Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

São Paulo, aos 467 anos, chega perto dos 12 milhões de habitantes


Wilson Marini
Da APJ

25/01/2021 | 13:45


Ao comemorar seu 467º aniversário nesta segunda-feira (25), a capital paulista conta com uma população estimada de 11,9 milhões de habitantes e o perfil de maior cidade da América Latina. Os quase 12 milhões de residentes representam 26,6% da população estadual e 5,6% do total do país. São Paulo tornou-se a maior cidade do Brasil em 1960, quando superou o Rio de Janeiro, até então a capital. Atualmente, São Paulo é uma cidade mais populosa que Portugal e Grécia, equivalente à Bélgica e Bolívia e comparável aos estados do Paraná e Rio Grande do Sul. Em cem anos, sua população aumentou 20 vezes: crescia 4,0% ao ano na década de 1920, atingiu o máximo nos anos 1950 (5,6% a.a.) e agora ainda cresce, mas em ritmo mais suave de 0,5% a.a.

Estabilidade
A Fundação Seade projeta crescimento de seis vezes em 100 anos, passando de 2 milhões de pessoas, em 1950, para 12 milhões, em 2050. O maior crescimento ocorreu na década de 1950, quando chegou a 5,6% ao ano. Após 1980 houve expressiva redução nas taxas de crescimento populacional. A tendência futura indica declínio contínuo no ritmo de crescimento, até se tornar negativo entre 2040/2050, mas ainda assim a cidade deverá manter na metade do século o seu tamanho atual na faixa dos 12 milhões de pessoas.

Migração
A migração foi um componente relevante no crescimento da população paulistana até a década de 1970, quando a cidade atraía grande levas de habitantes de várias partes do país e do exterior. O saldo vegetativo (nascimentos menos óbitos) se manteve positivo durante todo esse período de crescimento, havendo redução depois da década de 1990.

Nascimentos
Em 1920, nasceram 19,7 mil bebês em São Paulo. O maior número de nascimentos ocorreu em 1982 (256,3 mil) e hoje esse número se aproxima de 160 mil/ano. Já o volume de óbitos foi crescente em todo período: de 10,6 mil no começo do século 20, e de 78 mil por ano atualmente. A idade média dos paulistanos aumentou 12 anos, passando de 24,6 para 36,7 anos, entre 1920 e 2021.

Mulheres predominam
A parcela feminina é majoritária, com proporção de 110 mulheres para cada 100 homens. A composição etária define um padrão adulto, com as maiores concentrações entre 30 e 44 anos. A população com até 15 anos de idade representa 19% do total e a com idades superiores a 65 anos concentra 11% dos residentes na capital.

Envelhecimento e mortalidade infantil
A composição etária da metrópole se alterou nos últimos cem anos, com a participação dos menores de 15 anos se reduzindo à metade e quadruplicando a dos maiores de 60 anos. Decisiva nessa mudança foi a queda na taxa de natalidade, que passou de 34 para 13 nascimentos por mil habitantes, nesse período, acompanhada de expressiva redução da mortalidade em todas as faixas etárias, sobretudo na mortalidade infantil: de 176 para 11 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos, em decorrência da melhoria das condições de saúde, como as vacinas.

Idosos no centro
As maiores concentrações da população com 60 anos e mais estão na região central, destacando-se Alto de Pinheiros com 29,2% de seus residentes nessa faixa etária. Os distritos Sé e Brás contam com 11,7% e 13,8% de idosos, respectivamente. As menores proporções aparecem nas regiões periféricas, sendo o menor valor em Anhanguera (9,1%).

Investimentos no Vale
A prefeitura de São José dos Campos anunciou o lançamento do Programa de Parcerias Privadas (PPI) que prevê, com 10 projetos, investimento de cerca de R$ 500 milhões no município por meio de parcerias com a iniciativa privada. A informação é de O Vale, da Rede APJ (Associação Paulista de Portais e Jornais). Inicialmente, devem ser disponibilizados 10 projetos: usina para geração de energia renovável fotovoltaica para abastecimento da Linha Verde e de prédios públicos; o aeroporto Professor Ernesto Stumpf; centro de convenções; o novo transporte público, incluindo a Linha Verde; a Arena Poliesportiva; o Estádio Martins Pereira; o Parque Roberto Burle Marx; Bilhete Único; Sistema de Gestão Financeira do Transporte Público e estacionamentos subterrâneos.

Investimento
A rede Benassi SP inicia o ano com novos pontos de venda. Desde novembro do ano passado foram inauguradas oito lojas e há mais duas no previstas para iniciar suas operações: o atacadista Maxxi em Itu, que será inaugurado no dia 28 de janeiro, e o Barbosa, na capital, em fevereiro. O grupo supermercadista está presente em mais de 200 lojas no Estado de São Paulo,

Inteligência na agricultura
A empresa Adroit Robotics, uma startup brasileira, desenvolveu especialmente para a citricultura, a tecnologia LeafSense, que combina inteligência artificial e sensores inteligentes. O objetivo é permitir aos produtores aplicar agricultura de precisão nos pomares, otimizando a produtividade e reduzindo custos. Os sensores capturam imagens de altíssima resolução, com uma visão frontal da árvore, analisam frutos e árvores um a um e entregam análises de produtividade e saúde do pomar. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Paulo, aos 467 anos, chega perto dos 12 milhões de habitantes

Wilson Marini
Da APJ

25/01/2021 | 13:45


Ao comemorar seu 467º aniversário nesta segunda-feira (25), a capital paulista conta com uma população estimada de 11,9 milhões de habitantes e o perfil de maior cidade da América Latina. Os quase 12 milhões de residentes representam 26,6% da população estadual e 5,6% do total do país. São Paulo tornou-se a maior cidade do Brasil em 1960, quando superou o Rio de Janeiro, até então a capital. Atualmente, São Paulo é uma cidade mais populosa que Portugal e Grécia, equivalente à Bélgica e Bolívia e comparável aos estados do Paraná e Rio Grande do Sul. Em cem anos, sua população aumentou 20 vezes: crescia 4,0% ao ano na década de 1920, atingiu o máximo nos anos 1950 (5,6% a.a.) e agora ainda cresce, mas em ritmo mais suave de 0,5% a.a.

Estabilidade
A Fundação Seade projeta crescimento de seis vezes em 100 anos, passando de 2 milhões de pessoas, em 1950, para 12 milhões, em 2050. O maior crescimento ocorreu na década de 1950, quando chegou a 5,6% ao ano. Após 1980 houve expressiva redução nas taxas de crescimento populacional. A tendência futura indica declínio contínuo no ritmo de crescimento, até se tornar negativo entre 2040/2050, mas ainda assim a cidade deverá manter na metade do século o seu tamanho atual na faixa dos 12 milhões de pessoas.

Migração
A migração foi um componente relevante no crescimento da população paulistana até a década de 1970, quando a cidade atraía grande levas de habitantes de várias partes do país e do exterior. O saldo vegetativo (nascimentos menos óbitos) se manteve positivo durante todo esse período de crescimento, havendo redução depois da década de 1990.

Nascimentos
Em 1920, nasceram 19,7 mil bebês em São Paulo. O maior número de nascimentos ocorreu em 1982 (256,3 mil) e hoje esse número se aproxima de 160 mil/ano. Já o volume de óbitos foi crescente em todo período: de 10,6 mil no começo do século 20, e de 78 mil por ano atualmente. A idade média dos paulistanos aumentou 12 anos, passando de 24,6 para 36,7 anos, entre 1920 e 2021.

Mulheres predominam
A parcela feminina é majoritária, com proporção de 110 mulheres para cada 100 homens. A composição etária define um padrão adulto, com as maiores concentrações entre 30 e 44 anos. A população com até 15 anos de idade representa 19% do total e a com idades superiores a 65 anos concentra 11% dos residentes na capital.

Envelhecimento e mortalidade infantil
A composição etária da metrópole se alterou nos últimos cem anos, com a participação dos menores de 15 anos se reduzindo à metade e quadruplicando a dos maiores de 60 anos. Decisiva nessa mudança foi a queda na taxa de natalidade, que passou de 34 para 13 nascimentos por mil habitantes, nesse período, acompanhada de expressiva redução da mortalidade em todas as faixas etárias, sobretudo na mortalidade infantil: de 176 para 11 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos, em decorrência da melhoria das condições de saúde, como as vacinas.

Idosos no centro
As maiores concentrações da população com 60 anos e mais estão na região central, destacando-se Alto de Pinheiros com 29,2% de seus residentes nessa faixa etária. Os distritos Sé e Brás contam com 11,7% e 13,8% de idosos, respectivamente. As menores proporções aparecem nas regiões periféricas, sendo o menor valor em Anhanguera (9,1%).

Investimentos no Vale
A prefeitura de São José dos Campos anunciou o lançamento do Programa de Parcerias Privadas (PPI) que prevê, com 10 projetos, investimento de cerca de R$ 500 milhões no município por meio de parcerias com a iniciativa privada. A informação é de O Vale, da Rede APJ (Associação Paulista de Portais e Jornais). Inicialmente, devem ser disponibilizados 10 projetos: usina para geração de energia renovável fotovoltaica para abastecimento da Linha Verde e de prédios públicos; o aeroporto Professor Ernesto Stumpf; centro de convenções; o novo transporte público, incluindo a Linha Verde; a Arena Poliesportiva; o Estádio Martins Pereira; o Parque Roberto Burle Marx; Bilhete Único; Sistema de Gestão Financeira do Transporte Público e estacionamentos subterrâneos.

Investimento
A rede Benassi SP inicia o ano com novos pontos de venda. Desde novembro do ano passado foram inauguradas oito lojas e há mais duas no previstas para iniciar suas operações: o atacadista Maxxi em Itu, que será inaugurado no dia 28 de janeiro, e o Barbosa, na capital, em fevereiro. O grupo supermercadista está presente em mais de 200 lojas no Estado de São Paulo,

Inteligência na agricultura
A empresa Adroit Robotics, uma startup brasileira, desenvolveu especialmente para a citricultura, a tecnologia LeafSense, que combina inteligência artificial e sensores inteligentes. O objetivo é permitir aos produtores aplicar agricultura de precisão nos pomares, otimizando a produtividade e reduzindo custos. Os sensores capturam imagens de altíssima resolução, com uma visão frontal da árvore, analisam frutos e árvores um a um e entregam análises de produtividade e saúde do pomar. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;