Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Opas: há mais evidências de que variante brasileira aumenta contágio

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/02/2021 | 15:56


A diretora-geral da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, afirmou que estudos em andamento estão provendo cada vez mais evidências de que algumas das variantes do novo coronavírus, como a identificada primeiro em Manaus, região Norte do Brasil, têm maior capacidade de transmissão do que a cepa original do vírus.

De acordo com o gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri, três variantes preocupantes foram identificadas em pelo menos 20 países das Américas. Após informar que cerca de 1,6 milhão de casos de covid-19 foram registrados na região na semana passada, em torno de metade dos casos globais no período, Etienne afirmou que os países americanos ainda estão sendo afetados severamente pela pandemia. A diretora-geral da Opas defendeu medidas de segurança como a "melhor forma" de combater o vírus a curto prazo, antes de vacinas começarem a fazer efeito.

A vacina da AstraZeneca tem sofrido com desconfiança após um estudo de fases 1 e 2 na África do Sul identificar menor eficácia do produto para casos leves e moderados da cepa sul-africana do sars-cov-2. Segundo o diretor-assistente da Opas, Jarbas Barbosa, não há motivos para crer que a vacina da AstraZeneca tem menor eficácia na prevenção contra casos graves, que são o foco dos imunizantes neste momento, disse.

Ele alertou também para o fato de que os estudos identificaram a menor eficácia da vacina em um pequeno grupo de pessoas que contraíram a cepa sul-africana, de forma que os resultados não podem ser estendidos às variantes brasileiras e britânica do coronavírus, por exemplo.

O imunizante da AstraZeneca é o produto com o maior volume de doses a serem distribuídas pela iniciativa Covax a países americanos, segundo relatório da Organização Mundial de saúde (OMS) publicado há uma semana. Barbosa disse que os países-membros da Opas que receberem doses pela Covax deverão enviar à entidade o seu plano nacional de imunização, de forma a garantir a correta distribuição das vacinas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Opas: há mais evidências de que variante brasileira aumenta contágio


10/02/2021 | 15:56


A diretora-geral da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, afirmou que estudos em andamento estão provendo cada vez mais evidências de que algumas das variantes do novo coronavírus, como a identificada primeiro em Manaus, região Norte do Brasil, têm maior capacidade de transmissão do que a cepa original do vírus.

De acordo com o gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri, três variantes preocupantes foram identificadas em pelo menos 20 países das Américas. Após informar que cerca de 1,6 milhão de casos de covid-19 foram registrados na região na semana passada, em torno de metade dos casos globais no período, Etienne afirmou que os países americanos ainda estão sendo afetados severamente pela pandemia. A diretora-geral da Opas defendeu medidas de segurança como a "melhor forma" de combater o vírus a curto prazo, antes de vacinas começarem a fazer efeito.

A vacina da AstraZeneca tem sofrido com desconfiança após um estudo de fases 1 e 2 na África do Sul identificar menor eficácia do produto para casos leves e moderados da cepa sul-africana do sars-cov-2. Segundo o diretor-assistente da Opas, Jarbas Barbosa, não há motivos para crer que a vacina da AstraZeneca tem menor eficácia na prevenção contra casos graves, que são o foco dos imunizantes neste momento, disse.

Ele alertou também para o fato de que os estudos identificaram a menor eficácia da vacina em um pequeno grupo de pessoas que contraíram a cepa sul-africana, de forma que os resultados não podem ser estendidos às variantes brasileiras e britânica do coronavírus, por exemplo.

O imunizante da AstraZeneca é o produto com o maior volume de doses a serem distribuídas pela iniciativa Covax a países americanos, segundo relatório da Organização Mundial de saúde (OMS) publicado há uma semana. Barbosa disse que os países-membros da Opas que receberem doses pela Covax deverão enviar à entidade o seu plano nacional de imunização, de forma a garantir a correta distribuição das vacinas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;