Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Comitê do Senado dos EUA fecha sessão sem votar indicação de Yellen ao Tesouro



19/01/2021 | 15:52


O Comitê de Finanças do Senado dos Estados Unidos encerrou no período da tarde desta terça-feira, 19, o a sessão com a indicada pelo presidente eleito do país Joe Biden para a secretaria do Tesouro, Janet Yellen, sem votar a nomeação. De acordo com o senador Mike Crapo (Partido Republicano), presidente do Comitê, senadores que não se pronunciaram nesta audiência poderão enviar perguntas por escrito para Yellen até a quarta-feira, 20, às 18 horas de Brasília. Só então haverá convocação da comissão para votar a indicação de Yellen ao Tesouro. Se aprovado, o nome ainda terá de ser avalizado pelo plenário do Senado.

Pouco antes do fim da sessão, Yellen ressaltou que os próximos meses serão "desafiadores" para a economia americana, que enfrenta a segunda onda de covid-19 em meio ao processo de vacinação.

Ela ainda garantiu que, à frente do Tesouro, se preciso for, vai solicitar extensão do programa de empréstimos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) voltado a pequenas empresas, o PPP, embora tenha criticado a efetividade do programa.

O grande destaque da participação de Yellen na sessão do Comitê de Finanças do Senado nesta terça-feira foi sua defesa do pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão proposto na semana passada por Joe Biden, que toma posse na quarta-feira como presidente dos Estados Unidos. Em um contexto de juros básicos entre 0% a 0,25%, ela disse ser preciso "agir com grandeza" na política fiscal para superar a crise e evitar uma recessão prolongada.

Embora tenha defendido a aprovação do pacote fiscal de Biden, Janet Yellen reconheceu que, para aplicá-lo, será preciso aumentar o endividamento do país.

"É essencial pôr o orçamento público em uma trajetória sustentável, mas é preciso oferecer apoio fiscal agora. Responsabilidade fiscal neste momento de crise é oferecer estímulo", declarou a ex-presidente do Fed.

A dívida pública norte-americana já bateu 130% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA e está em trajetória ascendente, como mostrou reportagem do Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), gerando algum desconforto sobre seu financiamento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Comitê do Senado dos EUA fecha sessão sem votar indicação de Yellen ao Tesouro


19/01/2021 | 15:52


O Comitê de Finanças do Senado dos Estados Unidos encerrou no período da tarde desta terça-feira, 19, o a sessão com a indicada pelo presidente eleito do país Joe Biden para a secretaria do Tesouro, Janet Yellen, sem votar a nomeação. De acordo com o senador Mike Crapo (Partido Republicano), presidente do Comitê, senadores que não se pronunciaram nesta audiência poderão enviar perguntas por escrito para Yellen até a quarta-feira, 20, às 18 horas de Brasília. Só então haverá convocação da comissão para votar a indicação de Yellen ao Tesouro. Se aprovado, o nome ainda terá de ser avalizado pelo plenário do Senado.

Pouco antes do fim da sessão, Yellen ressaltou que os próximos meses serão "desafiadores" para a economia americana, que enfrenta a segunda onda de covid-19 em meio ao processo de vacinação.

Ela ainda garantiu que, à frente do Tesouro, se preciso for, vai solicitar extensão do programa de empréstimos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) voltado a pequenas empresas, o PPP, embora tenha criticado a efetividade do programa.

O grande destaque da participação de Yellen na sessão do Comitê de Finanças do Senado nesta terça-feira foi sua defesa do pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão proposto na semana passada por Joe Biden, que toma posse na quarta-feira como presidente dos Estados Unidos. Em um contexto de juros básicos entre 0% a 0,25%, ela disse ser preciso "agir com grandeza" na política fiscal para superar a crise e evitar uma recessão prolongada.

Embora tenha defendido a aprovação do pacote fiscal de Biden, Janet Yellen reconheceu que, para aplicá-lo, será preciso aumentar o endividamento do país.

"É essencial pôr o orçamento público em uma trajetória sustentável, mas é preciso oferecer apoio fiscal agora. Responsabilidade fiscal neste momento de crise é oferecer estímulo", declarou a ex-presidente do Fed.

A dívida pública norte-americana já bateu 130% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA e está em trajetória ascendente, como mostrou reportagem do Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), gerando algum desconforto sobre seu financiamento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;