Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com pacote dos EUA e agenda do Congresso no radar

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/02/2021 | 09:45


O dólar opera em alta no exterior e ante o real, com investidores globais na esperança de um acordo em torno do pacote fiscal dos EUA e, aqui, de olho no andamento da agenda de votações do Congresso e suas implicações para o problema fiscal do País.

Uma reunião no fim da tarde de hoje entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o relator do projeto que dá autonomia ao BC, Silvio Costa Neto (Republicanos-PE), na residência oficial de Lira, fica no radar. O relator apresentou parecer favorável à aprovação do texto, que já foi aprovado pelo Senado.

O PL concede mandatos fixos de 4 anos ao presidente e diretores da instituição, mantém o controle da inflação como objetivo central, mas inclui como metas acessórias suavizar flutuações do nível da atividade econômica e fomentar o pleno emprego. O projeto integra a lista de prioridades da agenda econômica do governo.

Contudo, há ceticismo entre algumas instituições, como o JPMorgan, sobre as chances de aprovação de reformas estruturais no Brasil. Para o banco americano, a reforma administrativa e a tributária não devem passar este ano. O novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) parecem estar mais empenhados, no curto prazo, com a vacinação no Brasil e em conceder algum tipo de auxílio emergencial, observa o banco americano.

No exterior, o destaque mais cedo foi o juro da T-bond de 30 anos, que atingiu a marca de 2% no mercado de Treasuries, pela primeira vez em quase um ano, enquanto a curva de rendimentos da T-note de dois anos com a de 10 anos se inclinou ao maior nível desde 2017. Às 9h16, o juro do T-Bond de 30 anos desacelerava a 1,9913%; a taxa do T-note dois anos estava em 0,1052% e a do T-Note 10 anos, em 1,1904%.

Às 9h21 desta segunda-feira, o dólar à vista subia 0,55%, a R$ 5,4130. O dólar para março ganhava 0,76%, a R$ 5,4150.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com pacote dos EUA e agenda do Congresso no radar


08/02/2021 | 09:45


O dólar opera em alta no exterior e ante o real, com investidores globais na esperança de um acordo em torno do pacote fiscal dos EUA e, aqui, de olho no andamento da agenda de votações do Congresso e suas implicações para o problema fiscal do País.

Uma reunião no fim da tarde de hoje entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o relator do projeto que dá autonomia ao BC, Silvio Costa Neto (Republicanos-PE), na residência oficial de Lira, fica no radar. O relator apresentou parecer favorável à aprovação do texto, que já foi aprovado pelo Senado.

O PL concede mandatos fixos de 4 anos ao presidente e diretores da instituição, mantém o controle da inflação como objetivo central, mas inclui como metas acessórias suavizar flutuações do nível da atividade econômica e fomentar o pleno emprego. O projeto integra a lista de prioridades da agenda econômica do governo.

Contudo, há ceticismo entre algumas instituições, como o JPMorgan, sobre as chances de aprovação de reformas estruturais no Brasil. Para o banco americano, a reforma administrativa e a tributária não devem passar este ano. O novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) parecem estar mais empenhados, no curto prazo, com a vacinação no Brasil e em conceder algum tipo de auxílio emergencial, observa o banco americano.

No exterior, o destaque mais cedo foi o juro da T-bond de 30 anos, que atingiu a marca de 2% no mercado de Treasuries, pela primeira vez em quase um ano, enquanto a curva de rendimentos da T-note de dois anos com a de 10 anos se inclinou ao maior nível desde 2017. Às 9h16, o juro do T-Bond de 30 anos desacelerava a 1,9913%; a taxa do T-note dois anos estava em 0,1052% e a do T-Note 10 anos, em 1,1904%.

Às 9h21 desta segunda-feira, o dólar à vista subia 0,55%, a R$ 5,4130. O dólar para março ganhava 0,76%, a R$ 5,4150.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;