Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 9 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Bolsonaro diz que se vacina da AstraZeneca chegar hoje, amanhã segue para Estados



22/01/2021 | 12:14


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 22, que a distribuição da vacina Oxford/AstraZeneca aos Estados deve começar já amanhã caso o imunizante chegue hoje ao País. A previsão do governo é que 2 milhões de doses vindas da Índia sejam entregues no Aeroporto de Guarulhos (SP) nesta tarde e sigam para o Rio de Janeiro à noite. Em entrevista à imprensa na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro também voltou a colocar em dúvida a eficácia da vacina contra a covid-19.

"Pode ter certeza que a Aeronáutica está aí pronta para servir ao Brasil mais uma vez. E essa vacina (de Oxford/AstraZeneca) amanhã mesmo, se chegar hoje à noite, amanhã mesmo começa a chegar aos seus destinos", disse.

Após a garantia de entrega dos imunizantes, o chefe do Executivo voltou a dizer, de forma equivocada, que as vacinas não teriam comprovação científica. "O que eu tenho observado é que ainda tem muita gente que tem preocupação com a vacina. E deixo bem claro, ela é emergencial, eu não posso obrigar ninguém a tomar, como um governador um tempo atrás falou que ia obrigar. Eu não sou inconsequente a esse ponto", disse. Ao longo da pandemia, Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rivalizaram quanto à obrigatoriedade das imunizações. "Tem que ser voluntária, afinal de contas não está nada comprovado cientificamente com essa vacina", acrescentou.

No entanto, ao dar o aval para o uso emergencial das vacinas de Oxford/AstraZeneca e da Coronavac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse que há evidências robustas sobre a segurança destes produtos, que não apresentaram reações adversas graves. A agência aponta ainda incertezas sobre a eficácia, mas ressalta que o benefício do uso para amenizar a pandemia supera os riscos potenciais.

Na conversa com jornalistas, Bolsonaro comentou que as doses já entregues da vacina pelo País, referindo-se à Coronavac, foram distribuídas assim que a Anvisa aprovou o seu uso emergencial. "O pessoal diz que eu era contra a vacina. Eu era contra a vacina sem passar pela Anvisa. Passou pela Anvisa eu não tenho mais o que discutir, tenho que distribuir. E nós distribuímos no prazo programado e um dia antes", afirmou.

Sobre as negociações internacionais para a aquisição de insumos, o presidente disse que tem se reunido com autoridades, mas que as conversas são reservadas. "Obviamente, converso com autoridades, estive com o embaixador da Índia na semana passada. Também nosso ministro conversa com o embaixador da China entre outras autoridades, mas são conversas reservadas, lamento não poder divulgar a vocês."

Nesta manhã, Bolsonaro recebeu parlamentares membros da bancada ruralista, grupo do qual ele cobrou apoio na semana passada para o candidato do Planalto na eleição da Câmara dos Deputados. Segundo o presidente, "não existe Legislativo e Executivo isolados" e os dois Poderes trabalham em parceria. "Tudo o que vier a favor de nós atendermos o nosso povo no tocante à vacinação, eu agradeço", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro diz que se vacina da AstraZeneca chegar hoje, amanhã segue para Estados


22/01/2021 | 12:14


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 22, que a distribuição da vacina Oxford/AstraZeneca aos Estados deve começar já amanhã caso o imunizante chegue hoje ao País. A previsão do governo é que 2 milhões de doses vindas da Índia sejam entregues no Aeroporto de Guarulhos (SP) nesta tarde e sigam para o Rio de Janeiro à noite. Em entrevista à imprensa na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro também voltou a colocar em dúvida a eficácia da vacina contra a covid-19.

"Pode ter certeza que a Aeronáutica está aí pronta para servir ao Brasil mais uma vez. E essa vacina (de Oxford/AstraZeneca) amanhã mesmo, se chegar hoje à noite, amanhã mesmo começa a chegar aos seus destinos", disse.

Após a garantia de entrega dos imunizantes, o chefe do Executivo voltou a dizer, de forma equivocada, que as vacinas não teriam comprovação científica. "O que eu tenho observado é que ainda tem muita gente que tem preocupação com a vacina. E deixo bem claro, ela é emergencial, eu não posso obrigar ninguém a tomar, como um governador um tempo atrás falou que ia obrigar. Eu não sou inconsequente a esse ponto", disse. Ao longo da pandemia, Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rivalizaram quanto à obrigatoriedade das imunizações. "Tem que ser voluntária, afinal de contas não está nada comprovado cientificamente com essa vacina", acrescentou.

No entanto, ao dar o aval para o uso emergencial das vacinas de Oxford/AstraZeneca e da Coronavac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse que há evidências robustas sobre a segurança destes produtos, que não apresentaram reações adversas graves. A agência aponta ainda incertezas sobre a eficácia, mas ressalta que o benefício do uso para amenizar a pandemia supera os riscos potenciais.

Na conversa com jornalistas, Bolsonaro comentou que as doses já entregues da vacina pelo País, referindo-se à Coronavac, foram distribuídas assim que a Anvisa aprovou o seu uso emergencial. "O pessoal diz que eu era contra a vacina. Eu era contra a vacina sem passar pela Anvisa. Passou pela Anvisa eu não tenho mais o que discutir, tenho que distribuir. E nós distribuímos no prazo programado e um dia antes", afirmou.

Sobre as negociações internacionais para a aquisição de insumos, o presidente disse que tem se reunido com autoridades, mas que as conversas são reservadas. "Obviamente, converso com autoridades, estive com o embaixador da Índia na semana passada. Também nosso ministro conversa com o embaixador da China entre outras autoridades, mas são conversas reservadas, lamento não poder divulgar a vocês."

Nesta manhã, Bolsonaro recebeu parlamentares membros da bancada ruralista, grupo do qual ele cobrou apoio na semana passada para o candidato do Planalto na eleição da Câmara dos Deputados. Segundo o presidente, "não existe Legislativo e Executivo isolados" e os dois Poderes trabalham em parceria. "Tudo o que vier a favor de nós atendermos o nosso povo no tocante à vacinação, eu agradeço", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;