Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vidro reciclado vira tela nova


Lana Pinheiro
Do Diário do Grande ABC

20/07/2006 | 08:53


Das 177 toneladas de vidro que a LG Philips funde em sua unidade de Mauá para a produção de telas de televisores, 60% da matéria-prima são cacos de vidros – telas de monitores e televisores usados e reciclados.

<P>Detalhe curioso é que grande parte desse material é importado. Somente 15% desses cacos são nacionais e ainda assim são frutos de reciclagens feitas de sobras ou produtos refugados da própria unidade.

<p>A decisão de trazer lá de fora esses cacos têm explicação. Fundir vidro usando vidro é mais fácil e mais barato. Mas, nesse caso, o material reciclado tem de ser, obrigatoriamente, outras telas de televisores. E aí vem o problema.

<p>Diferentemente de outros países, o Brasil não tem legislação que determine a destinação para aparelhos de TVs e monitores sem uso. Por isso eles acabam nos aterros sanitários, rios e por aí afora. Não há quem recolha e revenda esse material.

<p>Diniz Lopes, presidente da Câmara de Vereadores de Mauá, convidado da empresa para apresentação de investimentos de US$ 5 milhões na região, gostou da bandeira e prometeu entrar na briga. “Vamos estudar um projeto para criação de lei para a reciclagem do componente”.

<P>Sérgio Ribeiro, responsável pela unidade do Grande ABC da companhia, informa que a idéia seria bem recebida. “Na Europa a legislação determina a reciclagem e, para comprarmos esses cacos, essas empresas vieram auditar a nossa fábrica. Precisávamos de leis semelhantes”, finalizou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vidro reciclado vira tela nova

Lana Pinheiro
Do Diário do Grande ABC

20/07/2006 | 08:53


Das 177 toneladas de vidro que a LG Philips funde em sua unidade de Mauá para a produção de telas de televisores, 60% da matéria-prima são cacos de vidros – telas de monitores e televisores usados e reciclados.

<P>Detalhe curioso é que grande parte desse material é importado. Somente 15% desses cacos são nacionais e ainda assim são frutos de reciclagens feitas de sobras ou produtos refugados da própria unidade.

<p>A decisão de trazer lá de fora esses cacos têm explicação. Fundir vidro usando vidro é mais fácil e mais barato. Mas, nesse caso, o material reciclado tem de ser, obrigatoriamente, outras telas de televisores. E aí vem o problema.

<p>Diferentemente de outros países, o Brasil não tem legislação que determine a destinação para aparelhos de TVs e monitores sem uso. Por isso eles acabam nos aterros sanitários, rios e por aí afora. Não há quem recolha e revenda esse material.

<p>Diniz Lopes, presidente da Câmara de Vereadores de Mauá, convidado da empresa para apresentação de investimentos de US$ 5 milhões na região, gostou da bandeira e prometeu entrar na briga. “Vamos estudar um projeto para criação de lei para a reciclagem do componente”.

<P>Sérgio Ribeiro, responsável pela unidade do Grande ABC da companhia, informa que a idéia seria bem recebida. “Na Europa a legislação determina a reciclagem e, para comprarmos esses cacos, essas empresas vieram auditar a nossa fábrica. Precisávamos de leis semelhantes”, finalizou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;