Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

China aprova ampliação da vacinação com Coronavac no país

Divulgação/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Até então, apenas grupos de risco e prioritários, como médicos e funcionários do Estado, vinham sendo vacinados



06/02/2021 | 10:15


A China aprovou a ampliação dos grupos de pessoas que poderão ser vacinados no país com a Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac. Até então, apenas grupos de alto risco e prioritários, como médicos e funcionários do Estado, vinham sendo vacinados.

Em comunicado divulgado neste sábado, a Administração Nacional de Produtos Médicos chinesa informou que foi concedida aprovação "condicional" à Coronavac, o que significa que a vacina agora pode ser aplicada no público em geral, embora pesquisas ainda estejam em andamento. A Sinovac deverá apresentar dados de acompanhamento e relatórios de quaisquer efeitos adversos após a vacina ser vendida no mercado.

A Coronavac já foi vendida a pelo menos dez países. Na China, recebeu aprovação de emergência em julho do ano passado.

A vacina produzida pela Sinovac é a segunda do país a receber aprovação condicional. Em dezembro, o governo chinês autorizou a vacina da estatal Sinopharm. Tanto o produto da Sinovac quanto o da Sinopharm são vacinas inativadas de duas doses com tecnologia tradicional, que torna mais fácil o transporte e o armazenamento do que as vacinas da Pfizer, que requerem armazenamento em ambiente ultra frio.

Até o momento, a Sinovac divulgou apenas dados dos estágios 1 e 2 das pesquisas para sua vacina. As informações completas dos ensaios clínicos para o estágio 3, já realizados em países como Brasil, Chile, Indonésia e Turquia com 25 mil voluntários, serão divulgados posteriormente em um jornal revisado por outros pares, segundo o porta-voz da empresa, Pearson Liu. Autoridades de saúde globais avaliam que qualquer vacina com pelo menos 50% de eficácia é útil.

O México anunciou que duas fabricantes chinesas de vacinas contra covid-19, Sinovac e CanSino, apresentaram papeis para aprovação do uso no país. Na sexta-feira, o secretário mexicano de Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, informou que a vacina da CanSino havia sido "aplicada com sucesso" em testes e solicitado autorização. Mais tarde, o secretário adjunto de Saúde, Hugo Lopez-Gatell, esclareceu que a empresa havia apresentado apenas documentos "iniciais", que não eram resultados de testes da fase 3.

A CanSino não divulgou até o momento nenhuma taxa de eficácia estimada para usa vacina, de dose única, números que provavelmente serão exigidos pelo governo mexicano para aprovar o uso no país. A empresa realizou testes de fase 3 no México com 14.425 voluntários. Já as estimativas de eficácia da Sinovac variaram de um país para o outro, indo de 50,65% de prevenção de infecções a 100% na prevenção de casos graves.

O governo mexicano prometeu 8 milhões de doses da vacina da CanSino até março e tem se mostrado otimista com a injeção chinesa porque ela é relativamente fácil de manusear e será finalizada e engarrafada em uma fábrica no México. O país também aprovou recentemente a vacina russa Sputnik V, mas não receberá essa, ou mais doses da vacina Pfizer, até o fim deste mês. Foram recebidas apenas cerca de 760 mil doses da vacina Pfizer e destas, restam em torno de 60 mil. O México só conseguiu administrar doses até agora a metade do seu quadro médico que atua na linha da frente contra a doença.

Na sexta-feira, o país registrou 13.051 infecções confirmadas, que elevaram o número total a 1,91 milhão. Foram reportadas 1.368 mortes, de um total de 164.290. No entanto, como o México faz muito poucos testes, o número real de vítimas pode ser superior a 195 mil, segundo estimativas. Na cidade do México, a taxa de ocupação de hospitais passa de 80%.

Na Espanha, o governo reportou seu primeiro caso da variante brasileira de covid-19, identificada em um passageiro que chegou no país pelo aeroporto de Madri. Segundo o departamento regional de saúde da capital espanhola, o homem de 44 anos chegou do Brasil em 29 de janeiro e tinha um documento do teste PCR negativo, mas outro teste de anticorpos realizado no aeroporto deu positivo. O homem foi levado a um hospital da cidade, que mais tarde confirmou a infecção do homem pela variante.

Na última semana, a Espanha aumentou as restrições a voos provenientes do Brasil e da África do Sul, em virtude de variantes detectadas nesses países, assim como impôs restrições semelhantes ao Reino Unido. O país contabiliza um total de 2,941 milhões de casos e 61,386 mil mortes por covid-19, segundo a Universidade Johns Hopkins.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China aprova ampliação da vacinação com Coronavac no país

Até então, apenas grupos de risco e prioritários, como médicos e funcionários do Estado, vinham sendo vacinados


06/02/2021 | 10:15


A China aprovou a ampliação dos grupos de pessoas que poderão ser vacinados no país com a Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac. Até então, apenas grupos de alto risco e prioritários, como médicos e funcionários do Estado, vinham sendo vacinados.

Em comunicado divulgado neste sábado, a Administração Nacional de Produtos Médicos chinesa informou que foi concedida aprovação "condicional" à Coronavac, o que significa que a vacina agora pode ser aplicada no público em geral, embora pesquisas ainda estejam em andamento. A Sinovac deverá apresentar dados de acompanhamento e relatórios de quaisquer efeitos adversos após a vacina ser vendida no mercado.

A Coronavac já foi vendida a pelo menos dez países. Na China, recebeu aprovação de emergência em julho do ano passado.

A vacina produzida pela Sinovac é a segunda do país a receber aprovação condicional. Em dezembro, o governo chinês autorizou a vacina da estatal Sinopharm. Tanto o produto da Sinovac quanto o da Sinopharm são vacinas inativadas de duas doses com tecnologia tradicional, que torna mais fácil o transporte e o armazenamento do que as vacinas da Pfizer, que requerem armazenamento em ambiente ultra frio.

Até o momento, a Sinovac divulgou apenas dados dos estágios 1 e 2 das pesquisas para sua vacina. As informações completas dos ensaios clínicos para o estágio 3, já realizados em países como Brasil, Chile, Indonésia e Turquia com 25 mil voluntários, serão divulgados posteriormente em um jornal revisado por outros pares, segundo o porta-voz da empresa, Pearson Liu. Autoridades de saúde globais avaliam que qualquer vacina com pelo menos 50% de eficácia é útil.

O México anunciou que duas fabricantes chinesas de vacinas contra covid-19, Sinovac e CanSino, apresentaram papeis para aprovação do uso no país. Na sexta-feira, o secretário mexicano de Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, informou que a vacina da CanSino havia sido "aplicada com sucesso" em testes e solicitado autorização. Mais tarde, o secretário adjunto de Saúde, Hugo Lopez-Gatell, esclareceu que a empresa havia apresentado apenas documentos "iniciais", que não eram resultados de testes da fase 3.

A CanSino não divulgou até o momento nenhuma taxa de eficácia estimada para usa vacina, de dose única, números que provavelmente serão exigidos pelo governo mexicano para aprovar o uso no país. A empresa realizou testes de fase 3 no México com 14.425 voluntários. Já as estimativas de eficácia da Sinovac variaram de um país para o outro, indo de 50,65% de prevenção de infecções a 100% na prevenção de casos graves.

O governo mexicano prometeu 8 milhões de doses da vacina da CanSino até março e tem se mostrado otimista com a injeção chinesa porque ela é relativamente fácil de manusear e será finalizada e engarrafada em uma fábrica no México. O país também aprovou recentemente a vacina russa Sputnik V, mas não receberá essa, ou mais doses da vacina Pfizer, até o fim deste mês. Foram recebidas apenas cerca de 760 mil doses da vacina Pfizer e destas, restam em torno de 60 mil. O México só conseguiu administrar doses até agora a metade do seu quadro médico que atua na linha da frente contra a doença.

Na sexta-feira, o país registrou 13.051 infecções confirmadas, que elevaram o número total a 1,91 milhão. Foram reportadas 1.368 mortes, de um total de 164.290. No entanto, como o México faz muito poucos testes, o número real de vítimas pode ser superior a 195 mil, segundo estimativas. Na cidade do México, a taxa de ocupação de hospitais passa de 80%.

Na Espanha, o governo reportou seu primeiro caso da variante brasileira de covid-19, identificada em um passageiro que chegou no país pelo aeroporto de Madri. Segundo o departamento regional de saúde da capital espanhola, o homem de 44 anos chegou do Brasil em 29 de janeiro e tinha um documento do teste PCR negativo, mas outro teste de anticorpos realizado no aeroporto deu positivo. O homem foi levado a um hospital da cidade, que mais tarde confirmou a infecção do homem pela variante.

Na última semana, a Espanha aumentou as restrições a voos provenientes do Brasil e da África do Sul, em virtude de variantes detectadas nesses países, assim como impôs restrições semelhantes ao Reino Unido. O país contabiliza um total de 2,941 milhões de casos e 61,386 mil mortes por covid-19, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;