Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Quando for momento, dedo estará no gatilho para vender parte na BR, diz Petrobras



28/01/2021 | 13:19


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, elogiou a escolha do atual presidente demissionário da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., para a presidência da BR Distribuidora, empresa que foi privatizada em 2019, mas que ainda possui uma participação de 37% da estatal. A Petrobras já manifestou intenção de vender a totalidade da sua fatia na empresa, mas aguarda por melhores condições de mercado.

"No momento que nós acharmos que as condições do mercado são favoráveis estamos com o dedo no gatilho para vender", disse o executivo. "Nós não queremos ficar como acionistas da BR, queremos ela com cliente", completou.

"Eu fico feliz com a decisão do Conselho da BR ter convidado o Wilson Ferreira Jr. para ser o novo presidente da BR, ele é um profissional conhecido e muito bom. E o mercado concorda comigo, dada a reação dos preços da BR", afirmou Castello Branco em evento do Credit Suisse. "No momento que nós acharmos que as condições do mercado são favoráveis estamos com o dedo no gatilho para vender", disse o executivo. "Nós não queremos ficar como acionistas da BR, queremos ela com cliente", completou.

Ele lembrou que após a privatização, os preços das ações da BR Distribuidora tiveram uma queda forte e depois ficaram estagnados, o que levou a Petrobras a suspender qualquer iniciativa para a venda dos papéis.

Já na Braskem, controlada pela Odebrecht, o executivo disse que o caso "é muito mais complicado",porque a Petrobras perdeu a oportunidade de vender a Braskem no início de 2019, "com tudo certo. uma proposta firme de compra", mas que problemas com o sócio da companhia inviabilizaram o negócio. "Nossa proposta é listar as ações da Braskem no Novo Mercado e vender as ações através do mercado de capitais. Mas, a gente tem encontrado obstáculos por parte do nosso sócio na Braskem,que é o controlador (Odebrecht), e o negócio não tem andado", informou.

Ele afirmou que contava em resolver a situação até o final de 2020, mas houve mudança na gestão da empresa e as dificuldades continuaram. "É mais uma daquelas heranças do passado que tem nos dado muito trabalho", concluiu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quando for momento, dedo estará no gatilho para vender parte na BR, diz Petrobras


28/01/2021 | 13:19


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, elogiou a escolha do atual presidente demissionário da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., para a presidência da BR Distribuidora, empresa que foi privatizada em 2019, mas que ainda possui uma participação de 37% da estatal. A Petrobras já manifestou intenção de vender a totalidade da sua fatia na empresa, mas aguarda por melhores condições de mercado.

"No momento que nós acharmos que as condições do mercado são favoráveis estamos com o dedo no gatilho para vender", disse o executivo. "Nós não queremos ficar como acionistas da BR, queremos ela com cliente", completou.

"Eu fico feliz com a decisão do Conselho da BR ter convidado o Wilson Ferreira Jr. para ser o novo presidente da BR, ele é um profissional conhecido e muito bom. E o mercado concorda comigo, dada a reação dos preços da BR", afirmou Castello Branco em evento do Credit Suisse. "No momento que nós acharmos que as condições do mercado são favoráveis estamos com o dedo no gatilho para vender", disse o executivo. "Nós não queremos ficar como acionistas da BR, queremos ela com cliente", completou.

Ele lembrou que após a privatização, os preços das ações da BR Distribuidora tiveram uma queda forte e depois ficaram estagnados, o que levou a Petrobras a suspender qualquer iniciativa para a venda dos papéis.

Já na Braskem, controlada pela Odebrecht, o executivo disse que o caso "é muito mais complicado",porque a Petrobras perdeu a oportunidade de vender a Braskem no início de 2019, "com tudo certo. uma proposta firme de compra", mas que problemas com o sócio da companhia inviabilizaram o negócio. "Nossa proposta é listar as ações da Braskem no Novo Mercado e vender as ações através do mercado de capitais. Mas, a gente tem encontrado obstáculos por parte do nosso sócio na Braskem,que é o controlador (Odebrecht), e o negócio não tem andado", informou.

Ele afirmou que contava em resolver a situação até o final de 2020, mas houve mudança na gestão da empresa e as dificuldades continuaram. "É mais uma daquelas heranças do passado que tem nos dado muito trabalho", concluiu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;