Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Líder do MDB oficializa pedido de intervenção federal no Amazonas



15/01/2021 | 17:33


O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), pediu ao presidente Jair Bolsonaro para decretar intervenção federal na saúde pública do Amazonas. O pedido foi oficializado nesta sexta-feira, 15, após a explosão de casos de covid-19 em Manaus (AM), que levou o sistema de saúde da cidade ao colapso.

O estoque de oxigênio se esgotou em diversos hospitais e pacientes morreram por asfixia, segundo relato de médicos. A intervenção federal faria o governo do presidente Jair Bolsonaro assumir a gestão da crise na saúde no Estado, hoje sob o guarda-chuva do governador Wilson Lima (PSC), adversário político de Braga.

"Trata-se de situação que exige ação imediata do governo federal, guardando semelhança com o quadro de ineficiência do Estado do Rio de Janeiro no combate ao crime e à violência, o que ensejou a intervenção federal naquele Estado 'com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública', mediante o Decreto nº 9.288, de 16 de fevereiro de 2018", escreveu Braga. Para o senador, o governo federal tem maior capacidade financeira e recursos logísticos para dar respostas rápidas à situação.

A intervenção, se decretada por Bolsonaro, depende de aprovação no Congresso Nacional. Conforme o Broadcast Político publicou mais cedo, a possibilidade de o governo federal assumir o controle da crise sanitária no Amazonas divide parlamentares. Nos bastidores, alguns acreditam que isso poderia levar Bolsonaro a aplicar uma política negacionista no Estado ao colocar fim no isolamento social e incentivar a distribuição de remédios sem comprovação científica.

"Não é momento de pedir intervenção federal. É hora de união de todos. Neste momento, não há culpados. Temos que atravessar esse túnel escuro. Quando clarear, e vai clarear, aí então veremos onde erramos e o que é preciso fazer para corrigir", afirmou o senador Plínio Valério (PSDB-AM). "Sou contra a intervenção. Tanto o governo do Amazonas como o governo federal têm demonstrado dificuldades para enfrentar a crise. A hora é de uma ação sinérgica entre os governos. Quanto menos trauma e ruptura, mais rápido superarmos esse drama", comentou o deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

Recesso.

O Congresso está em recesso legislativo até o início de fevereiro. Em janeiro, a Comissão Representativa do Legislativo, formada por sete senadores e 16 deputados, poderia convocar uma reunião para análise de medidas emergenciais. Isso aconteceu em 2010, quando a comissão aprovou o envio de tropas do Exército para o Haiti. Alguns parlamentares defendem uma convocação mais ampla, de todos os congressistas, e não só da comissão, o que exigiria aprovação de maioria absoluta da Câmara e do Senado, ou seja, 257 deputados e 81 senadores.

Candidatos à presidência da Câmara e do Senado em fevereiro, respectivamente, Baleia Rossi (MDB-SP) e Simone Tebet (MDB-MS), defenderam publicamente a retomada das sessões em janeiro para análise de medidas emergenciais. Antes da crise em Manaus, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), rejeitou a suspensão do recesso quando foi cobrado para pautar a retomada do auxílio emergencial, entre outras medidas. Até o momento, ele não se pronunciou sobre os pedidos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Líder do MDB oficializa pedido de intervenção federal no Amazonas


15/01/2021 | 17:33


O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), pediu ao presidente Jair Bolsonaro para decretar intervenção federal na saúde pública do Amazonas. O pedido foi oficializado nesta sexta-feira, 15, após a explosão de casos de covid-19 em Manaus (AM), que levou o sistema de saúde da cidade ao colapso.

O estoque de oxigênio se esgotou em diversos hospitais e pacientes morreram por asfixia, segundo relato de médicos. A intervenção federal faria o governo do presidente Jair Bolsonaro assumir a gestão da crise na saúde no Estado, hoje sob o guarda-chuva do governador Wilson Lima (PSC), adversário político de Braga.

"Trata-se de situação que exige ação imediata do governo federal, guardando semelhança com o quadro de ineficiência do Estado do Rio de Janeiro no combate ao crime e à violência, o que ensejou a intervenção federal naquele Estado 'com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública', mediante o Decreto nº 9.288, de 16 de fevereiro de 2018", escreveu Braga. Para o senador, o governo federal tem maior capacidade financeira e recursos logísticos para dar respostas rápidas à situação.

A intervenção, se decretada por Bolsonaro, depende de aprovação no Congresso Nacional. Conforme o Broadcast Político publicou mais cedo, a possibilidade de o governo federal assumir o controle da crise sanitária no Amazonas divide parlamentares. Nos bastidores, alguns acreditam que isso poderia levar Bolsonaro a aplicar uma política negacionista no Estado ao colocar fim no isolamento social e incentivar a distribuição de remédios sem comprovação científica.

"Não é momento de pedir intervenção federal. É hora de união de todos. Neste momento, não há culpados. Temos que atravessar esse túnel escuro. Quando clarear, e vai clarear, aí então veremos onde erramos e o que é preciso fazer para corrigir", afirmou o senador Plínio Valério (PSDB-AM). "Sou contra a intervenção. Tanto o governo do Amazonas como o governo federal têm demonstrado dificuldades para enfrentar a crise. A hora é de uma ação sinérgica entre os governos. Quanto menos trauma e ruptura, mais rápido superarmos esse drama", comentou o deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

Recesso.

O Congresso está em recesso legislativo até o início de fevereiro. Em janeiro, a Comissão Representativa do Legislativo, formada por sete senadores e 16 deputados, poderia convocar uma reunião para análise de medidas emergenciais. Isso aconteceu em 2010, quando a comissão aprovou o envio de tropas do Exército para o Haiti. Alguns parlamentares defendem uma convocação mais ampla, de todos os congressistas, e não só da comissão, o que exigiria aprovação de maioria absoluta da Câmara e do Senado, ou seja, 257 deputados e 81 senadores.

Candidatos à presidência da Câmara e do Senado em fevereiro, respectivamente, Baleia Rossi (MDB-SP) e Simone Tebet (MDB-MS), defenderam publicamente a retomada das sessões em janeiro para análise de medidas emergenciais. Antes da crise em Manaus, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), rejeitou a suspensão do recesso quando foi cobrado para pautar a retomada do auxílio emergencial, entre outras medidas. Até o momento, ele não se pronunciou sobre os pedidos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;