Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mudança de rumo


Do Diário do Grande ABC

15/01/2021 | 23:59


Um novo edital para a privatização da Cidade da Criança foi lançado pela Prefeitura de São Bernardo. É a segunda vez que o prefeito Orlando Morando tenta repassar o tradicional equipamento de lazer à iniciativa privada. O que chama atenção são os valores incluídos no edital. O documento, que normatiza o processo, desta vez expressa números que representam aproximadamente 50% do preço que estava na primeira versão e dá ao comprador quase o dobro do tempo de exploração.

A discrepância nos dados fica ainda mais chamativa quando se observa que houve um interessado na aquisição do primeiro parque temático do País quando o certame inicial estava em vigência.

Na concorrência inicial, o Paço são-bernardense pedia R$ 33,8 milhões (entre outorgas fixas e variáveis), com prazo de 15 anos. E, nessas condições, a empresa Closer Soluções Empresariais, de São Caetano, fez a proposta vencedora. Sendo R$ 5 milhões de outorga fixa e R$ 28,8 milhões de variável. Mas veio a pandemia do novo coronavírus, o negócio não foi concretizado e acabou escanteado pelo governo tucano.

Agora, Morando e sua equipe retomaram o assunto, mas, ao que tudo indica, com uma espécie de liquidação ou abatimento de preço. O montante pedido pela Cidade da Criança é de R$ 14,7 milhões. E quem der a melhor oferta terá o direito de administrar os 37,7 mil metros quadrados, com todas as suas atrações, por 25 anos.

A justificativa é “dar mais atratividade por parte de empresas, tendo em vista que na licitação anterior teve apenas um interessado, que declinou posteriormente”.

Fundada em outubro de 1968, a Cidade da Criança é importante demais para São Bernardo e para o Grande ABC. Tanto que a ameaça de fechamento, no ano passado, repercutiu muito mal e fez com que o prefeito se movimentasse para impedir o encerramento de atividades.

Privatizar parece ser a melhor saída. Mas é preciso que tenha transparência. A população merece isso. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mudança de rumo

Do Diário do Grande ABC

15/01/2021 | 23:59


Um novo edital para a privatização da Cidade da Criança foi lançado pela Prefeitura de São Bernardo. É a segunda vez que o prefeito Orlando Morando tenta repassar o tradicional equipamento de lazer à iniciativa privada. O que chama atenção são os valores incluídos no edital. O documento, que normatiza o processo, desta vez expressa números que representam aproximadamente 50% do preço que estava na primeira versão e dá ao comprador quase o dobro do tempo de exploração.

A discrepância nos dados fica ainda mais chamativa quando se observa que houve um interessado na aquisição do primeiro parque temático do País quando o certame inicial estava em vigência.

Na concorrência inicial, o Paço são-bernardense pedia R$ 33,8 milhões (entre outorgas fixas e variáveis), com prazo de 15 anos. E, nessas condições, a empresa Closer Soluções Empresariais, de São Caetano, fez a proposta vencedora. Sendo R$ 5 milhões de outorga fixa e R$ 28,8 milhões de variável. Mas veio a pandemia do novo coronavírus, o negócio não foi concretizado e acabou escanteado pelo governo tucano.

Agora, Morando e sua equipe retomaram o assunto, mas, ao que tudo indica, com uma espécie de liquidação ou abatimento de preço. O montante pedido pela Cidade da Criança é de R$ 14,7 milhões. E quem der a melhor oferta terá o direito de administrar os 37,7 mil metros quadrados, com todas as suas atrações, por 25 anos.

A justificativa é “dar mais atratividade por parte de empresas, tendo em vista que na licitação anterior teve apenas um interessado, que declinou posteriormente”.

Fundada em outubro de 1968, a Cidade da Criança é importante demais para São Bernardo e para o Grande ABC. Tanto que a ameaça de fechamento, no ano passado, repercutiu muito mal e fez com que o prefeito se movimentasse para impedir o encerramento de atividades.

Privatizar parece ser a melhor saída. Mas é preciso que tenha transparência. A população merece isso. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;