Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Butantan diz que, até março, tem responsabilidade de ser produtor de única vacina



20/01/2021 | 14:08


O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, avalia que até março - quando deve haver a disponibilidade das doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, a farmacêutica AstraZeneca, e envasadas pela Fundação Oswaldo Cruz - somente os imunizantes produzidos pelo Butantan estarão disponíveis para aplicação no País. Segundo ele, "isso coloca no Butantan a responsabilidade de continuar sendo o produtor da única vacina em uso no País neste momento".

Dificuldades na importação de doses e de insumos para a produção e envase da Coronavac ameaçam a campanha de imunização brasileira e acenderam o alerta no governo paulista de atraso no calendário vacinal.

Durante entrevista coletiva nesta quarta-feira, 20, Covas pediu ao governo federal, em especial o presidente da República, Jair Bolsonaro - que disse no início da semana ser "do Brasil" a vacina - e o chanceler Ernesto Araújo, para que ajudem a "aplainar" as relações com a China.

Tanto o presidente quanto o ministro das Relações Exteriores têm protagonizado episódios de ataque à China, que podem ter contribuído para o atraso na remessa de insumos.

"Aguardamos liberação dos insumos da China para nossa produção local", disse Covas, que afirmou depender de uma quarta instância chinesa a liberação da importação dos insumos. "Apelo ao presidente para acelerar entendimentos", completou. Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o País "precisa estar mobilizado para trazer os insumos da China".

Para Doria, o escritório de negócios do governo paulista em Xangai, na China - inaugurado em agosto de 2019 - "abriu novos canais para a liberação de insumos da Coronavac".

"Trabalhamos com a China, que confia no governo de São Paulo, independentemente do governo brasileiro", disse o governador.

Conforme relatou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em reunião com representantes chineses no período da manhã, problemas técnicos foram responsáveis pelo atraso e não políticos.

Segundo Doria, a fábrica, em instalação pelo Instituto Butantan e prevista para início no segundo semestre, não recebeu um centavo do governo federal. "Se não fosse o Butantan, não teríamos ainda vacina contra a covid-19 no Brasil", afirmou Doria. "Fomos o 64º país a iniciar imunização, mas poderíamos ter sido um dos primeiros se não fosse o negacionismo", completou.

Doses no Brasil

No momento, o instituto aguarda liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que seja feita a liberação de 4,8 milhões de doses do imunizante, já em solo brasileiro, em adição aos 6 milhões já liberados. Segundo afirmou Covas, a Anvisa solicitou mais esclarecimentos para análise deste novo pedido de uso emergencial.

"Esperamos que a liberação de pedido saia logo para continuarmos com cronograma", afirmou Covas durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Butantan diz que, até março, tem responsabilidade de ser produtor de única vacina


20/01/2021 | 14:08


O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, avalia que até março - quando deve haver a disponibilidade das doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, a farmacêutica AstraZeneca, e envasadas pela Fundação Oswaldo Cruz - somente os imunizantes produzidos pelo Butantan estarão disponíveis para aplicação no País. Segundo ele, "isso coloca no Butantan a responsabilidade de continuar sendo o produtor da única vacina em uso no País neste momento".

Dificuldades na importação de doses e de insumos para a produção e envase da Coronavac ameaçam a campanha de imunização brasileira e acenderam o alerta no governo paulista de atraso no calendário vacinal.

Durante entrevista coletiva nesta quarta-feira, 20, Covas pediu ao governo federal, em especial o presidente da República, Jair Bolsonaro - que disse no início da semana ser "do Brasil" a vacina - e o chanceler Ernesto Araújo, para que ajudem a "aplainar" as relações com a China.

Tanto o presidente quanto o ministro das Relações Exteriores têm protagonizado episódios de ataque à China, que podem ter contribuído para o atraso na remessa de insumos.

"Aguardamos liberação dos insumos da China para nossa produção local", disse Covas, que afirmou depender de uma quarta instância chinesa a liberação da importação dos insumos. "Apelo ao presidente para acelerar entendimentos", completou. Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o País "precisa estar mobilizado para trazer os insumos da China".

Para Doria, o escritório de negócios do governo paulista em Xangai, na China - inaugurado em agosto de 2019 - "abriu novos canais para a liberação de insumos da Coronavac".

"Trabalhamos com a China, que confia no governo de São Paulo, independentemente do governo brasileiro", disse o governador.

Conforme relatou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em reunião com representantes chineses no período da manhã, problemas técnicos foram responsáveis pelo atraso e não políticos.

Segundo Doria, a fábrica, em instalação pelo Instituto Butantan e prevista para início no segundo semestre, não recebeu um centavo do governo federal. "Se não fosse o Butantan, não teríamos ainda vacina contra a covid-19 no Brasil", afirmou Doria. "Fomos o 64º país a iniciar imunização, mas poderíamos ter sido um dos primeiros se não fosse o negacionismo", completou.

Doses no Brasil

No momento, o instituto aguarda liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que seja feita a liberação de 4,8 milhões de doses do imunizante, já em solo brasileiro, em adição aos 6 milhões já liberados. Segundo afirmou Covas, a Anvisa solicitou mais esclarecimentos para análise deste novo pedido de uso emergencial.

"Esperamos que a liberação de pedido saia logo para continuarmos com cronograma", afirmou Covas durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;