Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 1 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ricos e corporações devem pagar parte justa, diz indicada ao Tesouro dos EUA



19/01/2021 | 14:50


Indicada pelo presidente eleito dos Estados Unidos Joe Biden para assumir a secretaria do Tesouro, Janet Yellen deixou clara sua posição sobre uma eventual reforma tributária no país: é preciso buscar um sistema mais progressivo, com classes altas e grandes corporações pagando mais - o que a indicada chamou de "parte justa". Yellen é participante nesta terça-feira de sessão no Comitê de Finanças do Senado americano que votará sua indicação ao cargo.

"Nós vamos assegurar a competitividade das empresas, mas com impostos um pouco mais altos", declarou a ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Ainda assim, a indicada como próxima secretária do Tesouro garantiu que não haverá reversão completa dos cortes de impostos promovidos pelo presidente Donald Trump em 2017.

A elevação de tributos para grandes empresas e classes altas já é algo esperado para governo de Biden, favorável também a regulações no setor de tecnologia e serviços de comunicação.

Para além de corrigir distorções no sistema como um todo, a reforma tributária a ser apresentada pelo democrata pretende reverter desonerações fiscais da administração Trump que aumentaram o déficit público americano, hoje em trajetória ascendente. Na visão do governo eleito, as medidas tiveram pouco efeito prático em estimular a economia dos EUA.

Críticas a programa do Fed

Janet Yellen fez críticas nesta terça-feira ao Main Street, programa de empréstimos voltado a pequenas empresas criado pelo Federal Reserve para atenuar os efeitos da crise econômica trazida pela pandemia de covid-19. "Não foi muito eficaz no auge da crise. Então, essa é uma área importante para avançarmos e garantirmos que o capital esteja disponível para as empresas. Assim, vamos criar empregos e prosperar", afirmou.

Por outro lado, Yellen afirmou que grandes empresas, com acesso ao mercado de capitais, não têm problemas para obter empréstimos durante a crise. "O nosso problema é com as empresas de pequeno e médio porte", avaliou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ricos e corporações devem pagar parte justa, diz indicada ao Tesouro dos EUA


19/01/2021 | 14:50


Indicada pelo presidente eleito dos Estados Unidos Joe Biden para assumir a secretaria do Tesouro, Janet Yellen deixou clara sua posição sobre uma eventual reforma tributária no país: é preciso buscar um sistema mais progressivo, com classes altas e grandes corporações pagando mais - o que a indicada chamou de "parte justa". Yellen é participante nesta terça-feira de sessão no Comitê de Finanças do Senado americano que votará sua indicação ao cargo.

"Nós vamos assegurar a competitividade das empresas, mas com impostos um pouco mais altos", declarou a ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Ainda assim, a indicada como próxima secretária do Tesouro garantiu que não haverá reversão completa dos cortes de impostos promovidos pelo presidente Donald Trump em 2017.

A elevação de tributos para grandes empresas e classes altas já é algo esperado para governo de Biden, favorável também a regulações no setor de tecnologia e serviços de comunicação.

Para além de corrigir distorções no sistema como um todo, a reforma tributária a ser apresentada pelo democrata pretende reverter desonerações fiscais da administração Trump que aumentaram o déficit público americano, hoje em trajetória ascendente. Na visão do governo eleito, as medidas tiveram pouco efeito prático em estimular a economia dos EUA.

Críticas a programa do Fed

Janet Yellen fez críticas nesta terça-feira ao Main Street, programa de empréstimos voltado a pequenas empresas criado pelo Federal Reserve para atenuar os efeitos da crise econômica trazida pela pandemia de covid-19. "Não foi muito eficaz no auge da crise. Então, essa é uma área importante para avançarmos e garantirmos que o capital esteja disponível para as empresas. Assim, vamos criar empregos e prosperar", afirmou.

Por outro lado, Yellen afirmou que grandes empresas, com acesso ao mercado de capitais, não têm problemas para obter empréstimos durante a crise. "O nosso problema é com as empresas de pequeno e médio porte", avaliou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;