Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 16 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sem-Teto ocupam área no Jd. Eldorado


Evandro De Marco
Do Diário do Grande ABC

29/11/2010 | 07:12


Pelo menos 100 pessoas ocuparam um terreno no Jardim Eldorado, em Diadema, no início da madrugada de ontem. Organizados, os integrantes do MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) levantaram acampamento em área de aproximadamente 50 mil metros quadrados na Avenida Pirâmide. A Polícia Militar foi chamada no início da manhã, mas não houve enfrentamento.

Durante o dia, mais pessoas chegaram e, no final da tarde, já havia perto de 200 famílias acampadas, segundo um dos líderes do grupo, Paulo Roberto de Melo, 28 anos. "Tem gente que sai para trabalhar ou para tomar banho na casa de parentes e depois volta para dormir aqui", explicou.

Muitas das pessoas que aderiram ao movimento vivem de aluguel, mas afirmaram que o valor pago é incompatível com o salário. "Pago R$ 270 de aluguel e estava com quatro meses atrasados. Foi o MLB que me ajudou a pagar pelo menos três porque meu trabalho como costureira não dá para ganhar muito", revelou Rita Maria da Costa Santos, 51, encarregada da cozinha no acampamento.

O proprietário do terreno invadido - um empresário do segmento termoplástico - registrou boletim de ocorrência no 1º DP.

O secretário da Habitação de Diadema, Márcio Vale, se comprometeu, por telefone, tanto com a Polícia Civil quanto com integrantes do MLB visitar o acampamento hoje para conversar sobre propostas de moradias para as famílias.

O movimento acredita que possível reintegração não acontecerá até amanhã. Mas, segundo Melo, as manhãs são instantes de apreensão, já que a retomada dos terrenos acontecem, geralmente, a partir das 6h. "Somos pacíficos, mas queremos ficar no terreno ou, então, que a Prefeitura ou Estado cedam espaço para construção de moradias para essas famílias."

Elizabete Nunes do Amaral, 67, é uma das acampadas. Ela assumiu a criação de três netos depois que a filha morreu vítima de bala perdida no Jardim Inamar, em Diadema, há 13 anos. O genro perdeu a vida em um acidente de carro no ano seguinte. Elizabete ganha cerca de R$ 150 por mês como catadora de material reciclável e não tem condições de pagar aluguel. "Não tenho um lugar só meu para morar. Tem muita gente trabalhando como catador e sobra pouco para pegar na rua", reclamou.

 

Movimento tem 330 famílias cadastradas

 

Presente em vários estados do País, o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) tem 330 famílias cadastradas em Diadema, segundo a direção do grupo.

Com contribuição de R$ 3 mensais e compromisso de comparecimento às reuniões semanais em bairros da cidade, os integrantes aguardam políticas do Estado para conseguirem a casa própria. Para pressionar, o movimento organiza manifestações e ocupações de terrenos públicos e privados. A última ação, ontem no Jardim Eldorado, foi arquitetada durante cinco meses. "Vimos o terreno e percebemos que não tinha nenhuma serventia. Ele pode ser usado para abrigar centenas de famílias", sustentou Melo.

O mesmo grupo também foi responsável pela ocupação de um terreno municipal na Avenida Chico Mendes, no Jardim Inamar, em 2008, e tomou a frente da Prefeitura de Diadema em abril e maio deste ano. "Sabemos que a Prefeitura até tem boa vontade, mas é tudo muito lento e burocrático. Temos que cobrar", defendeu Melo.

 

ORGANIZAÇÃO

Para manter a ordem no acampamento algumas regras são estabelecidas e cumpridas à risca, segundo a direção do movimento. Há proibição de bebidas alcóolicas e drogas e também de atos de violência entre os integrantes do grupo. A saída e entrada no terreno ocupado são livres, porém devem ser informada aos coordenadores.

Em barracas improvisadas cobertas com plástico, as famílias se amontoam em condições de higiene precárias. Não há banheiros e as refeições são simples - café da manhã, almoço e jantar - com os poucos mantimentos vindos de doação. "Ninguém está aqui porque gosta. Se a gente não lutar não consegue nada", disse uma costureira desempregada que não quis se identificar. EM



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem-Teto ocupam área no Jd. Eldorado

Evandro De Marco
Do Diário do Grande ABC

29/11/2010 | 07:12


Pelo menos 100 pessoas ocuparam um terreno no Jardim Eldorado, em Diadema, no início da madrugada de ontem. Organizados, os integrantes do MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) levantaram acampamento em área de aproximadamente 50 mil metros quadrados na Avenida Pirâmide. A Polícia Militar foi chamada no início da manhã, mas não houve enfrentamento.

Durante o dia, mais pessoas chegaram e, no final da tarde, já havia perto de 200 famílias acampadas, segundo um dos líderes do grupo, Paulo Roberto de Melo, 28 anos. "Tem gente que sai para trabalhar ou para tomar banho na casa de parentes e depois volta para dormir aqui", explicou.

Muitas das pessoas que aderiram ao movimento vivem de aluguel, mas afirmaram que o valor pago é incompatível com o salário. "Pago R$ 270 de aluguel e estava com quatro meses atrasados. Foi o MLB que me ajudou a pagar pelo menos três porque meu trabalho como costureira não dá para ganhar muito", revelou Rita Maria da Costa Santos, 51, encarregada da cozinha no acampamento.

O proprietário do terreno invadido - um empresário do segmento termoplástico - registrou boletim de ocorrência no 1º DP.

O secretário da Habitação de Diadema, Márcio Vale, se comprometeu, por telefone, tanto com a Polícia Civil quanto com integrantes do MLB visitar o acampamento hoje para conversar sobre propostas de moradias para as famílias.

O movimento acredita que possível reintegração não acontecerá até amanhã. Mas, segundo Melo, as manhãs são instantes de apreensão, já que a retomada dos terrenos acontecem, geralmente, a partir das 6h. "Somos pacíficos, mas queremos ficar no terreno ou, então, que a Prefeitura ou Estado cedam espaço para construção de moradias para essas famílias."

Elizabete Nunes do Amaral, 67, é uma das acampadas. Ela assumiu a criação de três netos depois que a filha morreu vítima de bala perdida no Jardim Inamar, em Diadema, há 13 anos. O genro perdeu a vida em um acidente de carro no ano seguinte. Elizabete ganha cerca de R$ 150 por mês como catadora de material reciclável e não tem condições de pagar aluguel. "Não tenho um lugar só meu para morar. Tem muita gente trabalhando como catador e sobra pouco para pegar na rua", reclamou.

 

Movimento tem 330 famílias cadastradas

 

Presente em vários estados do País, o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) tem 330 famílias cadastradas em Diadema, segundo a direção do grupo.

Com contribuição de R$ 3 mensais e compromisso de comparecimento às reuniões semanais em bairros da cidade, os integrantes aguardam políticas do Estado para conseguirem a casa própria. Para pressionar, o movimento organiza manifestações e ocupações de terrenos públicos e privados. A última ação, ontem no Jardim Eldorado, foi arquitetada durante cinco meses. "Vimos o terreno e percebemos que não tinha nenhuma serventia. Ele pode ser usado para abrigar centenas de famílias", sustentou Melo.

O mesmo grupo também foi responsável pela ocupação de um terreno municipal na Avenida Chico Mendes, no Jardim Inamar, em 2008, e tomou a frente da Prefeitura de Diadema em abril e maio deste ano. "Sabemos que a Prefeitura até tem boa vontade, mas é tudo muito lento e burocrático. Temos que cobrar", defendeu Melo.

 

ORGANIZAÇÃO

Para manter a ordem no acampamento algumas regras são estabelecidas e cumpridas à risca, segundo a direção do movimento. Há proibição de bebidas alcóolicas e drogas e também de atos de violência entre os integrantes do grupo. A saída e entrada no terreno ocupado são livres, porém devem ser informada aos coordenadores.

Em barracas improvisadas cobertas com plástico, as famílias se amontoam em condições de higiene precárias. Não há banheiros e as refeições são simples - café da manhã, almoço e jantar - com os poucos mantimentos vindos de doação. "Ninguém está aqui porque gosta. Se a gente não lutar não consegue nada", disse uma costureira desempregada que não quis se identificar. EM

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;