Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Israel vai compartilhar dados de saúde com Pfizer em troca de vacinas

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O país de 9,3 milhões de pessoas distribuiu mais de dois milhões de doses do imunizante em menos de um mês



18/01/2021 | 03:31


O governo de Israel fechou um acordo com a Pfizer para compartilhar dados médicos com a farmacêutica em troca de um fluxo contínuo de fornecimento de vacinas contra a covid-19. O país de 9,3 milhões de pessoas distribuiu mais de dois milhões de doses do imunizante em menos de um mês.

Israel é considerado um país ideal para novas pesquisas acerca da vacina, incluindo a proteção fornecida no longo prazo e a capacidade de prevenir a transmissão do vírus. O país tem um sistema universal de saúde com registros médicos digitalizados.

Os proponentes do acordo dizem que ele pode fazer com que Israel seja o primeiro país a vacinar a maior parte da população. Eles também argumentam que os dados vão impulsionar pesquisas que podem ajudar o resto do mundo. Por outro lado, críticos dizem que o acordo levanta problemas éticos. Entre eles, possíveis violações de privacidade e um aumento na divisão global que permite que países ricos estoquem vacinas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Israel vai compartilhar dados de saúde com Pfizer em troca de vacinas

O país de 9,3 milhões de pessoas distribuiu mais de dois milhões de doses do imunizante em menos de um mês


18/01/2021 | 03:31


O governo de Israel fechou um acordo com a Pfizer para compartilhar dados médicos com a farmacêutica em troca de um fluxo contínuo de fornecimento de vacinas contra a covid-19. O país de 9,3 milhões de pessoas distribuiu mais de dois milhões de doses do imunizante em menos de um mês.

Israel é considerado um país ideal para novas pesquisas acerca da vacina, incluindo a proteção fornecida no longo prazo e a capacidade de prevenir a transmissão do vírus. O país tem um sistema universal de saúde com registros médicos digitalizados.

Os proponentes do acordo dizem que ele pode fazer com que Israel seja o primeiro país a vacinar a maior parte da população. Eles também argumentam que os dados vão impulsionar pesquisas que podem ajudar o resto do mundo. Por outro lado, críticos dizem que o acordo levanta problemas éticos. Entre eles, possíveis violações de privacidade e um aumento na divisão global que permite que países ricos estoquem vacinas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;