Fechar
Publicidade

Domingo, 7 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Biden assina decretos para impulsionar vacinação e anuncia novas restrições

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/01/2021 | 17:36


O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou uma série de decretos - 10 no total - para impulsionar a vacinação contra a covid-19 e aumentar as restrições a viajantes que chegam ao país. Um dia após tomar posse, o democrata afirmou que a pandemia "ficará pior antes de melhorar" e previu que o número de mortes por coronavírus "provavelmente" ultrapassará 500 mil em fevereiro. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, mais de 408 mil americanos já morreram da doença.

Dentro as principais medidas, está a exigência de testes de covid-19 e quarentena para quem viajar de outros países aos Estados Unidos. "A saúde da nação está literalmente em jogo, não é uma hipérbole", declarou Biden.

O democrata também assinou um decreto para permitir que as agências governamentais usem a Lei de Defesa da Produção para acelerar a produção de vacinas.

Biden criticou a gestão de seu antecessor, Donald Trump. "No ano passado não pudemos contar com o governo federal", afirmou.

Segundo o novo presidente, apesar de o início da imunização contra a covid-19 ter trazido esperança, "o resto foi um fracasso sombrio".

Ecoando o tom de união adotado no discurso de posse, o democrata disse que pedirá ao Congresso a aprovação de mais recursos para a saúde. "Estamos em uma emergência nacional", declarou, ao clamar pelo apoio dos líderes do Congresso.

De acordo com Biden, "levará meses" para que mais da metade da população dos EUA esteja vacinada contra o coronavírus. Por isso, ele defendeu a utilização de máscaras para frear o avanço da doença e anunciou um decreto para tornar obrigatório o uso da proteção em ônibus, trens e aviões.

"Nossa estratégia nacional contra a pandemia é baseada em ciência, não em política", frisou Biden.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Biden assina decretos para impulsionar vacinação e anuncia novas restrições


21/01/2021 | 17:36


O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou uma série de decretos - 10 no total - para impulsionar a vacinação contra a covid-19 e aumentar as restrições a viajantes que chegam ao país. Um dia após tomar posse, o democrata afirmou que a pandemia "ficará pior antes de melhorar" e previu que o número de mortes por coronavírus "provavelmente" ultrapassará 500 mil em fevereiro. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, mais de 408 mil americanos já morreram da doença.

Dentro as principais medidas, está a exigência de testes de covid-19 e quarentena para quem viajar de outros países aos Estados Unidos. "A saúde da nação está literalmente em jogo, não é uma hipérbole", declarou Biden.

O democrata também assinou um decreto para permitir que as agências governamentais usem a Lei de Defesa da Produção para acelerar a produção de vacinas.

Biden criticou a gestão de seu antecessor, Donald Trump. "No ano passado não pudemos contar com o governo federal", afirmou.

Segundo o novo presidente, apesar de o início da imunização contra a covid-19 ter trazido esperança, "o resto foi um fracasso sombrio".

Ecoando o tom de união adotado no discurso de posse, o democrata disse que pedirá ao Congresso a aprovação de mais recursos para a saúde. "Estamos em uma emergência nacional", declarou, ao clamar pelo apoio dos líderes do Congresso.

De acordo com Biden, "levará meses" para que mais da metade da população dos EUA esteja vacinada contra o coronavírus. Por isso, ele defendeu a utilização de máscaras para frear o avanço da doença e anunciou um decreto para tornar obrigatório o uso da proteção em ônibus, trens e aviões.

"Nossa estratégia nacional contra a pandemia é baseada em ciência, não em política", frisou Biden.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;