Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dono de food trucks espera volta de eventos



17/01/2021 | 07:29


O empresário Celso Oliveira, de 45 anos, contava com os eventos corporativos, em que instalava food trucks de alimentação, para que a empresa crescesse em 2020. "Em um evento grande, como a CCXP (evento de cultura pop, que reúne fãs de quadrinhos e séries), chegávamos a ganhar R$ 120 mil." Com as restrições impostas pela covid-19, porém, o faturamento caiu 90% no meio do ano e Oliveira precisou gastar parte das economias.

"Antes da pandemia trabalhava com quatro carros. Vendia de comida asiática a pratos regionais. Basicamente eram três funcionários em cada operação. Não conseguimos manter todos os funcionários e muitos acabaram dependendo do auxílio emergencial", diz Oliveira.

Mesmo com os eventos não tendo sido retomados, ele viu que a demanda por comida aumentou e decidiu focar na fábrica de food trucks da família, a Bumerangue. Em um primeiro momento, com apenas serviços essenciais funcionando, um nicho de negócio que cresceu foi a instalação de carrinhos ao lado de supermercados e postos de combustíveis.

"Agora, com as pessoas querendo sair de casa, alguns ambulantes, meus clientes da fábrica, tiveram aumento de 300% no faturamento. Os eventos, meu principal campo de negócios, não devem voltar tão cedo, mas acabamos nos adaptando. A dúvida é como será 2021."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dono de food trucks espera volta de eventos


17/01/2021 | 07:29


O empresário Celso Oliveira, de 45 anos, contava com os eventos corporativos, em que instalava food trucks de alimentação, para que a empresa crescesse em 2020. "Em um evento grande, como a CCXP (evento de cultura pop, que reúne fãs de quadrinhos e séries), chegávamos a ganhar R$ 120 mil." Com as restrições impostas pela covid-19, porém, o faturamento caiu 90% no meio do ano e Oliveira precisou gastar parte das economias.

"Antes da pandemia trabalhava com quatro carros. Vendia de comida asiática a pratos regionais. Basicamente eram três funcionários em cada operação. Não conseguimos manter todos os funcionários e muitos acabaram dependendo do auxílio emergencial", diz Oliveira.

Mesmo com os eventos não tendo sido retomados, ele viu que a demanda por comida aumentou e decidiu focar na fábrica de food trucks da família, a Bumerangue. Em um primeiro momento, com apenas serviços essenciais funcionando, um nicho de negócio que cresceu foi a instalação de carrinhos ao lado de supermercados e postos de combustíveis.

"Agora, com as pessoas querendo sair de casa, alguns ambulantes, meus clientes da fábrica, tiveram aumento de 300% no faturamento. Os eventos, meu principal campo de negócios, não devem voltar tão cedo, mas acabamos nos adaptando. A dúvida é como será 2021."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;