Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Biden amplia pressão por aval a pacote e diz ter apoio de governador republicano



22/01/2021 | 18:30


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ampliou a pressão para que o Congresso do país aprove seu pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão voltado ao combate à crise econômica. "Sem o pacote, haverá uma onda de despejos e execuções hipotecárias nos próximos meses. O atuais cheques de US$ 600 simplesmente não são suficientes", declarou o líder da Casa Branca nesta sexta-feira, 22. Ele disse já ter apoio de governadores democratas e republicamos para o aval à pauta.

De acordo com Biden, o pacote, se aprovado, vai tirar 12 milhões de norte-americanos da pobreza e criar 7,5 milhões de empregos apenas neste ano.

O democrata atribuiu as previsões à agência de classificação de risco Moody's. "Não vamos deixar as pessoas passarem fome ou perder o emprego. Vamos agir", clamou, em coletiva de imprensa. "Ninguém deveria trabalhar 40 horas por semana ganhando abaixo da linha da pobreza".

Biden citou dados de auxílio-desemprego informados na quinta-feira, 21, para dimensionar a crise econômica. Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, 900 mil pessoas requisitam o benefício no país.

Em seguida, o presidente norte-americano assinou decretos anunciados mais cedo pelo novo diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Brian Deese, para ajudar no combate à pobreza.

O governo elevou em 15% os benefícios de programa de assistência na compra de alimentos e aumentou o salário mínimo de servidores federais, também em um gesto de pressão sobre o Parlamento, que ainda precisa discutir - e votar - o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão.

Para além de discordâncias sobre o destino das verbas, alguns parlamentares, inclusive da base do governo, mostram desconforto com o pacote de Biden pelo seu impacto sobre a dívida pública americana.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) em reportagem especial, a relação dívida/PIB já supera os 130% nos EUA e, se mantiver trajetória ascendente, poder gerar dificuldades no financiamento público.

Na coletiva de imprensa da tarde desta sexta, Biden minimizou a questão. "Precisamos agir agora, a dívida pública vai se estabilizar no futuro", declarou. "Se agirmos agora, nossa economia ficará mais forte no curto e no longo prazo. É o que dizem economistas de esquerda, direita e centro", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Biden amplia pressão por aval a pacote e diz ter apoio de governador republicano


22/01/2021 | 18:30


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ampliou a pressão para que o Congresso do país aprove seu pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão voltado ao combate à crise econômica. "Sem o pacote, haverá uma onda de despejos e execuções hipotecárias nos próximos meses. O atuais cheques de US$ 600 simplesmente não são suficientes", declarou o líder da Casa Branca nesta sexta-feira, 22. Ele disse já ter apoio de governadores democratas e republicamos para o aval à pauta.

De acordo com Biden, o pacote, se aprovado, vai tirar 12 milhões de norte-americanos da pobreza e criar 7,5 milhões de empregos apenas neste ano.

O democrata atribuiu as previsões à agência de classificação de risco Moody's. "Não vamos deixar as pessoas passarem fome ou perder o emprego. Vamos agir", clamou, em coletiva de imprensa. "Ninguém deveria trabalhar 40 horas por semana ganhando abaixo da linha da pobreza".

Biden citou dados de auxílio-desemprego informados na quinta-feira, 21, para dimensionar a crise econômica. Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, 900 mil pessoas requisitam o benefício no país.

Em seguida, o presidente norte-americano assinou decretos anunciados mais cedo pelo novo diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Brian Deese, para ajudar no combate à pobreza.

O governo elevou em 15% os benefícios de programa de assistência na compra de alimentos e aumentou o salário mínimo de servidores federais, também em um gesto de pressão sobre o Parlamento, que ainda precisa discutir - e votar - o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão.

Para além de discordâncias sobre o destino das verbas, alguns parlamentares, inclusive da base do governo, mostram desconforto com o pacote de Biden pelo seu impacto sobre a dívida pública americana.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) em reportagem especial, a relação dívida/PIB já supera os 130% nos EUA e, se mantiver trajetória ascendente, poder gerar dificuldades no financiamento público.

Na coletiva de imprensa da tarde desta sexta, Biden minimizou a questão. "Precisamos agir agora, a dívida pública vai se estabilizar no futuro", declarou. "Se agirmos agora, nossa economia ficará mais forte no curto e no longo prazo. É o que dizem economistas de esquerda, direita e centro", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;