Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

São Paulo supera a marca de 50 mil mortes pela covid-19



19/01/2021 | 18:35


O Estado de São Paulo superou a marca de 50 mil mortes por covid-19 nesta terça-feira, 19. O balanço divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde mostra que o Estado, epicentro da doença no País, tem 50.318 óbitos e 1.644.225 casos confirmados.

Apenas nas últimas 24 horas, foram 331 óbitos e 15.953 casos confirmados da doença.

Até as 13 horas desta terça, o número de pacientes internados pelo coronavírus era 13.937, dos quais 7.845 estavam em enfermaria e 6.092 em unidades de terapia intensiva. Na Grande São Paulo, 70,5% dos leitos de UTI estão ocupados, enquanto esta taxa chega a 69,7% na rede estadual.

Ao todo, 1.415.873 pessoas no Estado já se recuperaram da doença e todos os 645 municípios têm pelo menos um caso confirmado de infecção. Desses, 613 têm um ou mais óbitos.

Vacinação

O contrato do Butantan com o Ministério da Saúde prevê o envio de 46 milhões de doses da Coronavac para o Sistema Único de Saúde (SUS) até o dia 30 de abril, a um custo de R$ 2,6 bilhões. A primeira parcela teria 6 milhões de doses importadas e 2,7 milhões de doses nacionais.

A segunda autorização para uso emergencial, cujo pedido à Anvisa foi anunciado por São Paulo na segunda-feira, se refere já às doses nacionais.

O acordo prevê que, até o fim de fevereiro, mais 9,3 milhões de doses, aí todas de produção nacional, sejam enviadas ao ministério. Em março, serão 18 milhões.

No mês de abril, o Butantan se comprometeu em enviar as 9,9 milhões de doses restantes.

A Coronavac precisa de duas doses para atingir a eficiência observada nos estudos clínicos. O tempo de intervalo entre as doses no estudo conduzido no Brasil, que apontou uma eficiência global de 50,4% (mas que evitou 100% dos casos graves e óbitos), foi de 21 dias entre a primeira e a segunda aplicação.

O diretor-presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que os estudos clínicos realizados em outros países, que tiveram intervalo de 28 dias, apontaram uma taxa de eficácia maior.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Paulo supera a marca de 50 mil mortes pela covid-19


19/01/2021 | 18:35


O Estado de São Paulo superou a marca de 50 mil mortes por covid-19 nesta terça-feira, 19. O balanço divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde mostra que o Estado, epicentro da doença no País, tem 50.318 óbitos e 1.644.225 casos confirmados.

Apenas nas últimas 24 horas, foram 331 óbitos e 15.953 casos confirmados da doença.

Até as 13 horas desta terça, o número de pacientes internados pelo coronavírus era 13.937, dos quais 7.845 estavam em enfermaria e 6.092 em unidades de terapia intensiva. Na Grande São Paulo, 70,5% dos leitos de UTI estão ocupados, enquanto esta taxa chega a 69,7% na rede estadual.

Ao todo, 1.415.873 pessoas no Estado já se recuperaram da doença e todos os 645 municípios têm pelo menos um caso confirmado de infecção. Desses, 613 têm um ou mais óbitos.

Vacinação

O contrato do Butantan com o Ministério da Saúde prevê o envio de 46 milhões de doses da Coronavac para o Sistema Único de Saúde (SUS) até o dia 30 de abril, a um custo de R$ 2,6 bilhões. A primeira parcela teria 6 milhões de doses importadas e 2,7 milhões de doses nacionais.

A segunda autorização para uso emergencial, cujo pedido à Anvisa foi anunciado por São Paulo na segunda-feira, se refere já às doses nacionais.

O acordo prevê que, até o fim de fevereiro, mais 9,3 milhões de doses, aí todas de produção nacional, sejam enviadas ao ministério. Em março, serão 18 milhões.

No mês de abril, o Butantan se comprometeu em enviar as 9,9 milhões de doses restantes.

A Coronavac precisa de duas doses para atingir a eficiência observada nos estudos clínicos. O tempo de intervalo entre as doses no estudo conduzido no Brasil, que apontou uma eficiência global de 50,4% (mas que evitou 100% dos casos graves e óbitos), foi de 21 dias entre a primeira e a segunda aplicação.

O diretor-presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que os estudos clínicos realizados em outros países, que tiveram intervalo de 28 dias, apontaram uma taxa de eficácia maior.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;