Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Justiça Eleitoral contesta contas de campanha de vereador em Diadema

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Juiz manda Dequinha Potência explicar receitas e despesas ocultadas das declarações oficiais


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

19/01/2021 | 00:01


A Justiça Eleitoral de Diadema encontrou falhas na prestação de contas da campanha entregue pelo vereador Dequinha Potência (PSD), eleito no pleito do ano passado para seu primeiro mandato. O juiz José Pedro Rebello Giannini, da 426ª Zona Eleitoral, mandou o parlamentar esclarecer sobre receitas e despesas ocultadas no balancete entregue pelo político.

Relatório preliminar indica série de divergências na prestação de contas da campanha de Dequinha. Uma delas é o fato de o parlamentar ter declarado uma única doação ao seu projeto, no valor de R$ 2.500, oriunda de duas transferências do próprio bolso. A Justiça Eleitoral, porém, quer saber a origem desse recurso, já que Dequinha declarou não ter bens.

O pente-fino da zona eleitoral diademense também identificou que o pessedista não declarou cerca de R$ 2.000 em movimentações financeiras. O montante, embora não tenha sido devidamente comunicado à Justiça Eleitoral, consta em extratos eletrônicos da conta-corrente aberta pela campanha. Também há registros de omissão de despesa, na ordem de R$ 200, com gráfica. “Foram identificadas divergências entre as informações constantes da prestação de contas e aquelas constantes da base de dados da Justiça Eleitoral (...), revelando indícios de omissão ou não comprovação de gastos eleitorais, que podem resultar em extrapolação do limite de gastos e/ou configurar recebimento de recursos de origem não identificada e/ou gasto irregular”, diz trecho do relatório sobre a campanha de Dequinha, que cita ainda existência de três contas eleitorais distintas atribuídas à campanha.

Embora o cruzamento de dados pela Justiça Eleitoral seja corriqueiro no processo de análise das prestações de contas de campanha, o ex-vereador Paulo Bezerra (PSB) entrou com pedido de impugnação dos balancetes entregues pelo parlamentar. O socialista alega que Dequinha infringiu a legislação eleitoral ao omitir diversos gastos da campanha, como despesas com caminhão de som e pessoal que atuou na campanha, e pede explicitamente que o pessedista tenha o diploma cassado. Não reeleito, Bezerra crê no retorno à Câmara por meio de eventual reprocessamento dos votos decorrente da cassação de Dequinha, que é o único vereador eleito pelo PSD e concorreu na chapa que teve Taka Yamauchi como prefeiturável. A Lei de Eleições prevê a cassação do diploma caso seja comprovado que houve captação ou gastos ilícitos de recursos.

Dequinha não atendeu aos contatos do Diário.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça Eleitoral contesta contas de campanha de vereador em Diadema

Juiz manda Dequinha Potência explicar receitas e despesas ocultadas das declarações oficiais

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

19/01/2021 | 00:01


A Justiça Eleitoral de Diadema encontrou falhas na prestação de contas da campanha entregue pelo vereador Dequinha Potência (PSD), eleito no pleito do ano passado para seu primeiro mandato. O juiz José Pedro Rebello Giannini, da 426ª Zona Eleitoral, mandou o parlamentar esclarecer sobre receitas e despesas ocultadas no balancete entregue pelo político.

Relatório preliminar indica série de divergências na prestação de contas da campanha de Dequinha. Uma delas é o fato de o parlamentar ter declarado uma única doação ao seu projeto, no valor de R$ 2.500, oriunda de duas transferências do próprio bolso. A Justiça Eleitoral, porém, quer saber a origem desse recurso, já que Dequinha declarou não ter bens.

O pente-fino da zona eleitoral diademense também identificou que o pessedista não declarou cerca de R$ 2.000 em movimentações financeiras. O montante, embora não tenha sido devidamente comunicado à Justiça Eleitoral, consta em extratos eletrônicos da conta-corrente aberta pela campanha. Também há registros de omissão de despesa, na ordem de R$ 200, com gráfica. “Foram identificadas divergências entre as informações constantes da prestação de contas e aquelas constantes da base de dados da Justiça Eleitoral (...), revelando indícios de omissão ou não comprovação de gastos eleitorais, que podem resultar em extrapolação do limite de gastos e/ou configurar recebimento de recursos de origem não identificada e/ou gasto irregular”, diz trecho do relatório sobre a campanha de Dequinha, que cita ainda existência de três contas eleitorais distintas atribuídas à campanha.

Embora o cruzamento de dados pela Justiça Eleitoral seja corriqueiro no processo de análise das prestações de contas de campanha, o ex-vereador Paulo Bezerra (PSB) entrou com pedido de impugnação dos balancetes entregues pelo parlamentar. O socialista alega que Dequinha infringiu a legislação eleitoral ao omitir diversos gastos da campanha, como despesas com caminhão de som e pessoal que atuou na campanha, e pede explicitamente que o pessedista tenha o diploma cassado. Não reeleito, Bezerra crê no retorno à Câmara por meio de eventual reprocessamento dos votos decorrente da cassação de Dequinha, que é o único vereador eleito pelo PSD e concorreu na chapa que teve Taka Yamauchi como prefeiturável. A Lei de Eleições prevê a cassação do diploma caso seja comprovado que houve captação ou gastos ilícitos de recursos.

Dequinha não atendeu aos contatos do Diário.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;