Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Música canadense? k.d. lang


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

19/05/2005 | 08:50


Esqueça a estridente brega-chique Céline Dion e a rebelde fabricada Avril Lavigne. Se é para ouvir uma voz canadense, que seja a de Kathryn Dawn Lang, ou simplesmente, k.d. lang. Assim, com letras minúsculas como ela faz questão desde que conquistou o direito de exigir o que bem entende no meio artístico.

E essa liberdade é reafirmada em seu último álbum, lançado no semestre passado lá fora e agora no Brasil. Hymns of the 49th Parallel faz um tributo a sua cidade natal, Vancouver, acompanhada em 11 canções por instrumentistas e compositores conterrâneos.

O disco começa com uma versão para piano e guitarra de After the Gold Rush, de Neil Young. Segue, sempre cool, com Helpless, também de Young. Outro canadense famoso Joni Mitchell é requisitado nas duas faixas seguintes A Case of You e Jericho. Há espaço para lang divulgar gente menos conhecida, como Jane Siberry (The Valley). Outros convidados: Leonard Cohen (Hallelujah e Bird) e Bruce Cockburn. Lang assina com o baixista David Piltch a inédita Simple.

O disco, além de prazeroso, é uma bela porta de entrada para o trabalho de artistas daquele país gelado, que apesar de universal, guarda uma singularidade: o primor pelo bem-feito.

Até o pop canadense sempre estará um degrau em refinamento acima do que se faz no vizinho, os Estados Unidos. O que talvez explique isso seja a própria essência do Canadá, forjada por colonizadores ingleses e franceses, e tolerante às diversidades a ponto de incorporá-las.

A trajetória de lang é emblemática. Do punk industrial que produzia na adolescência ela aprendeu a respeitar o country, gênero que soube ler, refinar e que a tornou conhecida em todo o mundo. Como talento não lhe falta também foi recebida pelo jazz. Canta bem o que for bom. “k.d. lang é a maior cantora de sua geração, a maior desde Judy Garland”, declarou Tonny Bennet, o maior crooner da América desde a morte de Sinatra.

Para encerrar as apresentações algo que a aproxima do nosso universo. Na platéia de sua única apresentação no Brasil, no Tim Festival, em 2003, estavam, boquiabertas, Marisa Monte, Zélia Duncan e Daniela Mercury. Saíram todas impressionadíssimas com sua agradável presença de palco.

Outro aspecto da diversidade de lang é sua opção sexual, ou melhor, o momento em que a assumiu publicamente. De cabelo escovinha, visual andrógino, mas sóbrio (terno bem cortado, camisa desabotoada), ela escolheu justamente o auge de sua popularidade no country para assumir sua homossexualidade. Foi um golpe para o público, mas para ela tudo estava resolvido desde os 17 anos, como gosta de declarar. Talvez tenha sido uma forma de reafirmar-se em um meio que lhe rendeu alguns Grammy, mas momentos intragáveis, como participações em shows para lá de bregas.

Acabou virando a cantora preferida das lésbicas descoladas e mais velhas. Hoje, aos 43 anos, a vegetariana rejeita bandeiras e prefere militar pelos direitos dos animais.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;