Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

INCC acelera a 0,93% em janeiro alta alta de 0,88% em dezembro, diz FGV



26/01/2021 | 09:53


O Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) avançou 0,93% em janeiro, uma aceleração ante dezembro, quando teve alta de 0,88%, informou nesta terça-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Agora, o indicador acumula elevação de 9,39% em 12 meses. Em janeiro do ano passado, a variação foi positiva em 0,26%, e o acumulado de 12 meses era de 3,99%.

O grupo Materiais, Equipamentos e Serviços registrou expansão de 1,26% no primeiro mês de 2021 (variação de 16,86% em 12 meses), desacelerando em relação ao índice de dezembro, que ficou em 1,76%.

O índice referente a Materiais e Equipamentos subiu 1,43% neste mês, vindo de alta de 2,08% em dezembro. A FGV informou que dois dos quatro subgrupos componentes registraram desaceleração em janeiro, com destaque para materiais para estrutura (2,94% para 1,48%).

Em Serviços, a taxa passou de 0,38% em dezembro para 0,48% em janeiro, sob influência do item taxas de serviços e licenciamentos, que foi de estagnação (0,00%) para alta de 1,22%

Já o grupo Mão de Obra ganhou tração: passou de 0,06% em dezembro para 0,61% em janeiro, e acumulou 3,07% nos últimos 12 meses.

Maiores influências

As maiores influências de alta no INCC de janeiro vieram de vergalhões e arames de aço ao carbono (4,57% para 3,29%), tubos e conexões de ferro e aço (6,08% para 5,15%), ajudante especializado (0,07% para 0,57%), servente (0,02% para 0,67%) e elevador (0,92% para 1,63%).

A maior influência negativa ficou com cimento portland comum, que foi de 2,68% em dezembro para -0,43% nesta leitura.

Capitais

Das sete capitais brasileiras onde são feitas as pesquisas de preços, somente uma, Belo Horizonte, registrou acréscimo na taxa de janeiro (3,01%) ante dezembro (0,88%).

Houve desaceleração nas taxas de Salvador (1,17% para 1,09%), Brasília (0,64% para 0,42%), Recife (0,89% para 0,77%), Rio de Janeiro (0,94% para 0,79%), Porto Alegre (1,29% para 0,93%) e São Paulo (0,76% para 0,53%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

INCC acelera a 0,93% em janeiro alta alta de 0,88% em dezembro, diz FGV


26/01/2021 | 09:53


O Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) avançou 0,93% em janeiro, uma aceleração ante dezembro, quando teve alta de 0,88%, informou nesta terça-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Agora, o indicador acumula elevação de 9,39% em 12 meses. Em janeiro do ano passado, a variação foi positiva em 0,26%, e o acumulado de 12 meses era de 3,99%.

O grupo Materiais, Equipamentos e Serviços registrou expansão de 1,26% no primeiro mês de 2021 (variação de 16,86% em 12 meses), desacelerando em relação ao índice de dezembro, que ficou em 1,76%.

O índice referente a Materiais e Equipamentos subiu 1,43% neste mês, vindo de alta de 2,08% em dezembro. A FGV informou que dois dos quatro subgrupos componentes registraram desaceleração em janeiro, com destaque para materiais para estrutura (2,94% para 1,48%).

Em Serviços, a taxa passou de 0,38% em dezembro para 0,48% em janeiro, sob influência do item taxas de serviços e licenciamentos, que foi de estagnação (0,00%) para alta de 1,22%

Já o grupo Mão de Obra ganhou tração: passou de 0,06% em dezembro para 0,61% em janeiro, e acumulou 3,07% nos últimos 12 meses.

Maiores influências

As maiores influências de alta no INCC de janeiro vieram de vergalhões e arames de aço ao carbono (4,57% para 3,29%), tubos e conexões de ferro e aço (6,08% para 5,15%), ajudante especializado (0,07% para 0,57%), servente (0,02% para 0,67%) e elevador (0,92% para 1,63%).

A maior influência negativa ficou com cimento portland comum, que foi de 2,68% em dezembro para -0,43% nesta leitura.

Capitais

Das sete capitais brasileiras onde são feitas as pesquisas de preços, somente uma, Belo Horizonte, registrou acréscimo na taxa de janeiro (3,01%) ante dezembro (0,88%).

Houve desaceleração nas taxas de Salvador (1,17% para 1,09%), Brasília (0,64% para 0,42%), Recife (0,89% para 0,77%), Rio de Janeiro (0,94% para 0,79%), Porto Alegre (1,29% para 0,93%) e São Paulo (0,76% para 0,53%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;