Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Guedes ironiza pressão por impeachment e fala em 'sabotagem à democracia'

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/01/2021 | 11:43


Diante da crescente pressão pelo impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou qualquer tentativa de afastamento do chefe do Executivo a uma "sabotagem" à democracia brasileira. "Isso é uma tentativa de descredenciamento, uma sabotagem à democracia brasileira. O presidente foi eleito com 60 milhões de votos, é um homem popular, e todo dia desde o início, tem conversa, primeiro impeachment porque derrubou um passarinho, depois é impeachment porque deu um tapa na cabeça da ema, depois é impeachment porque teve um assassinato lá no Maranhão, depois é impeachment porque morreu um indígena, agora é impeachment... isso é um descredenciamento da democracia brasileira", disse Guedes em evento promovido pelo Credit Suisse.

O ministro da Economia chegou a dizer que a insistência no afastamento do presidente pode atrapalhar a retomada do crescimento brasileiro. "Se continuarmos brigando para ganhar eleição, propondo impeachment, será difícil crescer".

No último fim de semana, diversas capitais registraram carreatas pelo impeachment de Bolsonaro. No Congresso, o movimento também ganha adeptos.

Além de 57 pedidos de afastamento que já estão na gaveta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à espera de apreciação, a gestão do governo no combate à crise da covid-19 tem incitado novos pedidos.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), líderes evangélicos e católicos vão aumentar essa pressão e, em um movimento que será apresentado como uma "frente de fé", um grupo de religiosos formalizará nesta terça um pedido de afastamento de Bolsonaro. O argumento é que o presidente foi negligente na condução da pandemia de covid-19, agravando a crise.

Ainda no evento, Guedes emendou críticas indiretas a Maia, com quem já travou diversos embates públicos. "Tem um pessoal que se diz democrata, mas não sabe perder eleição. Acreditar que precisa se eleger quatro vezes seguidas é achar que presidente (Bolsonaro) pode também", afirmou o ministro, em referência à tentativa, sem sucesso, do atual presidente da Câmara de buscar respaldo legal para se reeleger ao comando da Casa

"Tem que saber perder a eleição, espera a próxima, pega a senha e tenta ganhar", disse Guedes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guedes ironiza pressão por impeachment e fala em 'sabotagem à democracia'


26/01/2021 | 11:43


Diante da crescente pressão pelo impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou qualquer tentativa de afastamento do chefe do Executivo a uma "sabotagem" à democracia brasileira. "Isso é uma tentativa de descredenciamento, uma sabotagem à democracia brasileira. O presidente foi eleito com 60 milhões de votos, é um homem popular, e todo dia desde o início, tem conversa, primeiro impeachment porque derrubou um passarinho, depois é impeachment porque deu um tapa na cabeça da ema, depois é impeachment porque teve um assassinato lá no Maranhão, depois é impeachment porque morreu um indígena, agora é impeachment... isso é um descredenciamento da democracia brasileira", disse Guedes em evento promovido pelo Credit Suisse.

O ministro da Economia chegou a dizer que a insistência no afastamento do presidente pode atrapalhar a retomada do crescimento brasileiro. "Se continuarmos brigando para ganhar eleição, propondo impeachment, será difícil crescer".

No último fim de semana, diversas capitais registraram carreatas pelo impeachment de Bolsonaro. No Congresso, o movimento também ganha adeptos.

Além de 57 pedidos de afastamento que já estão na gaveta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à espera de apreciação, a gestão do governo no combate à crise da covid-19 tem incitado novos pedidos.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), líderes evangélicos e católicos vão aumentar essa pressão e, em um movimento que será apresentado como uma "frente de fé", um grupo de religiosos formalizará nesta terça um pedido de afastamento de Bolsonaro. O argumento é que o presidente foi negligente na condução da pandemia de covid-19, agravando a crise.

Ainda no evento, Guedes emendou críticas indiretas a Maia, com quem já travou diversos embates públicos. "Tem um pessoal que se diz democrata, mas não sabe perder eleição. Acreditar que precisa se eleger quatro vezes seguidas é achar que presidente (Bolsonaro) pode também", afirmou o ministro, em referência à tentativa, sem sucesso, do atual presidente da Câmara de buscar respaldo legal para se reeleger ao comando da Casa

"Tem que saber perder a eleição, espera a próxima, pega a senha e tenta ganhar", disse Guedes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;