Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Queda na arrecadação federal preocupa especialistas da região

Em 2020, União registra retração de 3,75% em volume nominal na receita, resultado que liga sinal de alerta no Grande ABC


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

26/01/2021 | 00:06


Em ano de pandemia, a arrecadação federal de 2020 teve queda de 3,75% em termos nominais na comparação com 2019, redução que chega a 6,91% nos valores reais, ou seja, corrigidos pela inflação. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o resultado é considerado “excelente” (leia mais abaixo), mas para especialistas, apesar da expectativa anterior ser de queda ainda maior, os dados mostram a falta de medidas governamentais e acenam para uma situação ainda pior no Grande ABC.

Para o economista e professor coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição, os dados reforçam os efeitos da crise sanitária causada pela pandemia de Covid-19 nas políticas governamentais “que já vinham travando a economia antes”, e que só deve ser revertida quando ocorrer a vacinação em massa da população.

O economista afirma que os impacros foram ainda mais fortes na região. Isso porque a indústria local já vinha sofrendo perdas, inclusive no setor automotivo, do qual as cidades são extremamente dependentes.

“Acredito que a perda de arrecadação foi maior no Grande ABC porque culminou com a saída da Ford (que em 2019 fechou a fábrica de caminhões em São Bernardo e no início deste ano anunciou a saída do Brasil) se concretizando e a queda do setor industrial, o que paga os salários mais altos. Boa parte dessas empresas optou pela redução salarial e isso interferiu nos percentuais de arrecadação”, analisou.

O coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, também chamou a atenção para o impacto na redução de investimentos, o que é um desafio para o poder público nos próximos anos. “Isso lança o desafio de como financiar essas perdas e a região também sente, porque impacta na arrecadação. Algumas prefeituras da região já vinham com dificuldades fiscais antes do período da pandemia. Agora é um desafio para os novos prefeitos, e também para aqueles que foram reeleitos, trabalhar com esse cenário, o que pode prejudicar investimento em áreas primordiais como a saúde e educação”, argumentou.

MOVIMENTO EM ‘W’
Para o coordenador do Conjuscs, a situação só não foi pior por causa do pagamento do auxílio emergencial, que, com cinco parcelas de R$ 600 e quatro de R$ 300, ajudou a injetar recursos na economia. “Algumas contradições foram verificadas em 2020. Ao mesmo tempo em que falávamos de crise, não foram implementadas medidas, como aumentar a tabela do Imposto de Renda, o que ajudaria na arrecadação”, apontou.

Ele destaca também as oscilações causadas pela crise. “A economia viveu movimento de ‘W’ (alternância de crescimento e retração) ao longo do ano passado, com fechamento de atividades por causa da pandemia. O que causou desaceleração e depois teve a liberação com retomada das atividades. Com o surgimento de novos casos graves (de Covid-19), estamos vivendo uma nova fase de desaceleração e isso se reflete na arrecadação”, declarou. 

Paulo Guedes afirma que desempenho foi ‘excelente’

A queda na arrecadação federal em 2020 pode ser considerada “resultado excelente”, diante das estimativas do início da pandemia de Covid-19, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ao comentar a arrecadação do ano passado, que caiu 3,75% em termos nominais e 6,91% em valores corrigidos pela inflação, ele reafirmou que os números mostram que a economia está em recuperação.

Em rápido discurso na apresentação dos dados, o ministro lembrou que, em maio, a arrecadação chegou a cair 32% em relação ao mesmo mês do ano anterior, descontada a inflação. De lá para cá, ressaltou Guedes, as receitas do governo iniciaram um processo de recuperação até registrar crescimento de 3,18% na arrecadação de dezembro, quando comparada com dezembro de 2019.

“A arrecadação é um dos indicadores do ritmo de crescimento da economia brasileira. A economia brasileira voltou em ‘V’ (forte queda seguida de forte alta)”, declarou o ministro. Guedes acrescentou que a recuperação econômica se expressará de forma mais intensa no emprego formal, dizendo acreditar que o resultado do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), a ser divulgado na quinta-feira, mostrará que as perdas de vagas com carteira assinada no início da pandemia foram revertidas.

Sobre o diferimento (adiamento) de cerca de R$ 85 bilhões em tributos concedidos durante a pandemia, o ministro disse que o governo federal recuperou mais de R$ 60 bilhões. Na avaliação de Guedes, essas medidas ajudaram a enfrentar a pandemia e estimularam a recuperação da atividade econômica.

A Receita divulgou estimativa de que faltam R$ 20,8 bilhões para serem recuperados, mas Guedes explicou, sem dar detalhes, que a diferença deverá ficar em torno de R$ 8 bilhões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Queda na arrecadação federal preocupa especialistas da região

Em 2020, União registra retração de 3,75% em volume nominal na receita, resultado que liga sinal de alerta no Grande ABC

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

26/01/2021 | 00:06


Em ano de pandemia, a arrecadação federal de 2020 teve queda de 3,75% em termos nominais na comparação com 2019, redução que chega a 6,91% nos valores reais, ou seja, corrigidos pela inflação. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o resultado é considerado “excelente” (leia mais abaixo), mas para especialistas, apesar da expectativa anterior ser de queda ainda maior, os dados mostram a falta de medidas governamentais e acenam para uma situação ainda pior no Grande ABC.

Para o economista e professor coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição, os dados reforçam os efeitos da crise sanitária causada pela pandemia de Covid-19 nas políticas governamentais “que já vinham travando a economia antes”, e que só deve ser revertida quando ocorrer a vacinação em massa da população.

O economista afirma que os impacros foram ainda mais fortes na região. Isso porque a indústria local já vinha sofrendo perdas, inclusive no setor automotivo, do qual as cidades são extremamente dependentes.

“Acredito que a perda de arrecadação foi maior no Grande ABC porque culminou com a saída da Ford (que em 2019 fechou a fábrica de caminhões em São Bernardo e no início deste ano anunciou a saída do Brasil) se concretizando e a queda do setor industrial, o que paga os salários mais altos. Boa parte dessas empresas optou pela redução salarial e isso interferiu nos percentuais de arrecadação”, analisou.

O coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, também chamou a atenção para o impacto na redução de investimentos, o que é um desafio para o poder público nos próximos anos. “Isso lança o desafio de como financiar essas perdas e a região também sente, porque impacta na arrecadação. Algumas prefeituras da região já vinham com dificuldades fiscais antes do período da pandemia. Agora é um desafio para os novos prefeitos, e também para aqueles que foram reeleitos, trabalhar com esse cenário, o que pode prejudicar investimento em áreas primordiais como a saúde e educação”, argumentou.

MOVIMENTO EM ‘W’
Para o coordenador do Conjuscs, a situação só não foi pior por causa do pagamento do auxílio emergencial, que, com cinco parcelas de R$ 600 e quatro de R$ 300, ajudou a injetar recursos na economia. “Algumas contradições foram verificadas em 2020. Ao mesmo tempo em que falávamos de crise, não foram implementadas medidas, como aumentar a tabela do Imposto de Renda, o que ajudaria na arrecadação”, apontou.

Ele destaca também as oscilações causadas pela crise. “A economia viveu movimento de ‘W’ (alternância de crescimento e retração) ao longo do ano passado, com fechamento de atividades por causa da pandemia. O que causou desaceleração e depois teve a liberação com retomada das atividades. Com o surgimento de novos casos graves (de Covid-19), estamos vivendo uma nova fase de desaceleração e isso se reflete na arrecadação”, declarou. 

Paulo Guedes afirma que desempenho foi ‘excelente’

A queda na arrecadação federal em 2020 pode ser considerada “resultado excelente”, diante das estimativas do início da pandemia de Covid-19, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ao comentar a arrecadação do ano passado, que caiu 3,75% em termos nominais e 6,91% em valores corrigidos pela inflação, ele reafirmou que os números mostram que a economia está em recuperação.

Em rápido discurso na apresentação dos dados, o ministro lembrou que, em maio, a arrecadação chegou a cair 32% em relação ao mesmo mês do ano anterior, descontada a inflação. De lá para cá, ressaltou Guedes, as receitas do governo iniciaram um processo de recuperação até registrar crescimento de 3,18% na arrecadação de dezembro, quando comparada com dezembro de 2019.

“A arrecadação é um dos indicadores do ritmo de crescimento da economia brasileira. A economia brasileira voltou em ‘V’ (forte queda seguida de forte alta)”, declarou o ministro. Guedes acrescentou que a recuperação econômica se expressará de forma mais intensa no emprego formal, dizendo acreditar que o resultado do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), a ser divulgado na quinta-feira, mostrará que as perdas de vagas com carteira assinada no início da pandemia foram revertidas.

Sobre o diferimento (adiamento) de cerca de R$ 85 bilhões em tributos concedidos durante a pandemia, o ministro disse que o governo federal recuperou mais de R$ 60 bilhões. Na avaliação de Guedes, essas medidas ajudaram a enfrentar a pandemia e estimularam a recuperação da atividade econômica.

A Receita divulgou estimativa de que faltam R$ 20,8 bilhões para serem recuperados, mas Guedes explicou, sem dar detalhes, que a diferença deverá ficar em torno de R$ 8 bilhões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;