Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Jornalista baleado em pet shop tem alta da UTI

Banco de Dados/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Do Diário do Grande ABC

08/02/2021 | 18:33


O jornalista Daniel Lima, 70 anos, baleado no pet shop Dr.Galera, em São Bernardo, no dia 1º, teve alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) após seis dias. Lima, agora no quarto, segue sendo submetido a diversos exames. De acordo com boletim médico, ele deverá, mesmo fora do hospital, seguir série de ações para reduzir o impacto da bala que atingiu seu rosto. O comunicador disse que perdoa e que vai rezar pelo atirador (leia aqui).

O criminoso, o GCM (Guarda Civil Municipal) de Indaiatuba, no Interior, Ageu Rosas Galera, 35, segue foragido. Na quinta-feira (4), o advogado Ayrton Perroni Alba, que faz a defesa do dono do pet shop, disse que o tiro "foi acidental" (veja mais). Segundo ele, testemunhas já foram levadas à delegacia para confirmar a versão e que, por isso, ele não vai se apresentar. "Tudo o que ele falaria já foi apresentado por testemunhas. Se ele for, corre o risco de ficar preso o processo inteiro. Está foragido e acaba sendo o direito dele."

Galera, que levou as gravações das câmeras de segurança do estabelecimento após atirar no jornalista, está suspenso das funções de guarda desde 2019. Isso porque ele, então solteiro, sob o nome de Ageu Diaz Rosas, e outros sete guardas-civis foram acusados de emprego de violência e grave ameaça, além de causar intenso sofrimento físico e mental a pelo menos cinco vítimas em 2016, em Indaiatuba.

 

ENTENDA
O caso começou quando Lima deixou dois cachorros para tomar banho no pet-shop Dr. Galera, no Jardim do Mar, em São Bernardo, por volta das 11h. Às 14h30, o procedimento ainda não tinha sido concluído. No local em busca de informações, a discussão com Ageu, marido de Letícia Ramos Galera, proprietária do estabelecimento, iniciou após o GCM dizer que o jornalista não precisava pagar pelo serviço. “Eu pago para não ver mais sua cara aqui”, disse Ageu, furioso. Porém, o jornalista insistiu para pagar a conta e, após conversa com Letícia em que se referiu a Ageu como “aquele rapaz”, o GCM voltou com a arma e disparou. Ele retirou os discos de gravação das câmeras do local e fugiu em motocicleta desconhecida.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Jornalista baleado em pet shop tem alta da UTI

Do Diário do Grande ABC

08/02/2021 | 18:33


O jornalista Daniel Lima, 70 anos, baleado no pet shop Dr.Galera, em São Bernardo, no dia 1º, teve alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) após seis dias. Lima, agora no quarto, segue sendo submetido a diversos exames. De acordo com boletim médico, ele deverá, mesmo fora do hospital, seguir série de ações para reduzir o impacto da bala que atingiu seu rosto. O comunicador disse que perdoa e que vai rezar pelo atirador (leia aqui).

O criminoso, o GCM (Guarda Civil Municipal) de Indaiatuba, no Interior, Ageu Rosas Galera, 35, segue foragido. Na quinta-feira (4), o advogado Ayrton Perroni Alba, que faz a defesa do dono do pet shop, disse que o tiro "foi acidental" (veja mais). Segundo ele, testemunhas já foram levadas à delegacia para confirmar a versão e que, por isso, ele não vai se apresentar. "Tudo o que ele falaria já foi apresentado por testemunhas. Se ele for, corre o risco de ficar preso o processo inteiro. Está foragido e acaba sendo o direito dele."

Galera, que levou as gravações das câmeras de segurança do estabelecimento após atirar no jornalista, está suspenso das funções de guarda desde 2019. Isso porque ele, então solteiro, sob o nome de Ageu Diaz Rosas, e outros sete guardas-civis foram acusados de emprego de violência e grave ameaça, além de causar intenso sofrimento físico e mental a pelo menos cinco vítimas em 2016, em Indaiatuba.

 

ENTENDA
O caso começou quando Lima deixou dois cachorros para tomar banho no pet-shop Dr. Galera, no Jardim do Mar, em São Bernardo, por volta das 11h. Às 14h30, o procedimento ainda não tinha sido concluído. No local em busca de informações, a discussão com Ageu, marido de Letícia Ramos Galera, proprietária do estabelecimento, iniciou após o GCM dizer que o jornalista não precisava pagar pelo serviço. “Eu pago para não ver mais sua cara aqui”, disse Ageu, furioso. Porém, o jornalista insistiu para pagar a conta e, após conversa com Letícia em que se referiu a Ageu como “aquele rapaz”, o GCM voltou com a arma e disparou. Ele retirou os discos de gravação das câmeras do local e fugiu em motocicleta desconhecida.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;