Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Demanda por crédito no Brasil medida pelo INDC sobe 29% em 2020



16/01/2021 | 08:53


A procura por crédito nos segmentos de varejo, bancos e serviços no País fechou 2020 com crescimento de 29%, conforme o Índice Neurotech de Demanda por Crédito (INDC), antecipado ao Broadcast. Em dezembro, a alta foi mais branda, de 4%, na comparação com novembro. Já em relação a dezembro de 2019, houve retração de 4%.

O destaque do ano foi o setor de serviços, que passou a registrar expansão superior a 34% a partir de agosto, terminando com incremento de 122% em um ano.

Segundo Breno Costa, diretor de Produtos e Sucesso do Cliente da Neurotech, a aceleração indica que muitos consumidores, que já se beneficiavam do auxílio emergencial fornecido pelo governo federal, solicitaram financiamento para completar o valor necessário com o objetivo de reformar a casa, por exemplo, ou renegociar dívidas.

A demanda por crédito de bancos e financeiras subiu 16% no ano passado, enquanto o varejo registrou um crescimento de 44% na mesma comparação.

Lojas

A procura por financiamento foi maior nas lojas de departamento e de vestuário. No caso da primeira categoria, houve altas de 71% em dezembro ante novembro e de 88% em um ano. Já os estabelecimentos especializados em roupas e acessórios registraram crescimento 57% na comparação mensal e cravaram um aumento de 170% entre as propostas feitas no intervalo de janeiro a dezembro.

"A rápida recuperação do segundo semestre trouxe a demanda por crédito para os patamares de normalidade do mercado brasileiro após o susto provocado pela pandemia covid-19 no primeiro semestre", avalia Costa.

A despeito desse aumento, o executivo alerta para eventuais efeitos desse avanço. "Fatores estruturais como o aumento do endividamento e das incertezas voltam a ter o peso que sempre tiveram e oferecer desafios que exigirão muito esforço para serem superados", afirma. Em sua visão, "inovações" como o Cadastro Positivo, Dados Alternativos, o Pix e Open Banking deverão servir de amparo para um possível cenário como o citado acima.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Demanda por crédito no Brasil medida pelo INDC sobe 29% em 2020


16/01/2021 | 08:53


A procura por crédito nos segmentos de varejo, bancos e serviços no País fechou 2020 com crescimento de 29%, conforme o Índice Neurotech de Demanda por Crédito (INDC), antecipado ao Broadcast. Em dezembro, a alta foi mais branda, de 4%, na comparação com novembro. Já em relação a dezembro de 2019, houve retração de 4%.

O destaque do ano foi o setor de serviços, que passou a registrar expansão superior a 34% a partir de agosto, terminando com incremento de 122% em um ano.

Segundo Breno Costa, diretor de Produtos e Sucesso do Cliente da Neurotech, a aceleração indica que muitos consumidores, que já se beneficiavam do auxílio emergencial fornecido pelo governo federal, solicitaram financiamento para completar o valor necessário com o objetivo de reformar a casa, por exemplo, ou renegociar dívidas.

A demanda por crédito de bancos e financeiras subiu 16% no ano passado, enquanto o varejo registrou um crescimento de 44% na mesma comparação.

Lojas

A procura por financiamento foi maior nas lojas de departamento e de vestuário. No caso da primeira categoria, houve altas de 71% em dezembro ante novembro e de 88% em um ano. Já os estabelecimentos especializados em roupas e acessórios registraram crescimento 57% na comparação mensal e cravaram um aumento de 170% entre as propostas feitas no intervalo de janeiro a dezembro.

"A rápida recuperação do segundo semestre trouxe a demanda por crédito para os patamares de normalidade do mercado brasileiro após o susto provocado pela pandemia covid-19 no primeiro semestre", avalia Costa.

A despeito desse aumento, o executivo alerta para eventuais efeitos desse avanço. "Fatores estruturais como o aumento do endividamento e das incertezas voltam a ter o peso que sempre tiveram e oferecer desafios que exigirão muito esforço para serem superados", afirma. Em sua visão, "inovações" como o Cadastro Positivo, Dados Alternativos, o Pix e Open Banking deverão servir de amparo para um possível cenário como o citado acima.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;