda de indicadores está prevista apenas uma pesquisa sobre confiança do consumidor dos EUA.

Às 9h21 desta sexta, o dólar à vista subia 0,21%, a R$ 5,3996. O dólar para março ganhava 0,61%, a R$ 5,4015.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;