Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 9 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Justiça mantém suspensão de assembleia que definiria liquidante da Ceitec



22/01/2021 | 11:35


A Justiça Federal de Porto Alegre negou pedido de recurso da União e manteve a decisão que suspendeu a assembleia geral extraordinária que definiria o liquidante da Ceitec, estatal do chip do boi. A empresa foi extinta pelo governo federal, mas os funcionários tentam reverter a situação na Justiça.

Em sua decisão, a juíza Maria Isabel Klein, da 3º Vara Federal de Porto Alegre, ressalta a apuração do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a regularidade da desestatização da empresa. Segundo ela, ao contrário do que o governo alega, não há uma decisão conclusiva, apenas uma proposta de encaminhamento a ser submetida à ministra relatora do processo.

"Diante desse cenário, os argumentos expendidos no pedido de reconsideração não infirma os fundamentos da decisão proferida de suspensão da assembleia, ao contrário, os confirmam, na medida em que restou comprovado que não há decisão definitiva do TCU acerca do processo de desestatização do Ceitec", diz a decisão.

A assembleia geral estava prevista para acontecer no dia 13 de janeiro, mas foi impedida após decisão judicial. A ação popular foi ajuizada pelo advogado Luciano Pire Hannecker, com apoio da Associação dos Colaboradores da Ceitec (Acceitec).

Em sua primeira decisão, ao aceitar o pedido de liminar para suspender a reunião, a juíza afirmou que a "iminente liquidação da entidade é um ato potencialmente lesivo ao patrimônio público, que merece acurada análise pelo Poder Judiciário, nos limites da pretensão ora formulada".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça mantém suspensão de assembleia que definiria liquidante da Ceitec


22/01/2021 | 11:35


A Justiça Federal de Porto Alegre negou pedido de recurso da União e manteve a decisão que suspendeu a assembleia geral extraordinária que definiria o liquidante da Ceitec, estatal do chip do boi. A empresa foi extinta pelo governo federal, mas os funcionários tentam reverter a situação na Justiça.

Em sua decisão, a juíza Maria Isabel Klein, da 3º Vara Federal de Porto Alegre, ressalta a apuração do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a regularidade da desestatização da empresa. Segundo ela, ao contrário do que o governo alega, não há uma decisão conclusiva, apenas uma proposta de encaminhamento a ser submetida à ministra relatora do processo.

"Diante desse cenário, os argumentos expendidos no pedido de reconsideração não infirma os fundamentos da decisão proferida de suspensão da assembleia, ao contrário, os confirmam, na medida em que restou comprovado que não há decisão definitiva do TCU acerca do processo de desestatização do Ceitec", diz a decisão.

A assembleia geral estava prevista para acontecer no dia 13 de janeiro, mas foi impedida após decisão judicial. A ação popular foi ajuizada pelo advogado Luciano Pire Hannecker, com apoio da Associação dos Colaboradores da Ceitec (Acceitec).

Em sua primeira decisão, ao aceitar o pedido de liminar para suspender a reunião, a juíza afirmou que a "iminente liquidação da entidade é um ato potencialmente lesivo ao patrimônio público, que merece acurada análise pelo Poder Judiciário, nos limites da pretensão ora formulada".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;